Pular para o conteúdo principal

Lula e FHC conseguiram dar contribuições ao País, diz Marina

Vagner Campos/MSILVA Online
Candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro

Candidata disse estar comprometida com a implementação do passe livre para estudantes da rede pública e voltou a defender uma reforma política

 
Candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro
Rio - A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, disse estar comprometida com a implementação do passe livre para estudantes da rede pública e voltou a defender uma reforma política, durante o Face to Face promovido pelo Facebook Brasil com a ex-ministra.


Marina disse que, se eleita, vai priorizar o transporte público por meio de parcerias com as prefeituras para tentar resolver o problema da mobilidade urbana.
"Estamos nos comprometendo em iniciar um processo para já ir melhorando essa situação, com a ideia do passe livre para estudantes da rede pública", afirmou.
Questionada sobre a reforma política, a ex-ministra respondeu que sua própria candidatura já trabalha por isso, por "inovar" o processo político.
"Temos no nosso plano de governo alguns pontos para deflagrar esse debate. Vamos considerar as propostas que já estão sendo debatidas, como o financiamento público de campanhas", disse.
A candidata acrescentou que defende o fim da reeleição e que terá um mandato de apenas quatro anos, mas que os próximos serão de cinco anos.
Marina ainda usou a oportunidade para criticar seus adversários: "A única coisa que fizeram, tanto o PT quanto o PSDB, foi reformar o compromisso de fazer a reforma".
A candidata disse também que, para governar o Brasil, é preciso visão estratégica e experiência, ser capaz de distribuir responsabilidades e ter a visão do todo, "sem se deixar levar pelas partes".
Ela criticou a concepção de que o presidente é um gerente e disse que os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso não eram gerentes, mas sim homens com visão estratégica. "Eles conseguiram dar uma contribuição ao Brasil.
O sociólogo fez a estabilidade econômica e o operário promoveu a igualdade social", disse, acrescentando que a presidente Dilma Rousseff, por sua vez, "está entregando o País com juros altos e pífio crescimento".
Ao falar de Eduardo Campos, Marina disse que se moveu na direção do ex-governador por considerá-lo uma liderança jovem e sem preconceitos e voltou a criticar ataques dos seus adversários na disputa eleitoral.
"Eu fico triste porque os mesmos preconceitos que eram usados contra o Lula agora estão sendo usados contra mim", reclamou. "Agora o Brasil está diante de uma situação: vai eleger com base na fofoca ou no programa?"
Ao final do Face to Face, Marina convocou os internautas a ajudarem a "esclarecer a verdade", pedindo que eles dialoguem com as pessoas. "Não é para fazer a difamação da Dilma, do Aécio ou de ninguém. Você pode ajudar a acabar com essa central de boatos", pediu.
Durante a sabatina, Marina se mostrou bastante relaxada e só se exaltou ao falar dos "boatos" que rondam sua candidatura. "Estou gostando dessa entrevista porque é a primeira entrevista que eu posso dar meio torta, meio assim", disse, mostrando-se relaxada na cadeira.
A candidata ainda disse ser verdade que ela cria suas próprias bijuterias e que desenvolveu uma essência de beterraba que usa como batom, por problemas de alergia.
O Facebook pretende promover o encontro também com os outros candidatos à Presidência. As datas serão divulgadas no perfil oficial da rede social.

Exame.comhttp://exame.abril.com.br/brasil/noticias/marina-lula-e-fhc-conseguiram-dar-contribuicoes-ao-pais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Toffoli manda recado a Zanin

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje é um estorvo na defesa do meliante Lula.O ministro Dias Toffoli está disposto a apagar a pecha que lhe foi impregnada de ‘petista’.

De antemão, usou o jornal Folha de S.Paulo para mandar um recado com endereço certo. O advogado Cristiano Zanin.

Caso ele assuma o plantão do Supremo Tribunal Federal (STF), não adianta entrar com habeas corpus em favor do ex-presidente Lula. Ele não concederá liminar, em hipótese alguma.

A preocupação atual do ministro é assumir sem problemas a presidência do STF.

Outro fator preponderante para o posicionamento de Toffoli, segundo fonte segura, é a aversão entre todos os ministros do STF ao próprio advogado.

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje certamente é um estorvo na defesa do meliante petista.

Por outro lado, há quem diga que Toffoli não é petista. É ‘Dirceusista”.

Faz sentido. Zé Dirceu está solto.

Jornal da Cidade

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment

O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro.  No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo.  Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 
Confira em 7 tuítes:




Filipe G. Martins@filgmartin  · 
1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.