Pular para o conteúdo principal

Comunas foram provocar os manifestantes da marcha para a família na Central do Brasil em frente ao Comando do Leste e tiveram que enfiar as bandeiras vermelhas entre as pernas e saíram correndo. Detalhe: Só no grito de corre vagabundos! E correram.



Manifestantes da Marcha da Família entram em confronto com opositores à marcha em frente ao Comando Militar do Leste ao lado da Central do Brasil.


RIO DE JANEIRO : Manifestantes de ambos os lados do espectro político do Brasil entraram em confronto brevemente neste sábado no Rio, onde os esquerdistas chegou às vias de fato com um grupo que comemora 50 anos desde o golpe militar .

Mais de 2.000 pessoas , entretanto, demonstraram , em São Paulo , o envio de uma mensagem para a presidente Dilma Rousseff , que dizia: " Dilma , ouça , não estará lutando no ( Mundial) Cup ", e houve protestos menores em várias outras cidades brasileiras.

Elementos de direita no Rio tinha chamado para uma reencenação de um 1964 "Marcha das Famílias para Deus e Liberdade ", que veio poucos dias antes de um golpe militar , que durou até a restituição da democracia em 1985.

Grupos de esquerda organizado prontamente uma contra-manifestação e , apesar de uma forte presença policial , várias pessoas romperam as linhas policiais e entraram em confronto no centro da cidade .

O grupo de extrema-direita , totalizando cerca de 300 , estavam em dores não para louvar a ditadura.

Mas eles disseram Rousseff , que sofreu tortura no regime militar como um ativista de esquerda e é o favorito para ganhar a reeleição nas eleições de outubro de se conduzir o país à ruína.

"A democracia não existe no Brasil - não temos uma maioria, mas uma série de minorias , como índios e feministas , com Dilma no comando, " ativista Felipe Paulomo à AFP.

"Nosso governo é uma fraude. Queremos  ele fora", gritou um homem com as palavras " família, Deus e Liberdade " estampada em sua camisa.

Um manifestante erguida uma faixa com os dizeres : " O povo brasileiro é com as Forças Armadas . "

Entre os 100- forte grupo de esquerda , uma mulher que deu seu nome como Hannah levava um cartaz de papelão : "Nunca mais ditadura - fascistas para fora. "

Ela disse à AFP: " Aí vêm os torturadores de novo, lições não aprendidas com a morte de seus pais causado. "

Historiadores estimam cerca de 400 dissidentes foram mortos com menos de 21 anos de regime militar .

Em junho passado , o governo brasileiro foi surpreendido quando mais de um milhão de pessoas se manifestaram contra o custo da Copa do Mundo e as Olimpíadas do Rio, em um país arruinada pela corrupção e infra-estrutura deficiente .

Este ano, foi menor, mas , por vezes, violentos protestos e elementos radicais prometeram para abastecer mais agitação durante o torneio de futebol de junho-julho .

Vejam o Video abaixo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…