Pular para o conteúdo principal

Vídeo – Assista a entrevista completa do Pr Marcos Pereira ao SBT



conxao


O pastor Marcos Pereira, preso desde maio sob acusação de ter estuprado fiéis da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, concedeu uma entrevista ao programa Conexão Repórter, do SBT.
Na conversa com o jornalista Roberto Cabrini, Pereira disse que “a cadeia não tem como” segurá-lo, porque ele entende que não está preso, e sim, cumprindo a vontade de Deus.
“Eu me sinto privilegiado, porque homens como eu foram presos, evangélicos. Tem sido um privilégio estar aqui porque eu sinto as marcas de Cristo. Ele disse que nós seríamos perseguidos”, afirmou o pastor, que se queixou do tamanho da cela: “É pequena. Um banheiro e uma cama. Só”.
Pereira comentou que tem tido contato com “pessoas perigosas”, presas por diversos crimes. “Eu tenho pregado pra eles, e graças a Deus, tem sido muito bom. Inclusive chegou uma leva de uns oito novos que já me conheciam das ruas”, revelou.
Apesar das queixas quanto ao tamanho da cela e do relato de atividades evangelísticas que realiza lá dentro, Marcos Pereira revela ter uma visão bastante peculiar da prisão: “Não me sinto preso. Me sinto um homem que está fazendo a vontade de Deus. Se fui conduzido para um presídio, vou continuar fazendo o mesmo trabalho que faço”, disse o pastor.
Usando o arrebatamento como ilustração, Marcos Pereira demonstrou não se sentir preocupado com a possibilidade de ficar detido por muitos anos em caso de condenação: “A cadeia não tem como me segurar. Na hora que a trombeta tocar, o céu se abrir no Oriente e no Ocidente e o homem de branco descer, eu vou desaparecer”, afirmou.
Sobre José Junior, coordenador da ONG AfroRegge, Marcos Pereira afirmou que desde 2012 ele o “acusa sem prova e sem conteúdo”, e disse que não estuprou ou manteve relações sexuais consentidas com fiéis de sua denominação.
Vídeo: Conexão Repórter completo com o Pastor Marcos Pereira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: