Pular para o conteúdo principal

Candidatos e entidades repudiam depredação do prédio da Editora Abril

“Assistimos ontem e hoje a um atentado contra a democracia, contra a liberdade de expressão", afirmou o tucano Aécio Neves

Vandalismo e depredação que atingiram a Revista Veja
Vandalismo e depredação que atingiram a Revista Veja (VEJA.com)
Os dois candidatos à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), e entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil e a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) repudiaram neste sábado o vandalismo praticado contra a sede da Editora Abril, que edita VEJA, na noite de sexta-feira, em São Paulo. Um grupo de 200 pessoas, segundo a Polícia Militar, despejou lixo em frente ao prédio e pichou muros. Três pessoas foram detidas, segundo boletim de ocorrência registrado no 14º Distrito Policial de Pinheiros. As pichações foram assinadas pela União Juventude Socialista (UJS), ligada ao PCdoB. Em sua edição desta semana, VEJA revela depoimento prestado na última terça-feira pelo doleiro Alberto Youssef, que atuava como banco clandestino do petrolão, em que ele implica a presidente e seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, no esquema de corrupção.
No último ato público antes da votação deste domingo, Aécio Neves visitou o túmulo do avô, Tancredo Neves, na cidade histórica de São João Del Rei, em Minas Gerais. Defendeu a liberdade de imprensa e condenou os atos de vandalismo contra a sede da Editora Abril. “Assistimos ontem e hoje a um atentado contra a democracia, contra a liberdade de expressão, o que já é uma marca extremamente preocupante dos nossos adversários. Ao tentar invadir e depredar a fachada de um importante veículo de comunicação, os manifestantes não atingem aquele veículo. Atingem o que temos de mais valioso, que é a liberdade de expressão no Brasil, a liberdade de imprensa. A democracia vive disso, das manifestações. E as contrárias devem ser respeitadas. O alvo foi errado, porque o que a VEJA e outros veículos de comunicação fazem é comunicar. Eles são os vasos transmissores das informações e ao tentar proibir a veiculação dessa revista, há uma demonstração clara do Partido dos Trabalhadores de seu descompromisso com a democracia e com a liberdade de expressão”, disse o candidato. “É um atentado que deve receber o repúdio de todos os brasileiros da forma mais veemente possível. E uma boa forma de demonstrar esse repúdio é indo às urnas amanhã para valorizar a democracia e apontar um novo caminho para o Brasil”, completou. O tucano ainda afirmou que, se eleito, atuará em favor da liberdade de imprensa.
Um dia depois de gastar mais de três minutos de sua propaganda eleitoral para atacar VEJA, a presidente Dilma Rousseff comentou o ataque à sede da Abril. “Eu lamento qualquer ato de vandalismo. Não concordo. Repúdio formas de violência. Isso é uma bárbarie. Deve ser coibido. Nós só podemos aceitar um padrão de discussão que seja pacífico, com argumentos, que defenda posições e que não ataque uns aos outros. Não se cria um país civilizado e democrático dessa forma”, comentou a presidente. Enquanto isso, no Twitter, Orlando Silva, ex-ministro de Dilma eleito deputado federal pelo PCdoB, postou mensagem de apoio aos vândalos da UJS. Afirmou sentir "orgulho" da depredação promovida pelo grupo.
Em nota, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) afirmou em nota que “repudia veementemente os ataques”. "A Abert acompanha com preocupação episódios como o de ontem à noite, pois a entidade considera grave qualquer ato de intimidação à liberdade de imprensa. A Abert lembra que a Declaração de Chapultepec, da qual o Brasil é signatário, aponta uma imprensa livre ‘como uma condição fundamental para que as sociedades resolvam os seus conflitos, promovam o bem-estar e protejam sua liberdade’”. Em entrevista à Rede Globo, o presidente da OAB, Marcos Vinícus Coelho, afirmou: "Nesse momento entendemos que o principal é termos a maturidade institucional para preservarmos a democracia brasileira".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade