Subscribe:

9 de agosto de 2014

O que é melhor: Receber umas palmadas de repreensão do pai ou ter o braço dilacerado por um tigre?



Infelizmente, a vida não é um “show da Xuxa” nem um filme da Disney com bichinhos domesticados e paquitas carinhosas. A vida é de verdade. Com dentes, presas e instintos. Cobra caro. Exige respeito à autoridade (principalmente a dos pais) e o conhecimento de limites cuja transposição tem seu preço.

Se aqueles vídeos feitos no zoológico registrassem, no momento em que o moleque provocava o tigre, a intervenção nervosa de um pai puxando energicamente o filho pela orelha e dando-lhe uns tapas na bunda, teríamos agora ONGs e ativistas revoltados com tal repressão física evocando a “lei da palmada” para punição do pai, mas a criança com os seus dois braços. Entretanto, restou a inocente criança apenas a repreensão do “tigre” e a consequente condenação a um castigo físico perpétuo.

Sem dúvida, todos nós sonhamos com um mundo onde toda a dor e todo o mal sejam suprimidos da face da terra, toda arma destruída, todo predador domesticado e todo castigo se torne desnecessário, mas enquanto não adentramos nesse paraíso messiânico, precisamos conviver com o mundo real aonde os mocinhos precisam de armas para se proteger dos maus e as crianças precisam de repreensão e correção para não serem dilaceradas por “tigres”, reais ou figurados, que lhes sobrevenham ao longo da vida.

Esse mundo imaginário utópico, ou reino encantado da “Super Xuxa Contra o Baixo Astral”, só existe nas mentes puras das crianças ou nas mentes infantilizadas de ativistas que tentam criminalizar a autoridade familiar numa fantasia totalitária que romantiza o caráter instintivo e brutal da natureza e da sociedade e que cria crianças salvas da correção familiar, mas subjugadas e talvez, dilaceradas, pela primeira ameaça do mundo real.

O castigo não é uma forma de opressão perversa de uma sociedade desalmada, mas o apontamento afetuoso de limites que se ultrapassados trarão sofrimentos e danos irreparáveis àqueles que amamos. Deixem nossas crianças em paz!

Felipe Queiroz

1 comentários:

Nal Pontes disse...

Parabéns pelo edificante texto, Se a Bíblia fosse ouvida, "Corrige o teu filho..." com certeza tudo de menos haveria no mundo, Violências em geral. Infelizmente os princípios bíblicos já não tem tanta importância assim. Boa noite amiga.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...