Pular para o conteúdo principal

O enigma de Rebeca



Niccolò Bambini

Para aqueles que desejam defender o livre-arbítrio proponho este enigma. Se você souber responder o enigma sem comprometer a “indefensável” existência do livre-arbítrio, darei o braço a torcer.

O “enigma de Receba” tem como base o texto de Gênesis 24:1-27 e extraí do texto apenas o necessário para apresentar o problema.


Apresentando o contexto – A missão impossível
Abraão já estava bem velho, e o SENHOR Deus o havia abençoado em tudo. Um dia ele chamou o seu empregado mais antigo, que tomava conta de tudo o que ele tinha, e disse: — Ponha a mão por baixo da minha coxa e faça um juramento. Jure pelo SENHOR, o Deus do céu e da terra, que você não deixará que o meu filho Isaque case com nenhuma mulher deste país de Canaã, onde estou morando. Vá até a minha terra e escolha no meio dos meus parentes uma esposa para Isaque.

O empregado perguntou: — E o que é que eu faço se a moça não quiser vir comigo? Devo levar o seu filho de volta para a terra de onde o senhor veio?

Abraão respondeu: — Não! Não faça o meu filho voltar para lá, de jeito nenhum! O SENHOR, o Deus do céu, me tirou da casa do meu pai e da terra dos meus parentes e jurou que daria esta terra aos meus descendentes. Ele vai enviar o seu Anjo para guiá-lo, e assim você conseguirá arranjar uma mulher para o meu filho. Se a moça não quiser vir, você ficará livre deste juramento. Porém não leve o meu filho de volta para lá, de jeito nenhum.

Então o empregado pôs a mão por baixo da coxa de Abraão e jurou que faria o que ele havia ordenado.

O início da jornada – Uma oração de livre-arbítrio?
Em seguida o empregado pegou dez camelos de Abraão e uma porção de presentes e foi até a cidade onde Naor havia morado, na Mesopotâmia. Quando o empregado chegou, fez os camelos se ajoelharem perto do poço, fora da cidade. Era de tardinha, a hora em que as mulheres vinham buscar água.

Aí ele orou assim: — Ó SENHOR, Deus do meu patrão Abraão, faze com que tudo dê certo e sê bondoso para o meu patrão. Eu estou aqui perto do poço aonde as moças da cidade vêm para tirar água. Vou dizer a uma delas: “Por favor, abaixe o seu pote para que eu beba um pouco de água.” Se ela disser assim: “Beba, e eu vou dar água também para os seus camelos”, que seja essa a moça que escolheste para o teu servo Isaque. Se isso acontecer, ficarei sabendo que foste bondoso para o meu patrão.

Ele nem havia acabado a oração, quando Rebeca veio, carregando o seu pote no ombro.

A jovem Rebeca – Uma atitude de livre-arbítrio?
Rebeca era uma linda moça, ainda virgem; nenhum homem havia tocado nela. Ela desceu até o poço, encheu o seu pote e subiu. Então o empregado de Abraão foi correndo se encontrar com ela e disse: — Por favor, deixe que eu beba um pouco da água do seu pote.

— O senhor pode beber — respondeu ela. E rapidamente abaixou o pote e o segurou enquanto ele bebia. Depois de lhe dar de beber, a moça disse: — Vou tirar água também para os seus camelos e lhes darei de beber o quanto quiserem. Rapidamente ela despejou a água no bebedouro e correu várias vezes ao poço a fim de tirar água para todos os camelos.

Enquanto isso o homem, sem dizer nada, ficou observando a moça para saber se o SENHOR Deus havia ou não abençoado a sua viagem.

Rebeca é parente de Abraão – Incrível coincidência?
Em seguida perguntou: — Por favor, diga quem é o seu pai. Será que na casa dele há lugar para os meus homens e eu passarmos a noite?

Ela respondeu: — Eu sou filha de Betuel, filho de Milca e de Naor (irmão de Abraão).

A oração do servo – Agradecendo o quê?
Então o homem se ajoelhou e adorou a Deus, o SENHOR. Ele disse: — Bendito seja o SENHOR, o Deus de Abraão, o meu patrão! Pois foi fiel e bondoso com ele, guiando-me diretamente até a casa dos seus parentes.

Este é o enigma
Se Deus ouviu a oração do servo de Abraão, Ele precisou conduzir a atitude de Rebeca para se comportar como o servo havia pedido. Se ela por livre-arbítrio se comportasse de maneira diferente da oração, o servo não entenderia que ela era a jovem escolhida por Deus para Isaque.
Se Deus previu a atitude livre de Rebeca, então precisaríamos admitir que Deus conduziu a oração do servo para estar em conformidade com a atitude de livre-arbítrio de Rebeca.
Se Deus não conduziu a oração do servo e nem a atitude de Rebeca, tudo não passou de coincidência e Deus nada tem que ver com a escolha de Rebeca. Admitir isso é dizer que o relato bíblico é mentiroso.

Se não admitimos que a soberania de Deus pode anular o “livre-arbítrio” do homem, corremos o risco de invalidar a narrativa bíblica. Encontro indicações claras da soberania divina, mas nenhuma evidência no relato bíblico de que exista tal “livre-arbítrio” do homem diante da força soberana do Deus Altíssimo.

O que acha? Deseja arriscar uma resposta para as 3 perguntas do “enigma de Rebeca”?

Autor: André R. Fonseca
www.andreRfonseca.com
Twitter: @andreRfonseca

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade