Pular para o conteúdo principal

Em diálogos, contadora de doleiro avalia potencial bombástico de denúncias

Em gravações da PF, anexadas na Operação Lava-Jato, Meire Poza afirma que Paulo Roberto Costa tem potencial para derrubar governo e se queixa de doleiro

Em diálogos, contadora de doleiro avalia potencial bombástico de denúncias Wilson Dias/Agência Brasil
Diálogo de contadora foi interceptado pela Polícia Federal em um shopping de São PauloFoto: Wilson Dias / Agência Brasil
Em uma conversa com o advogado Carlos Fernando Braga, indicado por um pool de empreiteiras, e uma pessoa não identificada, a contadora do doleiroAlberto YoussefMeire Poza, afirmou que a presidente Dilma Rousseff vai cair se o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, revelar tudo o que sabe.
Apontado como um dos pivôs da lavagem de pelo menos R$ 10 bilhões – esquema descoberto pela Operação Lava-Jato –, Costa foi detido em junho depois que a Justiça rastreou US$ 23 milhões em bancos suíços. Atualmente, ele cumpre prisão domiciliar.
No diálogo interceptado pela Polícia Federal (PF) em um shopping de São Paulo, datado de 8 de outubro de 2014, Meire conversa com o advogado e a terceira pessoa sobre os desdobramentos da Lava-Jato e chega a reclamar que Alberto Youssef a subestimava e não tomou os cuidados necessários ao deixá-la junto com suspeitos em mesas de negociação.
– Eu garanto pra você. Infelizmente, eu vou pôr mais gente junto. Mas, o Beto (Alberto Youssef), ele me subestimou. Ele não tem noção. O Beto, ele sempre teve aquela coisa assim. Sabe doutor? Mulher é burra. Ele subestimou. Muito, muito... Vai, deixa. Vamos jantar, vamos jantar. Eu jantei com o Mário Negromonte (ex-ministro das Cidades), eu jantei com um monte de político. A burra sentada lá. Burra – ironizou ela.
Em seguida, Meire Poza conversa com o advogado Carlos Fernando Braga sobre possíveis acordos feitos entre Youssef para livrar políticos em troca de dinheiro, e deixa claro que se Paulo Roberto Costa quiser, pode derrubar a presidente Dilma Rousseff:
MEIRE: Mas, o Beto não tem mais acordo para fazer, né, doutor?
CARLOS FERNANDO BRAGA: É. Mas, tem muito político para dar (delatar) aí.
MEIRE: Mas, eu não sei, viu, doutor.
CARLOS FERNANDO BRAGA: Então, porque o Paulo Roberto tem. Se ele der...
MEIRE: Não. O Paulo Roberto...
CARLOS FERNANDO BRAGA: Ele derruba a Dilma.
MEIRE: O Paulo Roberto vai derrubar a Dilma.
CARLOS FERNANDO BRAGA: Ele derruba até o Obama, se bobear, né?
MEIRE: O Paulo Roberto derruba a Dilma. Agora, o Beto, eu acho que o Beto perdeu muita credibilidade para acordo.

"Vão dar um sumiço nele"
O trio também conversa que se Alberto Youssef tentasse fugir antes de ser preso pela Operação Lava-Jato, ele seria assassinado quando estivesse a caminho do aeroporto.
MEIRE: O Beto... Doutor, e se bobear, olha, vão até querer que o Beto saia. Porque a hora que o Beto botar o pezinho pra fora, vão dar um sumiço nele.
CARLOS FERNANDO BRAGA: Não. Ele vai sumir, né. Se ele tem dinheiro lá na...
MEIRE: Acho que ele vai pro Líbano. Mas, acho que antes dele ir pro Líbano, pegam ele no caminho do aeroporto, viu, doutor?
CARLOS FERNANDO BRAGA: É. Porque ele é um arquivo...
Outra parte destacada pela Polícia Federal no grampo diz respeito à impossibilidade de o governo trancar as investigações da Operação Lava-Jato. O advogado Carlos Fernando Braga explica que o governo federal não deu apoio para a PF nas análises das provas recolhidas, mas ressalta que não há como trancar todas as frentes:
– O governo federal, pela Polícia Federal, estancou. Eles não mandaram ninguém lá para ajudar. E o Ministério Público Federal por isso que eles não conseguem controlar. Como é que eles vão conseguir controlar o Sérgio Moro? Ele é um juiz federal, daí vão pôr a mão dessa forma? E o Ministério Público Federal? E os delegados lá de Curitiba? Não vão conseguir controlar. Mesmo que a Dilma, o PT, o governo, quem quer que seja, queiram controlar, eles não vão conseguir. Se controla a Polícia, não controla o Ministério Público. Se controla o Ministério Público, não controla o Moro. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade