Pular para o conteúdo principal

Defesa barra acesso a dados sobre venda de armas a outros países no governo Lula



O Ministérios da defesa negou à Folha acesso a documentos sobre exportações de armamentos feitas durante os dois primeiros anos do governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2004), em contradição com resposta a um pedido indêntico sobre o último biênio do governo Fernando Henrique Cardoso (2001-2002).

A pasta reconheceu que sobre os ppaéis produzidos na gestão Lula não incide mais nenhum tipo de sigilo previsto na Lei de acesso á informação. A recusa foi feita entre outubro e dezembro, na gestão de Celso Amorim.

O orgão disse que sobre eles incide "segredo industrial", cujo prazo para liberação é hoje inexistente. Na prática, a Defesa instituiu sigilo eterno sobre os documentos.

Em 2012, o ministério acolheu pedido feito por meio da Lei de Acesso e forneceu cópia de 1.572 páginas com todos os registros das exportações de armamentos realizadas nos anos de 2001 e 2002.

Com base nesses papéis, a Folha revelou na época que o governo do Zimbábue. do ditador Robert Mugabe, adquiriu do Brasil, em 2001, 766 bombas de fragmentação ("cluster"). Condenadas em diversos países por produzir vítimas indistintamente entre militares e civis, além de 605 bombas incendiárias.

Ao liberar os papéis, a Defesa considerou um prazo mínimo de dez anos de sigilo. Assim, seguindo o raciocínio da própria pasta, os documentos produzidos em 2003 e 2004 deveriam ter sido liberados entre 2013 e 2014.

Desde setembro, contudo, a Folha não tem obtido resposta positiva ao pedido de acessoaos papéis produzidos no primeiro biênio de Lula.

A pasta apresentou inúmeras justificativas para cercear o acesso aos documentos. Após três recursos, o orgão afirmou, em ofício assinado por Celso Amorim, que os papéis "estão protegidos por legislação especial, por constituírem segredo de negócio".

A Folha apurou que a pasta consultou os fabricantes de artefatos bélicos antes de reponder. Indagada desde 22 de dezembro se as empresas orientaram o ministério sobre como agir, a assessoria de imprensa não respondeu.

Amorim aceitou fornecer só 23 registros de esportação de 2003 e 2004, com um total de 227 páginas, mas manteve segredo 32 registros. Os papéis liberados são de pouca relevância. Em 2001-2002, o total exportado correspondeu a US$ 315 milhões. Os papéis agora liberados somam vendas de US$ 4,17 milhões.

A exportação mais expressiva nesses papéis é uma compra, pela Colombia, de mil unidades de foguetes ao preço de US$ 1 milhão.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade