Pular para o conteúdo principal

Irmã de Lula critica Dilma e pede voto em Aécio

  Na reta final da campanha presidencial, o candidato Aécio Neves (PSDB) ganhou um apoio improvável. Lindinalva Silva, 58, tomou as redes sociais de Mato Grosso ao protagonizar um vídeo caseiro com pedidos de “consciência” aos brasileiros e votos ao tucano.
Quem é Lindinalva? É a sexta de dez irmãos do ex-presidente Lula. Em entrevista à Folha, diz que seguiu os ensinamentos deixados pelo irmão ilustre para referendar seu posicionamento político nestas eleições.
“Não me sinto incomodada pensando desta forma. Lula lutou pela democracia e liberdade de opinião. Ele sempre deixou claro que não queria forçar nenhum irmão a seguir o que ele acreditava”, afirma.
A escolha em fazer as vezes de cabo eleitoral de Aécio ganhou força, segundo Lindinalva, a partir do desempenho do primeiro governo de Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição.
“Dilma já teve a chance dela. Em quatro anos não fez o que prometeu.”
Lindinalva só diminui o tom da crítica quando analisa a gestão do irmão (2003-2010). “Nunca falei mal do meu irmão porque ele foi ótimo para o Brasil. O problema é que a Dilma não acompanhou o que Lula fez”, afirma.
Lindinalva Silva, 58, irmã de Lula que declara voto em Aécio - Foto de divulgação
Lindinalva Silva, 58, irmã de Lula que declara voto em Aécio – Foto de divulgação
No vídeo, Lindinalva opta por Aécio ao entender que ele seria “o melhor para o Brasil neste momento”.
“Eu não estou pensando em familiar nenhum, mas no Brasil todo, principalmente, nos cristãos”, disse no vídeo que circula na internet.
Lindinalva reside em Cuiabá, a capital de Mato Grosso, desde 1989. Ela se diz evangélica pertencente à Comunidade Pão da Vida.
Afirma que a maior parte dos fiéis de sua igreja tem medo “do comunismo” e que, por lá, “tucanos são maioria”. Para reforçar seu posicionamento, estampa no vídeo a cópia do Decreto 8.243, que ganhou de um pastor.
O decreto, sancionado por Dilma, instituiu neste ano a Política Nacional de Participação Social, que incorporou os conselhos sociais no debate sobre as políticas públicas do país.
A lei, no entanto, é questionada pela oposição que quer sustar seus efeitos legais. “Achei arbitrário”, diz Lindinalva.
NÃO DECOLOU
Lindinalva, a exemplo de Lula, tentou seguir carreira política, mas não decolou no seu primeiro voo.
Em 2012, ela disputou uma vaga na Câmara Municipal de Cuiabá, mas anotou apenas 188 votos nas urnas.
Naquelas eleições, chegou a ser detida sob suspeita de fazer boca de urna. Foi liberada logo depois.
Nesse mesmo ano, ela diz ter visto Lula pela última vez. Na ocasião, perguntou ao irmão se ele voltaria a disputar uma eleição e ouviu: “Não está nos meus planos. É a vez dela [Dilma]“.
Ainda filiada ao PTB, Lindinalva afirma ter desistido dos palanques, mas, não das próprias convicções, mesmo que para isso continue a discordar de seu maior professor.

Folha Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…