Pular para o conteúdo principal

Dilma sanciona uso de pílula do dia seguinte para vítimas de estupro

O governo quer deixar claro que essa lei não permite o aborto. A lei torna obrigatórias práticas que eram recomendações do Ministério da Saúde.

A presidente Dilma sancionou a lei que libera o uso da pílula do dia seguinte nos hospitais públicos a vítimas de violência sexual, mas para evitar polêmica, o governo enviou outro projeto ao Congresso. O governo quer deixar claro que essa lei não permite o aborto.
A proposta nova explica a expressão profilaxia da gravidez: a medicação com eficiência precoce para prevenir gravidez resultante de estupro. É o uso da pílula do dia seguinte em até setenta e duas horas. O projeto explica melhor o termo violência sexual, que inclui qualquer atividade sexual não consentida por mulheres, homens, adolescentes, crianças e portadores de deficiência mental.
Apesar dos apelos de grupos religiosos, a presidente Dilma Rousseff não vetou nenhum artigo do projeto. A lei que garante assistência médica e psicológica às vítimas de violência sexual entra em vigor daqui a 90 dias e, de acordo com o governo, não legaliza a prática do aborto.
“O que nós estamos fazendo é legalizar com apoio humanitário a essas pessoas sem abrir, insisto, nenhuma porta para a prática do aborto”, afirmou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.
Para tentar acabar com possíveis interpretações de que a lei permite o aborto, a presidente Dilma Rousseff encaminhou ao Congresso um novo projeto para deixar claro: o remédio que será oferecido às vítimas de violência sexual, até 72 horas depois do estupro, conhecido como pílula do dia seguinte, tem eficiência precoce, ou seja, é para prevenir e não interromper a gravidez.
A lei determina que os hospitais do SUS têm que atender mulheres, crianças e pessoas com deficiência mental, vítimas de toda forma de estupro, imediatamente, sem a necessidade de ter feito antes a ocorrência policial. Além da pílula do dia seguinte, a rede pública terá que oferecer tratamento para lesões, doenças sexualmente transmissíveis e exame de HIV.
A lei torna obrigatórias práticas que até agora eram apenas recomendações do Ministério da Saúde. De acordo com o governo, desde que o SUS começou a fornecer a pílula do dia seguinte para vítimas de estupro, caiu pela metade o número de abortos legais, aqueles que são permitidos por lei.
A vítima não precisa de ocorrência policial para ser atendida pelos hospitais públicos, mas depois do atendimento deve procurar a delegacia para registrar o crime.
G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


URGENTE: Fachin pede para 2ª Turma julgar mais um pedido de liberdade de Lula no dia 26

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu para ser incluído na pauta  do dia 26 o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  O julgamento será na Segunda Turma, integrada por cinco ministros. Caberá ao presidente  do colegiado, Ricardo Lewandowski, marcar uma data para o recurso ser analisado.  No recurso, a defesa do petista pede o efeito suspensivo da condenação do Tribunal  Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) até que os recursos sejam julgados.
Fachin tinha pedido à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, um parecer sobre o  assunto. Essa manifestação ainda não chegou ao STF. Na segunda-feira, Fachin recebeu o  advogado de Lula, Sepúlveda Pertence, em audiência. O advogado pediu rapidez no  julgamento do recurso.
Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo TRF-4 por corrupção passiva  e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá. Ele cumpre a pena desde o  início de abril na Superintendência da Polícia Federal…