Subscribe:

12 de outubro de 2013

Evangelização Calvinista



Uma objeção comum ao calvinismo é: visto que é Deus quem converte o pecador e todos os seus eleitos serão um dia convertidos, então a evangelização se torna inútil. Essa objeção é realmente tola, podemos responder a ela simplesmente dizendoque Deus determina os fins e também determina os meios, e determinou a pregação do evangelho como meio de salvar os seus eleitos (Ver cap 9 e 10 da epístola aos romanos).
E o fato de sabermos que o a Salvação pertence totalmente a Deus, é um estímulo ao evangelismo, pois sabemos que poderemos ser bem sucedidos na evangelização se nossa evangelização atinge alguém que faz parte do povo de Deus. O fato de saber que Deus tinha um povo em Corinto foi um estímulo para que Paulo permanecesse nessa cidade (At 18.9-11). Nós apenas lançamos a semente, que é a Palavra de Deus sem saber ao certo qual solo essa semente vai atingir (Lc 8.4-15).
Porém a intenção desse post não é apenas se defender da acusação de que a evangelização é inútil num contexto calvinista (muito mais poderia ser dito em respeito a isso) mas tentar pensar na evangelização em um contexto calvinista.

A Evangelização Arminiana, apresenta um “deus” que estende as mãos desesperadas ao pecador, um “deus” que ama ao pecador e que tem um plano maravilhoso para sua vida. Cabe ao pecador apenas julgar se ele realmente precisa desse “deus” que o quer desesperadamente, cabendo ao pecador o direito apenas de decidir se quer realmente esse “deus”.

Porém esse “deus” não é o Deus das escrituras, o Deus verdadeiro “Nem é servido por mãos humanas, como se de alguma coisa precisasse; pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais;” (At 17.25). Devemos proclamar que o Deus Criador (Gn 1.1, Hb 11. 3, Sl 33.9), que fez e sustenta todas as coisas (Hb 1.3, Mt 10.29-30) é um Deus Santo (Is 6.3, Ap 4. que não pode tolerar o pecado. Portanto nossa ênfase não deve ser que Deus precisa do homem, mas que antes de tudo o homem precisa desesperadamente de Deus. Afastados de Deus estamos em um estado de pecado e miséria (Rm 5.12, Rm 3.10-18, Gl 3.10), estamos mortos em nossos delitos e pecados (Ef 2.1) e somos totalmente merecedores de beber do cálice da Ira de Deus eternamente ( Ap 14.10-11)

Porém aprouve ao Senhor, não porque ele disso precisasse (At 17.25), mas somente pela misericórdia que ele teve por um povo que escolheu antes da fundação do mundo, para que a Ele fosse toda a Glória (Rm 9.23, 3.26) enviar seu filho para beber do cálice de sua ira (Mt 26.36-46) no lugar de todos aqueles que por adoção (1 Jo 3.1, Jo 1.12, Rm 8.14-17) se tornarão um dia também seus filhos, e então todo aquele que nele crê não perecerá, mas terá a vida Eterna (Jo 3.16).

Portanto, pode estar certo que se você é um cristão, você não foi salvo porque você tenha em si mesmo algum valor, se fosse assim a salvação não seria pela Graça (Rm 4.4-5), mas Ele o salvou simplesmente por ser misericordioso e para que a Ele fosse dada toda a Glória. O valor do homem está em ter sido criado a imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27), mas em si mesmo o homem não é nada. Se você não é cristão, esteja certo que Deus em nada será acrescentado de você crer nele, Ele continuará sendo o mesmo (Tg 1.17, Ml 3.6), porém sem Ele você será entregue a si mesmo (Rm 21.28-32) e perecerá eternamente. Portanto, ó homem, Deus não precisa de você, mas você quem é sem Deus?

Sei que isso não é uma mensagem muito popular. Porém quando o evangelho verdadeiro é pregado, menos não cristãos estarão em nossas igrejas, pois para eles essa mensagem tem cheiro de morte (2 Cor 2.15-16). Quando o evangelho é pregado alguns creem, outros zombam (At 17.32-34). Alguns que no início creem não resistem aos primeiros desafios (Lc 8.13-14), porque não crerão verdadeiramente.

Muitos dirão que essa mensagem é nociva a nossa auto-estima, precisamos dizer ao homem que ele se sinta bem consigo mesmo, porém para esses deixamos as palavras de Cristo “Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á.” (Mt 16.25)
Autor: Ivan Junior

Fonte: http://restaurandoamente.wordpress.com/

5 comentários:

JERRI Adriane disse...

deus "criou" homens para simplesmente destina-los ao tormento eterno, perdição, inferno, esquecimento...Penso que esta interpretação da GRAÇA de DEUS esta equivocada. PAZ.

disse...

Deixo um citação para a sua interpretação Ok. Espero que te esclareça de vez, que este seu deus, não é o nosso Deus Biblico.

Cuidado com a fabricação de um deus próprio: um deus que é todo misericórdia, mas não juízo, um deus que é todo amor, mas não santo, um deus que tem um céu para todos, mas um inferno para ninguém, um deus que pode permitir que o bem e o mal estejam lado a lado. Esse deus é um ídolo de sua preferência, iguais aos ídolos de templos egípcios. As mãos de sua própria fantasia e sentimentalismo o fizeram. Esse não é o Deus da Bíblia...

por JC Ryle

JERRI Adriane disse...

Equivoco, não creio em um DEUS só misericordia, só amor etc, só creio que o nosso DEUS biblico oferta sua maravilhosa graça a todos, porém muitos a rejeitam, nem todos a abraçam. Paz, não me veja como um inimigo da cruz de CRISTO.

disse...

Então, muitos a rejeitam porque?? Porque não são eleitos meu irmão. Só os eleitos crerão, só os escolhidos(predestinados) virão. Por isso nem todos abraçarão como você disse. Paz!

Isac Moura disse...

Olha temos que deixar de ser arminianos e tambem calvinistas. Temos que ser de Cristo pois sei que Deus tem os seus propositos que isso pertense a ele e que aquele que se basea numa doutrina, que ela venha ser a doutrina de Cristo. Quem é calvino e quem é arminio??? Será que foi eles que morreu por nós, claro que não então vamos ficar com Cristo que não é como arminianos nem como calvinistas. Mais sim o filho de Deus que foi manifesto para glorificar o proprio Deus, assim mostrando a sua infinita misericordia que é a causa de não sermos consumidos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...