Pular para o conteúdo principal

A “trabalhadora” Sininho queria se exilar para colher dividendos políticos. Em Cuba? Na Venezuela? Não! Na Inglaterra!

Essa esquerda radical nossa é mesmo patética. Vejam só: a tal Sininho, a ordinária que comandava a trupe de vagabundos mascarados, segundo denúncias da polícia, pretendia se “exilar” no exterior após a Copa. Ganha uma mariola mordida quem acertar o destino. Cuba? Venezuela? Faria sentido, pelo que ela pretende fazer com o Brasil, não é mesmo?
Mas não é nada disso. A mocinhaplanejava ir para… a Inglaterra! Ia desfrutar das benesses do… capitalismo! Ia buscar uma segurança maior no… império das leis! Defende o socialismo caótico apenas para os outros, pois pimenta no olho dos outros é refresco. Vejam:
A advogada Eloísa Samy, que pediu asilo político ao Uruguai, na segunda-feira (21) não foi a primeira a cogitar sair do país. A produtora cultural Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, tinha a intenção de se “exilar” na Inglaterra depois da Copa do Mundo. O tema foi discutido com advogados e com outros ativistas, mostram ligações telefônicas interceptadas pela polícia, em inquérito que fundamentou a denúncia por associação criminosa contra 23 militantes.
Numa das conversas, em 24 de junho, Elisa diz a um homem chamado Igor –provavelmente Igor D’Icarahy, que também deixou a prisão na noite desta quinta-feira (24)–, que está “pensando em exílio”. “Acho que vou aceitar ir para Inglaterra com Mohamed para fazer as denúncias do que está acontecendo aqui. Porque ia ser uma espécie de caos, né? Eu me exilar agora, depois da Copa, antes das eleições”, diz Elisa.
“Esperar é meio burrice. Mohamed naquela época falou isso, inclusive na frente do Marino. É melhor eu solta, fazendo as coisas. E exílio tem poder político muito forte. Imagina uma pessoa ser exilada agora, se a gente fizesse uma boa campanha, um escarcéu internacional. A perseguição que eu estou vivendo não vai acabar, Igor. Tinha um policial na porta da minha casa”, reage a ativista.
Ela completa: “O que é esse inquérito, ele vai até onde? Minha vida está virando uma espécie de inferno. Não estou conseguindo trabalhar, militar, fazer nada. É ameaça em cima de ameaça, ameaça de milícia, ameaça de policial. Se eu não for assassinada por um policial, eu vou ser presa, e aí?”
Notem que o “exílio” autoimposto serviria para colher dividendos políticos, renderia uma ótima campanha! Em seguida, reparem como ela alega não estar conseguindo trabalhar. Trabalhar? E qual é o trabalho desta jovem? Militância organizada? Ela chama isso de trabalho? “Ei, você trabalha com o quê? É médica? Advogada? Psicóloga? Economista?”. “Não, sou uma black bloc!”
É uma palhaçada isso tudo! O Brasil virou um circo mesmo. Não fosse aquele tal de Siro Darlan, essa moçoila estaria no único lugar que lhe cabe: a prisão!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: