Pular para o conteúdo principal

Na TV, Dilma diz querer diálogo com Aécio e Marina

Presidente afirmou nesta terça-feira que pretende conversar com candidatos derrotados à Presidência; em entrevistas, ela também falou em regulação econômica dos meios de comunicação

Gabriel Castro, de Brasília
Dilma Rousseff durante entrevista concedida ao Jornal da Band, nesta terça-feira (28)
Dilma Rousseff durante entrevista concedida ao Jornal da Band, nesta terça-feira (28) (Band/Reprodução)
A presidente reeleita Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira que pretende chamar Aécio Neves e Marina Silva para dialogar sobre os rumos do país. Depois de falar ao vivo ao Jornal da Record e ao Jornal Nacional na segunda-feira, Dilma concedeu entrevistas ao Jornal da Band e ao Jornal do SBT e demonstrou, nas duas ocasiões, sua intenção de conversar com os candidatos derrotados à Presidência.

Na Band, a petista afirmou que pretende fazer um diálogo amplo. "Isso também inclui, obviamente, aqueles que foram meus adversários no processo eleitoral. Isso é o que é bonito na democracia.", Para o SBT, ao ser perguntada a respeito, foi menos precisa: "Posso chamá-los, sim".

Dilma descartou propor a regulação dos meios de comunicação, como pede o PT -— pelo menos não se isso afetar o conteúdo do que é veiculado. "Como qualquer setor econômico, a mídia tem de ter regulações econômicas. Vamos discutir bastante antes de fazê-lo", disse. "Sei o valor da liberdade de imprensa".

A presidente mencionou ainda a crise hídrica no Estado de São Paulo: nas duas entrevistas, disse que ofereceu toda a ajuda necessária ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), mas que a iniciativa de pedir apoio precisa partir dele: "Nós podemos agir com o governo do Estado se ele tiver iniciativa. Eu tenho abertura absoluta".

Dilma também afirmou não ver problema na criação de uma nova CPI da Petrobras: "Eu vejo com tranquilidade quantas CPIs quiserem instaurar. Agora, eu vou acompanhar atentamente a investigação", disse ela. A presidente repetiu o seu mais novo bordão: o de que quer uma investigação completa, 'doa a quem doer', para 'não deixar pedra sobre pedra'.

A respeito de seu projeto de reforma política por consulta popular, que enfrenta resistência no Congresso, Dilma afirmou que aceitaria tanto um plebiscito quanto um referendo, embora considere inadmissível uma deliberação exclusiva dos parlamentares: "Não é possível supor que a sociedade e população vão ficar alheias a esse processo".

A presidente foi evasiva ao falar das mudanças na sua política econômica: não mencionou quais medidas vai tomar e nem deu qualquer pista sobre o novo ministro da Fazenda. Repetiu apenas que vai tomar as decisões antes do fim do ano. 

Veja abril

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: