Subscribe:

24 de novembro de 2013

Sexo antes do casamento pode? Caio Fábio diz que sim!


Caio Fábio divulgou mais um vídeo insano, para não dizer polêmico, a ponto de até alguns dos seus seguidores estranharem suas declarações a respeito do sexo antes do casamento. No vídeo, o psicanalista clínico e escritor, que se intitula pregador do Evangelho da Graça de Jesus, defere uma declaração antibíblica, frouxa, liberal, ao se omitir perante a prática da relação sexual antes do matrimônio e nas entrelinhas deixar claro que para ele não há problema algum.

Assista ao vídeo abaixo:




Nunca escondi que acompanhava o Caio Fábio, até escrevi sobre a possibilidade de conviver com algumas de suas percepções de mundo. Francis Shaeffer sugere em sua obra “A igreja e o mundo que a observa” que oremos pelo clã dos teólogos liberais e que saibamos conviver com eles em amor, porém sem abrir mão da Verdade e do discurso que desmascara mentira. Contudo, de uns dias para cá o tal “Caião” anda melando tudo e eu não quero me sujar, nem por osmose!

Sua Teologia humanista e liberal é destrutiva, deixa tudo solto, a gosto do freguês – nada mais parece ser pecado, tudo é relativo!

O blogueiro Rodrigo Ribeiro revoltado com a visão do Caio registrou: “Eis o ministério deste lobo: deixar pecadores tranquilos em seus pecados. Um dia dará contas a Deus!”

Em seu Blog o Pastor Renato Vargens elencou 4 razões pelas quais o Cáio Fábio está, e muito, equivocado e citou algumas observações do Rev. Augustus Nicodemus sobre o mesmo tema. Veja:

Na opinião de Caio desde que não haja defraudação na relação, não há problema de que os amantes se envolvam sexualmente.

Caio também disse que ele, à luz do evangelho, não pode se contrapor àqueles que agem desta forma, mesmo porque, não dá pra se convencionar o que seja casamento.

Pois bem, diante do exposto gostaria de enumerar 04 motivos porque considero que o ensino de Caio Fábio esteja equivocado:

  1- Em 1 Corintios 7:8,9, Paulo orienta a igreja dizendo que é melhor com que o solteiro se case do que viver abrasado.

  2- A Bíblia não permite relações sexuais fora do matrimônio (1 Coríntios 6.18-7.2) e condena imoralidade como um pecado que afronta a santidade do Senhor.

  3- Deus instituiu o casamento para a nossa felicidade, plenitude e segurança, e que este deve ser honrado por todos. Na Bíblia existem inúmeros versículos que declaram o sexo antes do casamento como sendo um pecado (Atos 15:20, 1 Coríntios 5:1; 6:13, 18; 10:8, 2 Coríntios 12:21, Gálatas 5:19, Efésios 5:3; Colossenses 3:5, 1 Tessalonicenses 4:3; Judas 7).

  4- As Escrituras ensinam que o sexo entre o marido e sua esposa é a única forma de relações sexuais que Deus aprova (Hebreus 13:4). O texto bíblico ensina que o leito conjugal, deve ser conservado puro e sem mácula e que o Senhor julgará os imorais e os adúlteros.”

Quanto a relativização do casamento comum aos dias de hoje reproduzo parte de um artigo publicado pelo meu amigo Augustus Nicodemus que fez alguns comentários extremamente interessantes sobre o casamento os quais concordo plenamente e compartilho abaixo:

  1) Relações sexuais diante de Deus não é bem o conceito de casamento que encontramos na Bíblia. O quadro que temos é muito mais complexo. Envolve responsabilidade pública e legal, pois tinha a ver com a herança e a proteção da esposa e os direitos dos filhos. Quando não há um compromisso oficial, mas apenas um viver juntos, como se pode falar em adultério, divórcio, herança de filhos, propriedade de terras, sustento para a desamparada, etc.?

  2) Israel era uma teocracia, isto é, Estado e Igreja estavam juntos. As festas de casamento representavam a legalização “civil” da união. Hoje, nas modernas democracias, o estado é laico, e não se precisa da cerimônia religiosa, e sim a legalização pelo poder público. Igreja não casa, pastor não casa, padre não casa. Quem casa é o juiz, representando o Estado. A Igreja faz um culto e invoca a bênção de Deus sobre o casal. No chamado “casamento religioso com efeito civil,” o pastor está agindo como se fosse o juiz, tudo acertado antes no cartório, e ratificado depois, senão perde a validade.

  3) O “casamento” de Adão e Eva não pode ser tomado como padrão para a humanidade. Eles nem tinha umbigo! Não havia ainda estado, igreja, sociedade, pessoas. O que aprendemos com o episódio é que a vontade de Deus que a humanidade se organize em famílias, compostas de um homem e de uma mulher, e que vivam unidos para sempre, criem seus filhos e dominem a terra. A legalização e a oficialização disto é uma decorrência natural e lógica quando o pecado entrou no mundo e apareceram outras mulheres e outros homens, a luta pelas terras e propriedades, o egoísmo do homem que desampara a mulher depois de abusar dela, e assim por diante. Por este motivo encontramos leis sobre divórcio, leis sobre herança de filhos, leis sobre os filhos de uma mulher que não é a esposa legítima, etc. etc.

  4) É evidente que as festas de casamento, com véu e grinalda, etc. são coisas absolutamente culturais e que mudam de acordo com os tempos e épocas. O que vale é que aquele momento em que os dois, diante do representante do governo (pode ser o pastor fazendo o casamento com efeito civil), prometem fidelidade, suporte, apoio e amor mútuos até que a morte os separe e assinam o contrato, que haverá de garantir os direitos deles e dos filhos, para o bem da sociedade e da família. Era isto, guardadas as devidas proporções, que acontecia nos tempos bíblicos em Israel, com os patriarcas fazendo as vezes, e depois os sacerdotes, juízes, anciãos, etc.

  5) União civil não é casamento, mas um mecanismo para garantir os direitos dos que vivem juntos a um tempo, como se casados fossem.

Concluo essa breve reflexão lembrando de Paulo que ao escrever a Timóteo disse:
“… Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento…” (1Tim 4.1-3).

Que Deus nos livre deste relativismo que tanto mal tem feito a igreja brasileira.

Pense nisso!

Renato Vargens

7 comentários:

eu disse...

Infelizmente estou bloqueado no face e não posso comentar.
Parabens pela atitude covarde, fala, acusa e cala que quer dar uma reposta, tipica de donos da verdade.


O que vai contra o casamento não é falta de papelada, sua fariseia, é adulterio, os jovens se amam e estão juntos, São um casal.
Alguem disse p eles ´´tudo bem transar com os outros, se divirtam``?

Sobre o casal, CASAL, o problema dos jovens é não ter nada oficial no cartorio, não ter o rito pagão catolico de ´´princesinha entrando no templo e fazendo juramento diante do sacerdote``



disse...

O seu comentário é tipico de quem é frustada(o) na vida e teve uma pessima criação. Pelas suas palavars, tu te condenas.
Se sou fariseia por não aceitar sexo antes do casamento, então, tu não passas de uma libertina(o) miserável que acha que transar antes do casamento é liberdade e casamento. Tu não passas de uma pessoa frustada na vida, aliás quem é vc?uma pessoa que se intitula como "eu" não deveria nem ter resposta minha, mas esta aí a sua falácia. Deve ter sido ensinada(o) a não se respeitar. Ah, lembrando que o texto não é meu, mas concordo com o autor 100% rsss.
E me diga como é seu nome, se eu te blqoueei eu tenho o prazer de te desbloquear pra te lê lá no meu face. rssr Bora là? adoro responder gente do teu nipe, ou seja "gente boa de Deus"! rs rs

Guiomar Barba disse...

Quem e Caio? Sei o que a palavra diz o que Caio pensa, nao muda as ordens sobre o sexo.

HP disse...

Eu não vou comentar o conteúdo dos blogs ou até mesmo o vídeo do Caio, mas creio que o debate sobre o Sexo antes do casamento é muito necessário.

Eu mesmo fiquei pensando se o problema não seria o FORMATO ATUAL DO NAMORO.

Aliás, há quanto tempo existe realmente a fase chamada NAMORO?

Meus avós mesmo não namoraram como eu por exemplo. Não saíram juntos, passearam juntos ou coisa parecida antes de casarem. Foram praticamente os pais deles que decidiram se o pretendente do outro lado era bom. Viram que o rapaz era trabalhador e de boa família. Viram se a menina era boa para os pais, respeitadora e boa dona de casa, e já aceitaram o “namoro” que nada mais significava que eram pretendidos um ao outro.

Andar de mão dada, saírem juntos sozinhos? Nunca.

Até no namoro dos meus pais, era namoro dentro de casa, sentado na sala com os irmãos mais novos “vigiando”. Beijo na boca era troféu, quando não descoberto pelos “baixinhos fofoqueiros”.

É evidente que o namoro atual é muito mais liberal do que o namoro do início do século passado.

Aliás, muitos nem classificariam o namoro dos nossos avós como namoro.

Eu casei virgem, mas confesso que não foi fácil, e se Cristo disse que “só em pensamento já peca”, eu confesso que pequei várias vezes.

Com as liberdades do namoro atual, cada vez fica mais difícil não pecar. Pressões da sociedade/mídia/amizades para transarem, das igrejas para não-transarem, corpos com ebulições hormonais, pressões financeiras para não casarem enquanto não tiverem os estudos completos/carreira solidificada, formam um caldeirão mortífero. Um caldo perigosíssimo.

Desculpe os “santos” de plantão. É fácil para uma pessoa casada (que pode, em teoria, transar com o marido/esposa quando quiserem) chegarem engomados, com uma Bíblia na mão, para um jovem atormentado com as pressões citadas acima e recitar os trechos bíblicos dizendo: “Não façam sexo antes do casamento!”, depois virarem as costas e largarem o jovem ao Deus-dará.

Eu acho que estamos diante de uma situação que mostra quão caídos nós somos. Quão caídos e quão necessitados da graça de Cristo. Fugimos do pecado, mas caímos de novo nele.

Barramos o casalzinho de fazer sexo. Daí eles se masturbam na pornografia.

“Então que casem!” alguns dizem.

Daí eu pergunto: “Como? Sem emprego, sem estudo, sem condição de alugar uma casa?”

E não adianta dizer: “Casem e vão morar com os pais, dele ou dela!”, porque morar com sogro e sogra não dá certo mesmo. É um passo para o divórcio.

Diante de tudo isto, eu prefiro orar pelos jovens. Pedir para que Deus lhes dê forças para não pecarem. Naquilo que puder ajudá-los eu ajudarei, mas não posso me considerar “Santo” e querer exigir deles o que sem Cristo eles nunca conseguirão fazer.

Eu cheguei a conclusão que somos pecadores mesmo.
Pra onde tentamos nos virar, no que tentamos fazer, só chegamos a um lugar: pecado.

Se procuramos santificação de um
lado, caímos no pecado do outro.

Então vamos pecar a vontade? De maneira nenhuma.

Mas se não é a GRAÇA de Cristo nos cobrir, estamos perdidos.

Eu declaro minha falência espiritual. Sou pecador e não consigo sair do pecado. Só Cristo pode me salvar. Só Cristo pode me libertar dos pecados que cometo.

E que cada um analise sua situação atual diante de Deus…

Que Deus os ajude!

Read more: http://blogdoirlandes.blogspot.com/2013/11/sexo-antes-do-casamento.html

Por enquanto ninguém disse...

Minhas humildes considerações: Você cita I CO 7 como defesa a seu ponto de vista, neste texto Paulo discorre a respeito do "casamento" o que nada diz se este "casamento" no texto bíblico é o que pensamos que seja. Será que casamento nos tempos de Paulo consistia da cerimônia religiosa e exterior que nada diz a respeito da união de corações que se amam? (Deixo a provocação). Além disso a autora cita textos da bíblia que demonstram claramente a condenação da "imoralidade sexual", termo que em outras traduções aparecem como "fornicação" os quais de modo algum denotam "sexo antes do casamento", este foi o sentido que a igreja vinculou a tais palavras, elas, antes, indicam relações sexuais ilícitas, tais como prostituições, libertinagem, imoralidade sexual é um termo genérico para toda relação sexual não-natural. Finalmente você cita Augustus Nicodemus Lopes, um pastor presbiteriano, irmão no Senhor, que argumenta que a oficialização do casamento, mesmo em sociedades teocráticas como Israel, existem para que se proteja os direitos da mulher, dos filhos e etc. Contudo, tal argumento é apenas evasivo, não diz nada a respeito do assunto, e aliás, concordo plenamente com o que ele escreveu em seu artigo. Defendendo plenamente que duas pessoas que se amam, por motivos legais, devem oficializar sua relação. Mas pergunto: Se porque não possuem um reconhecimento do estado de sua união, e mesmo em amando um ao outro, prometendo fidelidade mútua e demonstrando disposição para viverem juntos para sempre não estão "casados"? Não podem ter relações sexuais porque não possuem um casamento legal, mesmo que se amem sincera e verdadeiramente? E quanto a Isac e Rebeca? Será que vocês nunca leram?

Thays Amorim disse...

Concordo plenamente com a Bruna Santos. Até parece que todos os “santos” aqui presentes, são realmente santos, se é que isso seria possível, pois a nossa natureza é pecaminosa. Mas acontece, que há toda uma distorção da palavra de Deus. Leio e entendo o que Caio escreve.

O Evangelho é simples, a religião é que o torna complexo. E venho lembrar, que Jesus não estipulou nenhuma religião. Pelo contrario, Ele repreendia os fariseus, pois os mesmos pregavam uma falsa moralidade, a qual eles mesmos não seguiam em prática.

Acredito que o Evangelho cita o casamento feito no coração do homem e da mulher que se dão um ao outro e se escolhem para viver até que a morte os separe. A fornicação está nos rodeando todo o tempo, estando casados oficialmente ou não, e nem é preciso ir muito longe, aqui na internet mesmo existem vários meios. Acho que ninguém aqui tem 10 anos pra não entender isso.

O casamento no cartório , é sim uma benção, pois foi uma conquista sob nossos direitos, tanto como maridos, esposas e filhos. O casamento na igreja, também é sim uma benção, pois mais uma vez é um sonho em que se é alcançado em poder celebrar o amor de duas almas, perante as pessoas que amamos, sendo ele uma cerimônia simples ou mais sofisticada, e isso significa que obtemos uma condição financeira para realizar tal ato. Mas nada disso faria sentido, se não houver amor verdadeiro.

Case-se com um “varão” por pura pressão da igreja, sem ter nenhum afeto, amor, admiração. Vai acontecer das duas uma: ou o casamento vai terminar em divorcio, e a perseguição da igreja vai continuar , ou o casal viverá infeliz para sempre, levando em consideração que o divorcio tbm é repudiado pela igreja, até mesmo quando existe agressão fisíca, abusos e ameaça de morte. Sem dizer que a chance da tal “fornicação” entrar em cena meeeesmo é de 99% nesses casos. De sacríficios tolos, Deus não se agrada.

Portanto antes de qualquer oficialização, o casamento deve acontecer primeiro no coração dos dois, este é o casamento verdadeiro. Porém o fato do sexo vir antes da oficialização do matrimônio, não deve ser regra, Caio em momento algum incita isso. Já que o casal que se ama, e fazem planos juntos, de viverem juntos, e contruir uma vida juntos, resolvem esperar, que lindo, é uma escolha deles. Deus os abençoará pelo o que houver no coração deles, e não no dedo, ou no cartório.

Se procurarem o significado de “fornicar” vai achar duas posições diferentes :

1. ” Praticar relação sexual com; copular. fornicar a mulher do melhor amigo.” Aqui portanto, a “fornicação” é mais elastica. Casamento nenhum, impede alguém de fornicar a mulher/homem do próximo, a única coisa que te “impede” de tal ato é o seu carater, e o amor que tem a Deus. E creio que é isso que os versículos falam.

2. “Religião: Praticar relações de teor sexual sem estar casado; violar o pecado da carne.” Observem que o próprio dicionario, descreve a tradução como ao modo de ver da Religião. Ora, Jesus não pregava religião alguma. Todas são esburacadas, não há perfeição nelas. Mas no seu Evangeho encontramos a perfeição. A religião oprime, mas Jesus liberta.

“E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Efésios 3:19″

“Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados. 1 João 5:3″

” No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor. 1 João 4:18″

“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. 1 Coríntios 13:4″

“E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. 1 João 4:16″

Que a Graça de Deus nos guie ao longo de nossas vidas!!!! Paz a todos!!!

Carlos Alberto Monteiro da Silva disse...

Aos monopolistas da virtude só digo uma coisa, o farisaímo é religião e religiosidade mórbida, Caio não falou isso, parem de querer IBOPE pra si mesmos. Fui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...