Pular para o conteúdo principal

Acredite se puder: Sarney se despede do Congresso

Ex-presidente da República chegou ao Congresso Nacional em 1955 e agora encerra seu último mandato. Peemedebista descartou assumir ministério

Gabriel Castro, de Brasília
O senador José Sarney (PMDB-AP), durante discurso de despedida na tribuna do Senado Federal, em Brasília (DF) - 18/12/2014
LONGEVO – O senador José Sarney se despede do Congresso Nacional após quase seis décadas (Alan Marques/Folhapress)
Para quem achava que esse dia jamais chegaria, o senador José Sarney (PMDB-AP) se despediu nesta quinta-feira do Congresso Nacional, aonde chegou em 1955. O ex-presidente da República, que não disputou a reeleição neste ano, fez um discurso longo e repleto de citações históricas. O plenário tinha poucos senadores, mas muitos funcionários da Casa, que aplaudiram o peemedebista.
No último pronunciamento de sua carreira política, o senador listou alguns temas que, em sua visão, precisam ser debatidos com urgência. Um deles é o uso da máquina pública para fins particulares. "Estabeleceu-se uma promiscuidade entre cargos, empresas e setores da administração que apodreceu o sistema em vigor", disse o parlamentar, que tem praticamente seis décadas contínuas na base governista e dezenas de aliados instalados em cargos no governo federal, sobretudo no setor elétrico.
Sarney encerrou seu discurso com versos poéticos. "Saio feliz, sem nenhum ressentimento. Ai, meu Senado, tenho saudades do futuro!". Depois, ouviu elogios de parlamentares da base e da oposição. Antes de deixar o Congresso, o peemedebista ainda concedeu uma entrevista em que falou de sua carreira. O ex-presidente comemorou o recorde de longevidade política: serão sessenta anos de vida pública em 2015, quando ele deixará oficialmente o mandato. "Eu me tornei o político mais longevo da história do país. Inclusive consegui passar na frente do Visconde de Abaeté, que tinha 58 anos [de vida pública]".

O senador, que chegou a ser cotado para assumir o Ministério da Cultura, descartou ocupar um cargo no governo Dilma Rousseff e disse que se arrepende até mesmo de ter disputado o Senado após deixar o Palácio do Planalto. "Quem foi presidente da República não pode exercer outro cargo. Eu me arrependi de ter voltado", disse ele.
Sarney também celebrou a reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos, anunciada nesta quarta. "Foram quarenta anos perdidos. Nem os Estados Unidos nem Cuba lucraram alguma coisa com isso que ocorreu". Sarney foi o responsável por retomar as relações do governo brasileiro com o cubano, em 1986.


Apesar de não ter qualquer pretensão política – "Agora é pegar os meus livros e reler" –, Sarney continua negando aquilo que as imagens da TV Amapá revelaram acidentalmente: o ex-presidente, com o adesivo de Dilma Rousseff no peito, votou em Aécio Neves. "Não vou falar mais disso. Eu já disse que votei na Dilma. A televisão disse que o filme é falso, que é uma montagem", afirmou ao site de VEJA. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade