Subscribe:

19 de dezembro de 2014

Acredite se puder: Sarney se despede do Congresso

Ex-presidente da República chegou ao Congresso Nacional em 1955 e agora encerra seu último mandato. Peemedebista descartou assumir ministério

Gabriel Castro, de Brasília
O senador José Sarney (PMDB-AP), durante discurso de despedida na tribuna do Senado Federal, em Brasília (DF) - 18/12/2014
LONGEVO – O senador José Sarney se despede do Congresso Nacional após quase seis décadas (Alan Marques/Folhapress)
Para quem achava que esse dia jamais chegaria, o senador José Sarney (PMDB-AP) se despediu nesta quinta-feira do Congresso Nacional, aonde chegou em 1955. O ex-presidente da República, que não disputou a reeleição neste ano, fez um discurso longo e repleto de citações históricas. O plenário tinha poucos senadores, mas muitos funcionários da Casa, que aplaudiram o peemedebista.
No último pronunciamento de sua carreira política, o senador listou alguns temas que, em sua visão, precisam ser debatidos com urgência. Um deles é o uso da máquina pública para fins particulares. "Estabeleceu-se uma promiscuidade entre cargos, empresas e setores da administração que apodreceu o sistema em vigor", disse o parlamentar, que tem praticamente seis décadas contínuas na base governista e dezenas de aliados instalados em cargos no governo federal, sobretudo no setor elétrico.
Sarney encerrou seu discurso com versos poéticos. "Saio feliz, sem nenhum ressentimento. Ai, meu Senado, tenho saudades do futuro!". Depois, ouviu elogios de parlamentares da base e da oposição. Antes de deixar o Congresso, o peemedebista ainda concedeu uma entrevista em que falou de sua carreira. O ex-presidente comemorou o recorde de longevidade política: serão sessenta anos de vida pública em 2015, quando ele deixará oficialmente o mandato. "Eu me tornei o político mais longevo da história do país. Inclusive consegui passar na frente do Visconde de Abaeté, que tinha 58 anos [de vida pública]".

O senador, que chegou a ser cotado para assumir o Ministério da Cultura, descartou ocupar um cargo no governo Dilma Rousseff e disse que se arrepende até mesmo de ter disputado o Senado após deixar o Palácio do Planalto. "Quem foi presidente da República não pode exercer outro cargo. Eu me arrependi de ter voltado", disse ele.
Sarney também celebrou a reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos, anunciada nesta quarta. "Foram quarenta anos perdidos. Nem os Estados Unidos nem Cuba lucraram alguma coisa com isso que ocorreu". Sarney foi o responsável por retomar as relações do governo brasileiro com o cubano, em 1986.


Apesar de não ter qualquer pretensão política – "Agora é pegar os meus livros e reler" –, Sarney continua negando aquilo que as imagens da TV Amapá revelaram acidentalmente: o ex-presidente, com o adesivo de Dilma Rousseff no peito, votou em Aécio Neves. "Não vou falar mais disso. Eu já disse que votei na Dilma. A televisão disse que o filme é falso, que é uma montagem", afirmou ao site de VEJA. 

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...