Subscribe:

5 de maio de 2016

Afastado pelo STF, Cunha se pronuncia dizendo que vai recorrer.


'O PT sempre quis me levar com eles para o banco dos réus', afirmou o agora ex-presidente da Câmara



Ao comentar na noite desta quinta-feira a decisão do Supremo Tribunal Federal que o afastou do mandato de deputado e, por consequência, da presidência da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) falou em "retaliação política" por ter concordado com o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff e conduzido a votação que culminou na aceitação do processo pela Casa. "Era óbvio que o fato de eu ter conduzido a votação teria uma reação. O PT sempre quis me levar com eles para o banco dos réus", afirmou.

O peemedebista disse que vai recorrer da decisão, que classificou como uma "nítida interferência" no Legislativo. Ao citar um "processo político" por trás da votação do STF, Cunha afirmou: "Na quarta-feira que vem nós vamos dizer antes tarde do que nunca o Brasil vai poder se livrar do PT".


“Não renunciarei”, diz Eduardo Cunha após afastamento


POR PAINEL
Afastado do cargo por uma liminar concedida pelo ministro Teori Zavascki (STF), Eduardo Cunha diz que não irá renunciar à presidência da Câmara.
“Não renunciarei”, afirmou o peemedebista à coluna nesta quinta-feira (5), momentos antes do início do julgamento de seu caso no Supremo Tribunal Federal.
Se, de fato, não abrir mão do cargo, Cunha travará a deflagração de um processo sucessório para o comando da Câmara. Nesse caso, a instituição teria de ser presidida pelo atual vice-presidente da Casa, o deputado Waldir Maranhão, salvo se houver algum acordo ou a própria renúncia do vice permitindo uma nova eleição.
Cunha pretende conceder uma entrevista coletiva depois da decisão do Supremo.

Painel Folha de São Paulo.

Guerra no STF: Tentativa de golpe contra impeachment agita ministros

Imagem: Reprodução / TV Justiça




Eliane Cantanhede, colunista do jornal O Estado de S. Paulo, denuncia um "golpe" que estava sendo articulado no STF para anular o processo de impeachment da presidente Dilma no Congresso. Segundo a jornalista, o afastamento de Eduardo Cunha teve o intuito de impedir esse golpe. Lewandowski e Marco Aurélio decidiram pôr em votação hoje uma ação da Rede de Sustentabilidade que pedia a anulação de todos os atos de Cunha, o que, se aceito, "enterraria" o impeachment. Com o afastamento, segundo Cantanhede, a ação da Rede perderia seu objeto e o impeachment pode prosseguir. Ainda segundo a colunista, "a sessão de hoje à tarde deve ser num nível máximo de tensão".


Leia o texto com a denúncia de Cantanhede:




A decisão do ministro Teori Zavascki de afastar o deputado Eduardo Cunha foi amadurecida durante a madrugada e teve o objetivo de desativar uma bomba preparada pelos ministros Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello que, segundo análises de juristas, poderia implodir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e a posse do vice Michel Temer.

Lewandowski e Mello puseram em votação hoje à tarde a ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental), de autoria da Rede de Sustentabilidade, que, além de pedir o afastamento de Eduardo Cunha, determinava simultaneamente, segundo interpretação de outros ministros, a anulação de todos os seus atos no cargo – e, por conseguinte, o acatamento do pedido de impeachment de Dilma.


Zavascki se irritou e outros ministros estranharam que Mello tenha aceitado relatar a ADPF da Rede, quando o natural seria que a enviasse para ele, que relata o caso Cunha desde dezembro. E as suspeitas pioraram quando Mello acertou com o presidente Lewandowski para suspender toda a pauta de hoje no plenário para se concentrar nessa ação.
Ao perceberem a manobra – ou “golpe”, segundo um deles – , ministros do Supremo se mobilizaram para neutralizar a aprovação da ADPF hoje à tarde pelo plenário. Decidindo o afastamento de Cunha com base no processo aberto pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot, Zavascki esvazia horas antes a ação da Rede, que deixa de ter um “objeto”. Se Cunha não é mais deputado, não há como julgá-lo como tal.
O fato é que, com a proximidade do impeachment de Dilma, os nervos estão à flor da pele e o próprio Supremo está em pé de guerra. A sessão de hoje à tarde deve ser num nível máximo de tensão. Marco Aurélio Mello disse que “é preciso analisar” se o seu relatório sobre a ação da Rede está ou não prejudicado e tentou até brincar, dizendo do que Zavaski “poupou metade do seu trabalho”.


Folha de São Paulo

Cunha cria CPI articulada por Feliciano para investigar a UNE

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou nesta quarta-feira (4) a criação de mais duas CPIs na Casa, entre elas a destinada a investigar a UNE (União Nacional dos Estudantes).
As assinaturas para a CPI foram recolhidas pelo deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), alvo recorrente de manifestações organizadas pela UNE.
No requerimento apresentado por Feliciano, ele afirma que o objetivo é investigar "atitudes tidas como suspeitas" em convênios da entidade estudantil com órgãos federais e na aplicação do dinheiro recebido a título de indenização pelos danos sofridos na ditadura militar.
O deputado também quer apuração sobre "a arrecadação e o destino da receita proveniente da confecção das carteiras de estudante nos últimos cinco anos".
Folha não conseguiu contato com a assessoria de imprensa da UNE na noite desta quarta.
O PT acusou Cunha, que também é alvo da UNE, de atropelar o regimento com o objetivo de perseguir seus adversários. O partido argumenta que na frente da CPI da UNE havia a que pedia investigação sobre "irregularidades, a falta de estrutura e a aplicação de verbas nas entidades de internação de adolescentes infratores". Cunha rejeitou criar essa CPI sob o argumento de que ela não tem o chamado "fato determinado" para a investigação.
A CPI da UNE começará a funcionar assim que os líderes partidários indicarem seus integrantes.
DPVAT
Cunha anunciou também a criação da CPI do DPVAT (seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores), de autoria da deputada Raquel Muniz (PSD-MG). O objetivo é investigar suspeitas de irregularidades na concessão do seguro entre os anos de 2000 e 2015.
Muniz se notabilizou nas últimas semanas devido à prisão do marido, Ruy Muniz (PSB), prefeito de Montes Claros, um dia depois de ela votar a favor do impeachment de Dilma Roussseff com o discurso de que a gestão do marido mostrava que o Brasil "tem jeito".
Segundo a Polícia Federal, o prefeito é suspeito de inviabilizar o funcionamento de hospitais públicos e filantrópicos na cidade para favorecer um hospital privado que pertenceria aos seus familiares e ao grupo econômico deles.
Há hoje na Câmara três CPIs em funcionamento, da Funai, do Carf e da Máfia do Futebol. As duas novas entram no lugar da que investigou os Fundos de Pensão e da que tratou de Crimes Cibernéticos. Pelas regras da Câmara só cinco CPIs podem funcionar simultaneamente.
Folha de São Paulo

4 de maio de 2016

Petista da barra de ferro é funcionário do deputado federal Toninho Wandscheer



Edson Rimonatto, o petista que agrediu com uma chave de rodas, um casal de voluntários que fazia vigília em apoio ao juiz Sérgio Moro, na frente da Justiça Federal, é funcionário do deputado paranaense Toninho Wandscher, que acaba de deixar o PT para se filiar ao PROS.

Na Câmara, Rimonatto exerce a função de Secretário Parlamentar, sigla SP14S. Recentemente recebeu promoção. Ocupava o posto SP10S.




John Gill Refuta John Wesley Sobre a Doutrina Bíblica da Predestinação




Fonte: Canal do YouTube "O Estandarte De Cristo"

Procuradoria pede investigação de Eduardo Paes em inquérito contra Aécio

A Procuradoria Geral da República pediu que o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), seja investigado no inquérito contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) sobre a maquiagem de dados do Banco Rural para esconder o mensalão mineiro.
A solicitação foi feita junto ao pedido de abertura de inquérito contra Aécio e o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), com base na delação do senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS).
Além desse possível inquérito sobre o Banco Rural, Aécio também foi alvo de um pedido de investigação sob suspeita de recebimento de propina de Furnas, neste caso sem outros políticos com foro privilegiado.
Em sua delação, Delcídio afirmou que Paes, à época secretário-geral do PSDB, foi um dos emissários de Aécio na maquiagem dos dados do Banco Rural.
Os dados do banco seriam enviados à CPI dos Correios, que investigava o mensalão e na qual Delcídio foi presidente. "Ficou sabendo que os dados eram maquiados porque isso lhe fora relatado por Eduardo Paes e o próprio Aécio Neves", disse o senador ex-petista, em depoimento à Procuradoria Geral da República.
 
Outro lado
Em nota, o prefeito Eduardo Paes informou que "está à disposição da Justiça para prestar esclarecimentos sobre o episódio".
A nota diz que "em nenhum momento o então governador Aécio Neves solicitou qualquer tipo de benefício nas investigações da CPI dos Correios. O prefeito reafirma que, como deputado, teve muito orgulho em ter sido sub-relator geral da CPI dos Correios que desvendou o esquema do mensalão".
Em nota divulgada na segunda-feira (2), Aécio disse ter "convicção de que as investigações deixarão clara a falsidade das citações feitas".
Aécio afirmou considerar "natural e necessário que as investigações sejam feitas, pois irão demonstrar, como já ocorreu outras vezes, a correção da sua conduta". "Quando uma delação é homologada no Supremo Tribunal Federal, como ocorreu com a delação do senado Delcídio do Amaral, é natural que seja feita a devida investigação sobre as declarações dadas.

Por isso, na época, o senador defendeu publicamente que fossem abertas investigações sobre as citações feitas a seu nome", disse, no texto enviado à imprensa.

Avivamento começa com aluno pregando em escola

Avivamento nos EUA é chamado de "força em movimento" pela mídia secular 

O pequeno estado de West Virginia não aparece muito na mídia, mas nas últimas semanas, a presença de Deus está se fazendo notar no que já é chamado de ‘novo avivamento americano’. Até os jornais e TVs seculares estão dando espaço para esse mover.
Na cidade de Logan, o adolescente Skyler Miller começou a ministrar aos seus colegas nos corredores da escola de ensino médio onde estuda.
Ele relata que o ‘sermão’ não foi algo planejado, até por que a maioria das escolas públicas não permite orações em público. “Mas o Espírito Santo estava movendo dentro de mim e eu só falei o que sentia”, contou ele à KLTV, uma emissora local da rede ABC.
As imagens de Miller pregando no corredor foram compartilhadas e comentadas centenas de milhares de vezes nas redes sociais. O jovem recuperou-se da leucemia (câncer no sangue), e tem dado testemunho de como sua fé foi importante na cura.
O estudante conta que estava em um culto de jovens na igreja que participa quando “Deus colocou novamente no meu coração que eu preciso pregar o evangelho”.  Alguns dias depois, ele conta que andava pela escola quando tomou uma decisão. “Deus me disse, ‘Skyler, hoje é o dia. Eu quero que você pregue nos corredores da Logan High School”, relata.
A atitude de Miller, que prega com regularidade em sua igreja local, teve um impacto na escola toda. Em pouco tempo, reuniões de oração em escolas de região começaram a ganhar “força” graças aos comentários positivos e mobilizações nas redes sociais.
Cultos especiais de “avivamento” começaram a ser realizados, primeiramente focados nos jovens que começaram a procurar as igrejas para saber mais. Nas últimas semanas eles se tem sido realizado diariamente e são centenas de novos convertidos.
O assunto foi capa do jornal State Journal de West Virginia. O pastor Wayne R. Crozier, do Ministério Vida Abundante, declarou: “A mensagem de esperança ressoa em todos. As pessoas querem esperança, e é isso que recebem da igreja. A Bíblia descreve a igreja como uma cidade que está fundada sobre uma colina. As pessoas podem olhar para cima ver que existe esperança lá”.
Segundo o jornal, já são 20 escolas (públicas e particulares) do estado que foram impactadas com essa “força” que parece ter despertado entre os estudantes. Há registros que está se espalhando, tendo chegado aos estados vizinhos de Kentucky e Tennesse.
site das Assembleias de Deus de West Virginia entrevistou o pastor Billy Carrico, da Igrejas AD Bethel, da cidade de Nolan. Ele afirma que a “atmosfera espiritual” em sua região atingiu um nível surpreendente.
“Nós entramos em um restaurante e as pessoas estão falando sobre Deus”, diz Carrico. Conta que alguns cultos estão atraindo mais de 2.000 pessoas para o ginásio de uma escola – em um município com apenas 27.000 habitantes.
“As pessoas não estão necessariamente indo à igreja para falar sobre isso. Todas as igrejas estão sendo afetadas”, comemora. Conta ainda que, entre existem relatos de milagres nas últimas semanas, incluindo uma pessoa quase cega cuja visão melhorou após as orações e uma mulher estéril, agora está grávida.


  via  Gospel Prime
Assista a reportagem da CBN sobre o avivamento (em inglês):

NÃO CRIEI VOCÊ PRA SER PETISTA, DIZ AVÓ. TROLEI MINHA AVÓ DIZENDO QUE VIREI MILITANTE DO PT



Camila, jovem de 24 anos trola sua vozinha dizendo que virou petista e quer ajudar a Dilmãe contra o golpe.

Avó diz que não criou ela pra ser petista, e ninguém em sua família é petista, e pergunta: quem foi que fez sua cabeça??

Veja o video e dê boas gargalhadas.

 

Ditadura da Ironia

Seguindo a idéia do Elias Moisés em resgatar a história de 64, decidi criar um álbum mostrando algumas relíquias das "atrocidades" que a "ditadura" militar causou no período de 1964, bem como ilustrar melhor o que a esquerda chama por "manifestação pacífica e liberdade de expressão".
Também gostaria de desfazer o mito de que a revolução só passou a ser armada por causa da repressão, o que é uma mentira deslavada, visto que antes mesmo de 1950, na revista russa Krasnaya Gazeta, os soviéticos já saudavam os comunistas brasileiros por colocarem no caderno de teses (PCdoB) pautas da luta de guerrilha armada.
Leiam o livro "Orvil - Tentativas de Tomada do Poder", que nele é contado com riqueza de detalhes, nomeando absolutamente tudo o que os comunistas fizeram e tentaram fazer, as ações dos guerrilheiros desde 1960.



Nota oficial do 5º. Congresso do Partido Comunista do Brasil - 1960.

O rostinho do sujeito no cruzeiro é ninguém menos que Lênin, um sujeito que, uns anos mais cedo, brincava de executar mais de 100 mil russos por tarde.


Aqui podemos ver claramente 5 soldados militares espancando brutalmente um jovem que com toda a clareza do mundo só queria estudar.

Ironia.
(Trabalhadores civis removendo fisicamente um baderneiro da UNE em 1965).










Misteriosamente este veículo policial acabou capotando numa manifestação pacífica e, durante o atrito do teto no solo, o asfalto desenhou as siglas da UNE - União Nacional dos Estudantes.

</ironia>

(Uma das primeiras manifestações marxista-leninista no Rio de 1964, que rapidamente foi dispersa pela polícia e, como podemos ver, no mesmo momento trabalhadores e policiais compartilharam o mesmo espaço sem qualquer problema).


Flagrante de um estudante revisando a matéria na lateral de um ônibus, claramente pela falta de lousas de estudo.

</ironia>

(Já em 1963, antes do Parlamento dissolver o governo, o caderno de teses do PCdoB pregava a guerrilha urbana e a violência coordenada).




Explosão de dois carros do jornal O GLOBO pelo grupo Ação Libertadora Nacional e Movimento Revolucionário Tiradentes, no ano de 1966.  

A ironia? É o professorzinho de história dizendo que quem queria censurar os jornais eram os militares, e não os guerrilheiros comunistas.








Guilherme gama (Facebook)

Janot pede ao STF inquérito para investigar Dilma, Lula e Cardozo


Janot pede ao STF  para investigar Dilma, Lula e Cardozo
 O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para investigar a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o advogado-geral da União, ministro José Eduardo Cardozo, por suposta obstrução à Justiça, em tentativa de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato.

O pedido, sigiloso, será analisado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF. O sigilo é motivado pelo fato de que o pedido tem como base gravações de conversas telefônicas entre Dilma e Lula, inicialmente divulgadas pelo juiz federal Sérgio Moro e cujo segredo foi decretado posteriormente pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo.

Ministro e Lula contestam Por meio de nota (leia a íntegra ao final desta reportagem), o ministro José Eduardo Cardozo, que falou também em nome da presidente Dilma Rousseff, afirmou que as denúncias do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), que fundamentaram o pedido, são "absolutamente levianas e mentirosas".

A nota também critica o vazamento de um inquérito sigiloso "antes mesmo que quaisquer investigações pudessem ser feitas em relação às inverdades contidas na delação premiada do senador".

O Instituto Lula divulgou nota (leia a íntegra ao final desta reportagem) na qual afirma: "Só existe um crime evidente neste episódio: a gravação clandestina e divulgação ilegal de um telefonema da presidenta da República".

Motivos do pedido No pedido de abertura de inquérito, Janot menciona a nomeação do ministro Marcelo Navarro Ribeiro Dantas para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) no ano passado; e também a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ministro da Casa Civil neste ano.

Em delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) e seu ex-chefe de gabinete Diogo Ferreira disseramque Marcelo Navarro foi nomeado para o STJ sob o compromisso de conceder liberdade a donos de empreiteiras presos na Operação Lava Jato, o que ele nega.

A nomeação de Lula passou a ser analisada a partir de uma gravação autorizada e divulgada pelo juiz Sérgio Moro de uma conversa com Dilma na véspera da posse. No diálogo, a presidente diz que enviaria a Lula um “termo de posse”, para ser usado só “em caso de necessidade”.

Investigadores suspeitam que o documento foi enviado às pressas, junto com a nomeação em edição extra do “Diário Oficial da União”, para evitar uma eventual prisão do ex-presidente pelo juiz Sérgio Moro. Essa suposta manobra é interpretada pelo procurador como crime de obstrução da Justiça.

Em abril, Janot enviou parecer ao STF em que disse ver elementos de "desvio de finalidade" de Dilma na escolha de Lula para assumir o ministério, que teria a intenção de tumultuar as investigações da Operação Lava Jato.

Delcídio também relatou que Cardozo, então ministro da Justiça, fez diversas movimentações para tentar promover a soltura de presos da Lava Jato. O pedido de inquérito também cita uma gravação feita pelo assessor de Delcídio, Eduardo Marzagão, na qual ele conversa com o então ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

Na conversa, Mercadante teria oferecido ajuda em troca do silêncio de Delcídio, para evitar que o senador fechasse um acordo de delação premiada. Nota da Advocacia Geral da União

Na noite desta terça, o governo divulgou nota do ministro José Eduardo Cardozo, da Advocacia Geral da União. Leia a íntegra: Tendo em vista as informações divulgadas pela imprensa de que a Procuradoria Geral da República determinou a abertura de inquérito para apurar as denúncias do Senador Delcidio do Amaral acerca de eventual obstrução de justiça, o advogado geral da união, José Eduardo Cardozo, esclarece que: 1- As denúncias feitas pelo Senador Delcidio do Amaral são absolutamente levianas e mentirosas, conforme já foi reiteradamente esclarecido anteriormente em notas e entrevistas coletivas.

2- A abertura de inquérito irá demonstrar apenas que o Senador, mais uma vez, faltou com a verdade, como aliás já anteriormente havia feito quando mencionou ministros do Supremo Tribunal Federal na gravação que ensejou a sua prisão preventiva.

3- Lamenta-se apenas que, mais uma vez, um inquérito sigiloso tenha sido objeto de vazamento antes mesmo que quaisquer investigações pudessem ser feitas em relação às inverdades contidas na delação premiada do Senador.

Nota do Instituto Lula O Instituto Lula também divulgou nota na noite desta terça-feira sobre o pedido do procurador-geral, Rodrigo Janot, ao STF. Leia a íntegra: Só existe um crime evidente neste episódio: a gravação clandestina e divulgação ilegal de um telefonema da presidenta da República.

Mais grave ainda é que este crime tenha sido praticado por um juiz federal, afrontando não apenas a Lei mas uma decisão do Supremo Tribunal Federal. As conversas telefônicas do ex-presidente Lula, grampeadas pela Operação Lava Jato, são a prova cabal de que não houve ilegalidade nem obstrução à Justiça em sua nomeação para o ministério pela presidenta Dilma Rousseff.

Nesses diálogos particulares, com pessoas de sua confiança, Lula contou ter recebido um apelo da presidenta para ajudá-la a tirar o país da crise. E afirmou, textualmente: “eu jamais aceitaria ser ministro para me proteger”. Mesmo no grampo da conversa entre Lula e a presidenta – que por sua origem espúria não pode ser aceito como prova contra nenhum dos dois – não há nenhuma palavra que denote ilegalidade ou obstrução à Justiça.

Há um diálogo sobre a assinatura do termo de posse, como foi esclarecido anteriormente pela Presidência da República. A gravação ilegal indesculpável é que deveria merecer a ação da Procuradoria Geral da República, em defesa da lei e do estado de direito.

G1

Dilma dispara palavrões contra Janaina Paschoal e ministros POR COLUNA DO ESTADÃO

Descrita como histérica por seus adversários, Janaína Paschoal se diz uma "simples cidadã"


Todos os palavrões da presidente Dilma Rousseff são direcionados para a jurista Janaina Paschoal, os três ex-ministros que votaram pela abertura do processo de impeachment e o ex-ministro Gilberto Kassab. Com exceção de Janaina, os demais foram aliados dela e hoje estão com Michel Temer.

Coluna do Estadão

3 de maio de 2016

Islândia está construindo novo templo para deuses nórdicos

É a primeira vez em mil anos que um templo pagão é erguido no país





Desde o surgimento do Cristianismo em países escadinavos, entre os séculos VIII e XII, era proibido construir templos que homenageassem a crença original do território, o paganismo nórdico. Contudo, depois de cerca de mil anos, isso está começando a mudar. Uma organização islandesa, a Asatruarfelagid, que promove a fé dedicada aos deuses nórdicos, conseguiu fundos suficientes (e permissão do governo) para construir o primeiro templo pagão em um milênio, dedicado a deuses como Thor, Odin e Freya.



O templo, de forma circular, deve ser construído próximo à capital do país, Reykjavik, enterrado em uma colina, com um domo de vidro para permitir a entrada de luz solar. Entre as atividades do templo, estão previstas cerimônias oficiais como casamentos e funerais, batizados e missões para adolescentes. Há também a tradicional cerimônia de "Blot", com direito a dança, música, comida e leituras, mas sem sacrifícios animais.

Segundo o alto sacerdote da igreja, Hilmar Orn Hilmarsson, que também é um dos responsáveis pela construção, a ideia de sua organização não é quebrar a tradição cristã que foi imposta no país, e sim refletir a complexidade espiritual histórica do país, como escreve o Big Think.

Para Hilmarsson, não é apenas uma questão de fé. "Eu não acho que alguém acredite em um deus de um olho só que cavalga em um cavalo gigantesco. Enxergamos essas histórias como metáforas poéticas e uma manifestação de forças da natueza e da psicologia humana", explicou ele ao The Telegraph.

Seja como for, uma coisa é fato: o neopaganismo vem ganhando cada vez mais força entre o povo islandês. O número de membros da sociedade de Hilmarsson triplicou na última década, atualmente contando com 2.400 membros. Com a construção do templo, que certamente vai chamar a atenção de visitantes e curiosos, a tradição pagã deve ficar ainda mais fortalecida.

Lulinha e mulher de Lula pedem reparação à União por danos morais

Eles reclamam de divulgação de conversa interceptada na Lava Jato.Ações de Lulinha, Marisa e da nora pedem indenização de R$ 300 mil.

Fabio Luís Lula da Silva, filho de Lula e Marisa
(Foto: Paulo Giandalia/Estadão Conteúdo)


A ex-primeira-dama e mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marisa Letícia, o filho dela, Fábio Luís Lula da Silva, e a nora, Renata Moreira entraram na Justiça contra a União por danos morais e pedem indenização. O motivo das ações, segundo a defesa, foi a divulgação de conversas telefônicas entre eles interceptadas na Operação Lava Jato.

Na ação em nome de Marisa, os advogados pedem indenização de "não menos de R$ 100 mil". Na ação em nome de Fábio e Renata, a defesa pede R$ 100 mil para cada um.

Em um dos diálogos, grampeados e divulgados com autorização do juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, mostram a ex-primeira-dama chamando de "coxinhas" os opositores do governo Dilma Rousseff.

A defesa alega que a interceptação foi ilegal e, além disso, o material deveria ser mantido em sigilo.

Ainda segundo os advogados da família de Lula, Moro desrespeitou a legislação e "causou danos morais aos autores das ações".

Os áudios foram divulgados em março. Na época, também foram interceptadas conversas do ex-presidente Lula. Uma delas, com a presidente Dilma Rousseff.

G 1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...