Pular para o conteúdo principal

Delator de padre Marcelo Rossi nunca será conhecido

  • Roberto Assuncao/Folha Imagem
    Padre Marcelo em show de 2006, no Estádio do Morumbi, em São Paulo. Ele foi acusado de desvirtuar as práticas católicas e de transformar a missa em "circo"
    Padre Marcelo em show de 2006, no Estádio do Morumbi, em São Paulo. Ele foi acusado de desvirtuar as práticas católicas e de transformar a missa em "circo"
Independentemente de quem for, o religioso brasileiro que denunciou o padre Marcelo Rossi e suas práticas ao Vaticano, provavelmente sua identidade nunca será conhecida do público.

Isso porque, de tudo o que faz, a Congregação para a Doutrina da Fé (Inquisição) tem a preservação da identidade dos delatores como um de seus fundamentos mais básicos e protegidos.

Há um motivo histórico para esse sigilo.
Tanto durante a Reforma Protestante como nos anos imediatamente a seguir à Revolução Francesa (1789), praticamente todos os católicos que foram acusados de ser delatores foram punidos das mais diversas formas --como a fogueira que eles próprio acenderam ou, no caso da França, linchados ou na guilhotina.
Somente entre 1789 e 1800 a estimativa é que foram mortos pelos revolucionários (e pela turba descontrolada), apenas na França, cerca de 40 mil padres e freiras.
Muitos desses haviam sido apontados como bajuladores do Vaticano e da Inquisição, e que haviam delatado muitos franceses como hereges e fariseus.

Esses padres e freiras foram perseguidos até os mais longínquos campos franceses, e, quando não eram guilhotinados, eram simplesmente espancados até a morte.
Seus corpos eram esquartejados e exibidos em pontos diferentes das cidades.
Quando a Inquisição condenava alguém que já havia morrido, seus ossos e restos eram exumados, jogados novamente numa fogueira, depois moídos e espalhados nos mais diversos lugares. O objetivo era que a alma penada do herege nunca mais descansasse e se encontrasse.

ATÉ MÚSICOS NA FOGUEIRA

Cabe lembrar que não só religiosos, mas até músicos foram mandados para a fogueira pelos inquisidores. Era proibido, por exemplo, tocar o chamado trítono --um intervalo de três tons inteiros entre dois acordes.
Se você não entende nada de teoria musical, basta assistir a algum filme de terror. Aqueles temas fantasmagóricos durante os momentos mais tenebrosos da película quase sempre são baseados em trítonos.
O trítono, diziam os padres, causa sensações e sentimentos satânicos nas pessoas. Uuuuuuuh!

Ou seja, se um organista de uma catedral católica por acaso errasse um acorde e caísse num trítono, podia ser retirado da igreja pelos cabelos e linchado pela multidão à sua porta.
Sempre em Nome de Deus, claro.

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: