Subscribe:

24 de abril de 2014

Marcos Feliciano diz que o próprio Deus para atuar nesta terra precisa da autorização do homen.


Rô Moreira

 Segundo o pastor Marco Feliciano Deus esta limitado a vontade do homem. Uma vez que a permissão final é feita pelo homem e Deus age com base e em (mera) conseqüência daquela permissão do homem, então, afinal, é o homem quem é soberano: Deus não determina nada, Ele não concede nada, e Ele não assegura nada. Assim, o fator final e decisivo e permitido pelo homem, ou seja a vontade do homem é exaltada ao trono de soberania e o homem torna-se seu próprio salvador. Graça é simplesmente a restauração da habilidade natural do homem agir por si mesmo,sendo capaz de permitir ou não Deus agir nesta terra. Acredito que para o senhor Marco Felicano a graça nunca realmente o salva, mas somente o capacita a salvar a si mesmo ... se ele assim o desejar. HOMEM SOBERANO. Uma vez que o homem tem todo poder para sozinho permitir que Deus aja nesta terra, então também tem toda a responsabilidade de sozinho se manter, e todo risco de decidir dela sair, pelo seu livre arbítrio. Parabéns, senhor Marco Feliciano você acabou de destronar Deus.


.


23 de abril de 2014

Marco Feliciano elogia Sheherazade e diz que censura é coisa da ditadura



Durante o quadro "Coliga ou Usa Camisinha", o deputado disse ser muito difícil se ligar ao PT e criticou Marina Silva por trair seus princípios. Feliciano ainda disse que a censura sofrida pela jornalista Rachel Sheherazade é uma afronta à liberdade de expressão, já que as opiniões dela representam parte dos brasileiros. 

 

 Uol Tv

Justiça determina que Genizah retire do ar ofensas contra o bispo da Universal e ministro de estado Marcelo Crivella

Não concordo com tudo que o Genizah posta, mas se uma matéria da Revista Época é compartilhada e comentada e a corda arrebenta do lado menos poderoso, tem algo estranho no ar. A partir de agora qualquer blogueiro que replicar uma noticia de jornalismo com fonte declarada poderá ser processado e pagar multas que quebrem seu patrimônio pessoal. Com essa decisão o Tribunal criou jurisprudência.


Revista Época
Felipe Patury

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro deteminou a exclusão das ofensas publicadas no blog Genizah Virtual contra o ministro da Pesca, Marcelo Crivella. Se a ordem judicial não for acatada, o réu terá de pagar multa diária de R$ 1.000 até cumprir a decisão do tribunal. A ação foi movida contra José Danilo Silvestre Fernandes Filho, um dos responsáveis pela página na internet. Em maio do ano passado, o blog divulgou um texto que dizia o seguinte: "Crivella é 100 vergonha (logo) Marcelo Crivella usa dinheiro público para beneficiar ONG ligada à Universal". A página Genizah Virtual sobe ainda mais o tom no final do texto: "Prever que um pastor da IURD vai roubar é como prever que o Vasco vai terminar em vice". A Justiça acolheu os argumentos dos advogados da União, que sustentaram que o direito à liberdade de expressão não pode se sobrepor a outros valores garantidos pela Constituição, como a honra e a imagem das pessoas.

Comentários do site Amigos do Crivella

 Sobre a decisão da justiça, um site de apoiadores do ministro e senador comentou em tom de ameaça a todos os blogueiros:

Que esta resposta do Tribunal de Justiça sirva de alerta para os “infelizes” que maliciosamente publicam ou divulgam inverdades, calúnias e difamações. Liberdade de imprensa não é libertinagem! Os Amigos do Crivella estão atentos ao que é publicado nas redes sociais. E um lembrete: Amigos do Crivella são os editores e milhares espalhados no Brasil e exterior que mantém contato com o blog e nos ajudam com alertas e publicações “suspeitas”.

Comentários do Editor de Genizah

A matéria em questão incluía comentários da autoria do editor de Genizah acerca  de uma matéria da revista Isto é (reproduzida aqui) denunciando que Marcelo Crivella usa a estrutura do ministério que comanda para desenvolver projeto de criação de peixe em ONG ligada a ele.

Fomos informados extraoficialmente, na data de hoje, da decisão da justiça. Genizah se antecipou a eventual citação e retirou a matéria do ar.

A desembargadora Ana Sardas foi relatora do agravo foi no sentido de NEGAR o provimento do recurso de Marcelo Crivella. Seu voto foi  vencido. Disse a desembargadora: "Ousei discordar da maioria por entender que o recurso não merecia provimento."  
Ao contrário de outras oportunidades, não pretendo seguir com a disputa. Recebo tudo com serenidade e entendo que o Senhor está com este acontecimento mandando uma mensagem para a sua igreja a respeito dos que se dizem seus líderes. Entendo que receber um processo do líder da seita Universal e ainda ministro de estado do governo do PT é um galardão que o Senhor me permite antecipar ainda nesta vida. Oro para que este sinal não seja acompanhado de soberba e que somente sirva para alertar a Igreja acerca da ação do mal.  
 Quanto ao processo em si, recebo o acontecimento como mais um testemunho acerca da Universal, nos termos de  1 Coríntios 6:1-8, concluo: São ímpios.

Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2014/04/justica-determina-que-genizah-retire-do.html#ixzz2zjDaYzcU
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

O extermínio dos Romanov


A presidente Dilma discursando com a foto do assassino atrás, em evento comunista
A presidente Dilma discursando com a foto do assassino atrás, em evento comunista
Dando continuidade às homenagens pelo aniversário de Lênin, o psicopata idolatrado pelos idiotas úteis, segue a resenha que escrevi do ótimo livro de Helen Rappaport sobre o extermínio da família do czar russo, obra arquitetada e liderada pelo próprio líder da revolução bolchevique.
O extermínio dos Romanov
“Lênin era absolutamente indiferente ao sofrimento humano e não hesitava em ordenar as medidas mais selvagens para se vingar.” (Helen Rappaport)
Que o comunismo ainda consiga adeptos em pleno século 21 é um mistério, mas mais absurdo ainda é esta ideologia ser vista como nobre em sua origem. Muitos condenam o chamado “socialismo real” para proteger a utopia igualitária defendida por gente como Lênin, como se o comunismo tivesse se degenerado com o tempo. Mas o fato é que, desde sua concepção, aqueles atraídos pelo comunismo sempre foram os mais ressentidos. Os bolcheviques anunciaram que havia chegado a hora de fazer “a burguesia passar fome”. O próprio Lênin alimentava um ódio pela morte de seu irmão em 1887, enforcado por ter se envolvido em uma conspiração para assassinar o czar. A máscara do altruísmo foi usada pelos bárbaros em busca de vingança, sangue e violência.
Existem inúmeros casos que podem ser citados para corroborar com esta afirmação, mas poucos concentram tão bem este lado negro do comunismo como o assassinato da família Romanov, após a tomada de poder pelos bolcheviques. A historiadora Helen Rappaport, especialista em história russa, fez uma pesquisa minuciosa sobre este evento sombrio, relatada no livro Os últimos dias dos Romanov. O grau de detalhes contido no livro é impressionante, e ao mesmo tempo assustador. A frieza dos líderes bolcheviques fez com que as vítimas não fossem vistas como seres humanos, mas sim como representantes de uma classe política que deveria ser eliminada. Até mesmo as crianças eram apenas uma “instituição” a ser extirpada do jogo político para sempre.
Naturalmente, o destino dos Romanov não inocenta o governo autocrático de Nicolau, um czar tolerante à repressão violenta aos rebeldes. Mas nada justifica a forma com a qual os bolcheviques, liderados por Lênin, trataram a família durante a fase de consolidação do poder. O império de Nicolau estava bastante impopular devido à miséria, agravada pela guerra. A imagem negativa de Alexandra, esposa de Nicolau, não ajudava; sua forte ligação com o manipulador Rasputin era motivo de insatisfação popular. O “homem santo” desfrutava da confiança da czarina pois ela jurava que somente ele era capaz de cuidar da doença de seu filho hemofílico. Ainda assim, o povo russo, em geral, não compartilhava do mesmo ódio que os bolcheviques. Tanto que a prisão domiciliar de dezesseis meses da família e seu desfecho trágico tiveram que ser mantidos em sigilo, pois os bolcheviques sabiam o quão impopular seriam seus atos se viessem à tona.
O relato de Rappaport mostra uma família bastante comum durante o período confinado numa casa em Ecaterimburgo, na Sibéria. O desespero frente às incertezas de seu destino fez com que a família imperial buscasse na fé religiosa a força para resistir. Seu cotidiano era basicamente preenchido com leitura e orações, uma vez que o confinamento dentro da casa era total. As janelas haviam sido pintadas e um muro de paliçada fora erguido para impedir a visão dos ilustres prisioneiros. Do lado de fora, reinava um clima de guerra civil, com a fome se espalhando após as medidas bolcheviques. As pessoas estavam sendo presas indiscriminadamente, e com prisões lotadas, os hotéis e fábricas foram usados como locais de confinamento. Nesse tenebroso contexto, uma família buscava, unida, manter a esperança no futuro. Mas os bolcheviques tinham em mente um destino diferente para a dinastia dos Romanov.
Planos para resgatar o czar foram elaborados, mas Nicolau se recusava a ser salvo deixando para trás sua família. E resgatar todos, incluindo suas quatro filhas e seu primogênito doente, parecia tarefa quase impossível. Aceitando seu destino com resignação, Nicolau aguardaria aquilo que Deus tivesse preparado para sua vida. Ele não sabia que era Lênin, o diabo em pessoa, quem dava as cartas. Lênin considerava o regicídio uma necessidade, e julgamentos transparentes não passavam de uma besteira burguesa. Os bolcheviques jogavam no tudo ou nada, e quaisquer meios eram aceitáveis para seus fins. Trotski chegou a afirmar: “À nossa frente está a vitória total ou a ruína absoluta”. A palavra preferida dos bolcheviques era “aniquilação”: da propriedade privada, da monarquia, da religião, dos costumes burgueses etc. A palavra se tornou eufemismo empregado pelos bolcheviques quando se referiam a assassinar seus oponentes, ou até para justificar uma extensa limpeza social.
Exterminar a família Romanov inteira não era algo politicamente tão simples assim. Lênin desejava colocar um fim na dinastia, mas não sabia como fazer isso sem manchar seu nome. Além disso, uma coisa era matar o czar, mas outra completamente diferente era eliminar a família toda, incluindo as crianças. Os líderes bolcheviques teriam que manter isso em segredo de Estado, ocultando os fatos principalmente dos estrangeiros. Apenas a lógica política era levada em conta pelos bolcheviques. Questões humanísticas não tinham espaço em suas reflexões. Como Trotski afirmaria mais tarde, “a família do czar foi vítima do princípio que compõe o próprio eixo da monarquia: a herança dinástica”. Diferente da Revolução Francesa ou da revolução de Cromwell, não bastava cortar a cabeça do rei; era preciso cortar “uma centena de cabeças Romanov”. Na verdade, o número foi infinitamente maior que este.
Os momentos finais da família Romanov são contados com riqueza de detalhe por Rappaport. Trata-se de uma cena digna de filme de terror. A família foi acordada no meio da noite e colocada num quarto escuro no subsolo da casa que funcionava como sua prisão. Foi dito aos Romanov que se tratava de uma mudança de endereço, pois estava perigoso demais permanecer naquele local. Yurovsky, que era muito próximo de Lênin e estava no comando da operação, leu um trecho da mensagem que selava o destino da família. Então, após a perplexidade do czar, o bolchevique sacou sua arma, deu um passo à frente e atirou no peito de Nicolau à queima-roupa. Em seguida, os demais bolcheviques encarregados da chacina abriram fogo no apertado cômodo escuro, fuzilando cada membro da família, incluindo o médico do czar.
Os tiros deixaram uma névoa que tornava a visão ainda mais difícil, e os gemidos vinham de toda parte. Os assassinos tiveram que golpear os corpos com a baioneta para finalizar o serviço, descarregando todo seu ódio. Nenhuma das filhas teve morte rápida ou pouco dolorosa. “Foram necessários vinte minutos de atividades frenéticas para matar os Romanov e seus serventes”, conforme explica Rappaport. Ela completa: “O que deveria ter sido uma execução limpa e rápida se transformou em um banho de sangue”. Não menos fria foi a tarefa de se livrar dos corpos na floresta depois, ateando fogo neles. Lênin tomou o devido cuidado de apagar qualquer registro oficial que ligasse seu nome a este ato bárbaro e covarde cometido pelos bolcheviques sob o comando de seu camarada Yurovsky, subalterno de sua extrema confiança.
Helen Rappaport resume a situação: “A execução a sangue-frio das crianças Romanov, junto com a tentativa de promover um extermínio sistemático de toda a dinastia, foi o teste final para a imoralidade da política bolchevique”. E pensar que até hoje há quem acredite que o comunismo é uma utopia nobre que atrai pessoas altruístas em busca de justiça e um mundo melhor, e não bárbaros ressentidos procurando dar vazão ao seu ódio e sua pulsão de morte…    
Rodrigo Constantino

20 de abril de 2014

Ato Profético Transferência de Gerações 15º Congresso de Adoração



Ap. Valnice Milhomens, Ana Paula Valadão, Pr. Márcio Valadão, Pr. Hudson Medeiros, André Valadão, Ezenete Rodrigues, Pr Gustavo Bessa, Israel Salazar, Marine Almeida, Amanda Carius, Leticia Brandão fazem ato profético de transferência de gerações no 15º Congresso de Adoração e Intercessão Diante do Trono.

Mais essa agora! rrs


19 de abril de 2014

Assessor petista que hostilizou Barbosa saiu de licença médica para ir ao Rock in Rio



Estão lembrados dessa Figura? Este é aquele militante PTista que hostilizou o Joaquim Barbosa na saída de um restaurante e também persegue pastores. Pois bem, ano passado ele pediu licença medica das suas funções do gabinete da deputada Ptista, que assessora, para vir ao Rio assistir Rock in Rio e andar de lancha. A Veja correu atrás e ele teve que pedir licença para ir na privada. E vai ficar por lá, até alguém dar a descarga. Foi exonerado para o bem do nossos impostos.

18 de abril de 2014

17 de abril de 2014

Polícia Federal investiga pastor José Wellington por lavagem de dinheiro e fraude contra o sistema tributário, diz jornalista

O pastor José Wellington, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) está sendo investigado pela Polícia Federal por suspeita de lavagem de dinheiro e crimes contra a ordem tributária.
A informação foi divulgada por Ricardo Boechat, em sua coluna no site da revista IstoÉ. O jornalista revelou que o pedido de investigação partiu do Ministério Público Federal.
O procurador Antonio Cabral solicitou o inquérito para apurar eventuais crimes previdenciários cometidos pelo pastor, e que teriam resultado em lavagem de dinheiro e fraude em impostos.
Boechat revelou ainda que a denúncia partiu de sete pastores filiados à CGADB, que procuraram Cabral através dos advogados do escritório Jorge Vacite Neto, do Rio de Janeiro, e revelaram o suposto esquema criminoso que seria comando por José Wellington.

No texto publicado pela IstoÉ, não há informações sobre detalhes da investigação, e nem a versão da defesa do pastor.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+


A musa do PT Marilena Chauí, diz que odeia a classe Média.



Durante a comemoração dos 10 anos de governo do PT a filósofa petista e professora da Usp Marilena Chauí declarou seu ódio à Classe Média . Em troca, recebeu aplausos do chefão Lula, que gargalhava enquanto Marilena esbravejava seu desprezo pela imensa maioria dos brasileiros.

É esse o partido que governa o Brasil. O partido que odeia quem mais trabalha, quem mais paga impostos.


Esse vídeo deve ser compartilhado para que os brasileiros conheçam a verdadeira face oculta do Lula, da Dilma e seus companheiros. Ele gargalha quando ouve uma comunista dizer " eu odeio a classe média". Exatamente quem rala e paga os impostos. Mas ela não odeia os ricos. ( que na minha opinião, nenhuma classe deve ser odiada.)  Eles querem acabar com a classe média, é o comunismo disfarçado de socialismo. Todo mundo igual, mas nivelados por baixo. Só eles milionários. Basta olhar para Cuba que é no que eles querem transformar o Brasil.

 

Apóstolo Valdemiro Santiago é entrevistado por Luciana Gimenez em programa “Luciana By Night”

Apóstolo Valdemiro Santiago, líder e fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus, será o convidado especial do “Luciana By Night”
Apóstolo Valdemiro Santiago, líder e fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus,foi  o convidado especial do “Luciana By Night”
Após ter participado do programa “Domingo Legal” e do “Programa Silvio Santor”, o apóstolo Valdemiro Santiago.
No programa comandado por Luciana Gimenez na RedeTV!, Valdemiro deve fazer revelações bombásticas, como a de ter tentado suicídio logo após a morte de sua mãe.
 “Eu tentei suicídio, tentei me matar, porque eu achava que sem ela eu não conseguiria sobreviver”, contou o apóstolo.
Temas polêmicos foi ao ar no próximo dia 15, às 23h, na RedeTV!.

 

16 de abril de 2014

Orar com Salmos Imprecatórios - Franklin Ferreira


Alguns salmos são chocantemente julgadores dos iníquos invocando a maldição e vingança de Deus sobre eles, as imprecaçoes mais longas estão nos Salmos 36, 69 e 109, mas traços de vingança aparecem em outros; 31.17,18; 40,14-16. 54.7;55.15;58.6 e por aí vai, são muitos. Mas, vale lembrar que eles expressam o anseio dos piedoso pela destruição dos iníquos e do triunfo da justiça.
Assistam queridos!

Filme “Noé”: o show de cabala e gnosticismo que quase ninguém percebeu Todos os acréscimos bizarros à história vão fazer muito mais sentido agora...

Paramount Pictures
 Em “Noé”, a nova e épica produção cinematográfica de Darren Aronofsky, Adão e Eva são apresentados como seres luminescentes e descarnados até o momento em que comem do fruto proibido.

Esta versão não é a da Bíblia, é claro. E, em meio a muitas outras licenças imaginativas de Aronofsky, como os monstros gigantes de lava, essa imagem levou muitos críticos de cinema a coçarem a cabeça. Evangélicos conservadores se queixaram de que o filme toma muitas liberdades com o texto do Gênesis. Grupos mais liberais concederam suas indulgências ao diretor: afinal de contas, não devemos esperar que um ateu professo tenha as mesmas ideias de um crente a respeito dos textos sagrados.

O caso é que os dois grupos se perderam na avaliação.

Aronofsky não tomou liberdade alguma com o texto bíblico.

O filme simplesmente não foi baseado na Bíblia.

Aliás, em defesa do diretor, devemos reconhecer que o filme nem sequer foi anunciado como se fosse. “Noé” não é uma adaptação do Gênesis. O filme nunca foi anunciado como “Noé da Bíblia” ou como “A História Bíblica de Noé”. Os escombros da cristandade continuam quentes o suficiente em nossos dias para que, quando alguém diz que vai fazer “Noé”, todo o mundo já presuma que vai ser uma versão da história da Bíblia. Eu tenho certeza de que Aronofsky ficou muito feliz em deixar seu estúdio pressupor isso mesmo, porque se o estúdio soubesse o que ele realmente pretendia, nunca teria permitido que ele fizesse o filme. Aronofsky tinha outras coisas em mente.

Vamos voltar à versão luminescente dos nossos primeiros pais. Eu reconheci o “motif” instantaneamente: é uma visão típica da antiga religião gnóstica. Eis uma descrição, do século II d.C., de algo em que a seita dos chamados ofitas acreditava:

"Adão e Eva, originalmente, possuíam corpos sutis, luminosos e, por assim dizer, espirituais. Mas, quando chegaram aqui, seus corpos se tornaram escuros, pesados e desidiosos" (descrito por Irineu de Lyon, em Contra Heresias, I, 30,9).

Ocorreu-me que uma tradição mística mais estreitamente relacionada com o judaísmo, chamada cabala (que a cantora Madonna popularizou há cerca de uma década), teria certamente conservado uma visão semelhante, já que ela é, essencialmente, uma forma de gnosticismo judaico. Eu sacudi o pó do meu exemplar da obra “The Kabbalah”, escrita no século XIX por Adolphe Franck, e confirmei rapidamente as minhas suspeitas:

"Antes de serem seduzidos pela sutileza da serpente, Adão e Eva não apenas eram isentos da necessidade de um corpo, mas sequer tinham corpo; ou seja, eles não eram da terra".

Franck cita o Zohar, um dos textos sagrados da cabala:

"Quando nosso pai Adão habitava o Jardim do Éden, ele vestia, como todos no céu, uma roupa feita de luz superior. Quando foi expulso do Jardim do Éden e obrigado a submeter-se às necessidades deste mundo, o que aconteceu? Deus, dizem as Escrituras, fez para Adão e para a sua esposa túnicas de pele e os vestiu; antes disso, eles vestiam túnicas de luz, da luz mais alta que havia no Éden...".

Isso é uma coisa obscura, eu sei. Mas a curiosidade tomou conta de mim e eu fui a fundo.

Descobri que o primeiro longa de Darren Aronofsky foi “Pi” (de 1998; não confundir com “Life of Pi”, que não tem nada a ver com isso).

Quer saber qual era o assunto? Tem certeza?

Cabala.

Consegui chamar a sua atenção? Ótimo.

O universo do “Noé” de Aronofsky é completamente gnóstico: um universo com graus "superiores" e "inferiores". O "espiritual" é bom, e muito, muito, muito elevado: é lá onde mora o deus inefável; e o "material" é ruim, e muito, muito, muito inferior: é aqui, onde os nossos espíritos estão presos em carne material. Isto vale não apenas para os filhos e filhas decaídos de Adão e Eva, mas também para os anjos caídos, descritos explicitamente como espíritos aprisionados em "corpos" materiais feitos de lava derretida resfriada.

Fonte

Thalles Roberto - Aula de Canto era gratuita, mas agora é pago.





Segundo alguns comentários no site do Talles, as aulas eram 0800 (grátis). Agora são pagas. Se for verdade, o Thalleco mais uma vez pisa na bola. No site Thalles diz: “Não quero ensinar a vocês aquilo que eu sou, mas quero desenvolver em vocês o talento que vocês têm, através dos caminhos que eu percorri”, diz o cantor.



 Graças a Deus, pois se for cantar como ele é ser ruim demais. O projeto de vídeo aulas recebeu o nome de “Cante com Thalles” e para poder acessar as aulas é preciso se inscrever no site www.cantocomthalles.com.





Se você deseja aprender com o Thalles, rs Vai lá vai!  Canto com Thalles ONLINE



14 de abril de 2014

Após polêmica,SBT corta comentários pessoais de Rachel Sheherazade de Telejornal.



 Contratada pelo SBT por causa de seus comentários fortes, controversos e pessoais,  a jornalista Rachel Sheherazade não vai mais poder dar sua opinião no telejornal da emissora. 

A medida vale para todos os jornalistas do canal de Silvio Santos. 

Em comunicado oficial distribuido nesta segunda-feira (14).
 O SBT informa ter decidido que os comentários em seu telejornais serão feitos unicamente pelo seu departamento de jornalismo na forma de editorial, que serão identificados como tal com uma tarja na tela.
Segundo a emissora, a medida tem como objetivo preservar nossos apresentadores Rachel Sheherazade e Joseval Peixoto, que continuam no comando do SBT Brasil.

Rachel volta das férias na noite de hoje, após ter negado rumores de que estaria afastada do SBT Brasil por causa da polêmica em que se envolveu quando disse compreender o comportamento de pessoas que amarraram um assaltante em um poste. 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Eu não aguento mais.

Eu não aguento mais.