Pular para o conteúdo principal

Cuba nega que tenha convocado coletiva em meio a rumores sobre morte de Fidel

Última aparição do ex-ditador foi há um ano, quando esteve na inauguração de uma galeria de artes. Fidel não comentou recente acordo com os EUA

Homem passa de bicicleta em frente a um carro vintage diante de um edifício com uma bandeira de Cuba, nesta terça-feira (31), em Havana
Homem de bicicleta diante de um edifício com uma bandeira de Cuba, em Havana (Adalberto Roque/AFP/VEJA)
Cuba negou nesta sexta-feira ter convocado a imprensa estrangeira nesta sexta-feira, em meio a rumores e publicações nas redes sociais sobre uma a morte de Fidel Castro. "Isso é falso. Não foi convocada nenhuma coletiva de imprensa", disse um funcionário do Centro de Imprensa Internacional (CPI), o departamento do Ministério das Relações Exteriores cubano que atende os meios de comunicação estrangeiros. "Sempre anunciamos da mesma forma (através de um e-mail aos meios de comunicação) e nada foi enviado", acrescentou o funcionário do CPI.
Alguns meios de comunicação de Miami, reduto do anticastrismo, haviam informado que o centro de imprensa, sem identificar o CPI, havia convocado a imprensa estrangeira nesta sexta-feira em Havana, insinuando que esta suposta citação estava relacionada a uma piora da saúde de Castro, de 88 anos.
No entanto, nenhuma convocação havia sido recebida pela agência France-Presse através dos canais habituais utilizados pelo CPI: e-mail ou, às vezes, mensagens de texto de celulares. Os rumores sobre a suposta deterioração da saúde do líder cubano foram estimulados depois que, na quinta-feira, completou um ano desde sua última aparição pública, embora nos últimos meses tenha recebido líderes estrangeiros em sua casa em Havana. Afastado do poder em julho de 2006, Fidel fez sua última aparição pública no dia 8 de janeiro de 2014, quando compareceu à inauguração da galeria do artista cubano Alexis Leyva ‘Kcho’ –  seu velho amigo – no oeste da capital. Sua última coluna de imprensa foi publicada pelos meios de comunicação em outubro.
O ‘Comandante’, como é chamado pelos cubanos, não comentou publicamente a aproximação entre Cuba e Estados Unidos anunciada por seu irmão e sucessor, Raúl Castro, e pelo presidente Barack Obama há três semanas. Também não compareceu à cerimônia de boas-vindas dos três agentes cubanos – considerados heróis na ilha – libertados por Washington como parte dos acordos que colocaram fim a meio século de inimizade.
(Com agência France-Presse)

Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade