Pular para o conteúdo principal

Pastor Silas Malafaia apoiará Marina Silva no segundo turno, diz jornalista



O pastor Silas Malafaia já teria decidido quem apoiar no segundo turno da eleição para a presidência, e a escolhida seria Marina Silva (PSB).
O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) está apoiando o pastor Everaldo (PSC) neste primeiro turno, “para marcar posição”, como tem repetido diversas vezes.
A informação sobre a decisão de Malafaia sobre o apoio a Marina Silva foi divulgado pelo jornalista Lauro Jardim, da revista Veja: “Se Marina Silva for para o segundo turno, Silas Malafaia – que pedirá votos para o pastor Everaldo Dias no primeiro turno – decidiu que irá apoiá-la”, escreveu Jardim.
Se confirmada a informação, a decisão de Malafaia condiz com a postura adotada por ele de ir contra o PT em todos os cenários. Recentemente, o pastor havia dito que apoiaria qualquer um que fosse para o segundo turno contra Dilma Rousseff (PT).
Em 2010, Malafaia já havia apoiado Marina Silva (à época no PV) no começo da campanha, porém mudou seu voto para José Serra (PSDB), porque considerava reticente a postura da candidata sobre o aborto.
Posteriormente, Marina afirmou que pessoalmente é contra a prática, e defendeu que se for necessário uma mudança na legislação, que ela aconteça através de um plebiscito, onde o povo decide.

PT na mira

Enquanto o segundo turno não chega, Malafaia continuará disparando contra o PT, segundo Jardim. “A propósito, Malafaia gravou vídeos para Everaldo usar no programa eleitoral. Em um deles, chamará o governo petista de responsável pela ‘maior corrupção da história do país’”, escreveu o jornalista da revista Veja.
Na última segunda-feira, quando a presidente Dilma concedeu entrevista ao Jornal Nacional, o pastor Silas Malafaia usou seu perfil no Twitter para tecer duras críticas contra a candidata à reeleição, dizendo que o fato de ela se omitir sobre o processo do mensalão era uma “vergonha”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: