Pular para o conteúdo principal

Sem citá-lo, Marina critica Lula e o associa à 'visão atrasada' da política

  • Leo Correa/AP
    Marina Silva joga basquete durante campanha no Rio de Janeiro
    Marina Silva joga basquete durante campanha no Rio de Janeiro
Em discurso a dezenas de lideranças comunitárias do Rio de Janeiro, a candidata à Presidência da República Marina Silva (PSB) criticou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem evitara se dirigir até agora. A ex-senadora ainda associou Lula ao que considera uma "visão atrasada" da política.

As declarações foram dadas durante visita à sede da ONG Cufa (Central Única de Favelas), em Madureira, no subúrbio carioca. Marina respondeu à declaração de Lula, dada semanas atrás, de que ela devia tudo o que tem ao PT.

"Tenho  56 anos, fui professora, senadora, vereadora, deputada, ministra, já fui até candidata a presidente, e dia desses ouvi uma pessoa dizer que tudo que eu sou eu devo ao partido, como se nada do meu esforço tivesse nenhum significado, inclusive o esforço de ajudar a criar esse partido. Eu digo: 'meu Deus, essa é a visão mais atrasada e velha da política'. Não se faz as coisas para as pessoas, se faz com as pessoas", disse Marina. 

A exemplo de Campos, Marina sempre evitou criticar Lula, centrando os ataques à Dilma Rousseff. Em entrevista à Folha de S.Paulo, a ex-ministra chorou ao lembrar as críticas feitas pelo ex-presidente.

No discurso, dirigido a uma parcela da sociedade que se beneficiou das políticas sociais ampliadas por Lula, Marina fez elogios à superação individual. Embora tenha elogiado políticas sociais do governo, criticou o que chamou de visão de "casa grande e da senzala" na qual se credita ao governo todas as conquistas populares.

"Não é correto o governo, qualquer governo, o meu --se Deus o povo brasileiro quiserem e eu for eleita--, o PSDB, o PT, quem quer que seja, se apropriar do esforço das pessoas e tantar passara a ideia de que tudo que você conquistou foi o governo que te deu, isso não educa nem ao governo, nem à sociedade. É a visão patrimonialista, da casa grande e da senzala.'

A ex-senadora lembrou os tempos de infância, em que vivia na pobreza no Acre, e relatou as dificuldades que teve de superar para se alfabetizar. Marina também fez elogios ao "empreendendorsmo social".

"Empreendendorismo social é para constranger o governo. Se eu for para o Palácio do Planalto, eu vou constrangida eticamente. Um constrangimento ético bom. Se com tão pouco vocês fizeram tanto, porque que com tanto, o governo faz o que é necessário?", disse.

Marina deixou a sede da Cufa sem dar entrevistas à imprensa, ao contrário do que estava previsto. É a segunda agenda seguida da candidta que ela evita os jornalistas. Ontem, em evento com lideranças sindicais em São Paulo, a ex-senadora também cancelou a entrevista coletiva que estava marcada.

Uol eleições.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade