Religioso diz que Igreja não  pode se impor aos que não

 creem

 Padre Fábio de Melo fez show  ontem no encerramento da Festa 
da Penha . Astro da música católica, padre Fábio  de Melo se apresentou 
ontem no  encerramento da Festa da Penha 2015. Antes do show, além 
de falar sobre suas  músicas e da alegria de estar novamente  no 
Espírito Santo e cantar numa das  mais importantes festas religiosas do país, 
não se furtou em falar sobre temas polêmicos como casamento gay e os
 protestos contra o governo Dilma, realizados no último domingo, mais
 uma vez, em vários Estados do Brasil.
Casamento gay
“Faço distinção entre Estado e Igreja. Em nenhum momentoafirmo que a Igreja é a
 favor da união homoafetiva. O que digo é que esse assunto deve ser tratado pelo
 Estado, é uma responsabilidade do Estado. Quando a Igreja reconhece que pode 
participar do Estado com os mesmos recursos democráticos que qualquer outro
 cidadão, nós estamos fazendo essa diferenciação. Da mesma forma que temos 
nossas verdades, e temos o direito de dizê-las, as pessoas continuam tendo 
seus direitos. Diante do Estado, possam reivindicar o que acham justo.
 Eu me sinto responsável de fazer esclarecimento sobre isso. Assim evitamos 
conflitos desnecessários. Não tenho nenhuma pretensão de falar em nome da
 Igreja. A Igreja tem o direito de se posicionar em relação aos seus dogmas e
 sobre condutas morais, mas para nós cristãos católicos. Ela pode sugerir para a
 sociedade, mas não pode fazer imposição àqueles que não creem”.
Protestos
“As manifestações do último domingo fazem parte de um momento importante
 para o país. É interessante as pessoas manifestarem suas insatisfações de
maneira ordeira. Nós precisamos de um país mais justo, mais livre e, por que não,
 mais cristão”.
Papa Francisco
“Papa Francisco tem um poder de comunicação fantástico, pois até aqueles que
não são crentes gostam de ouvir a coerência das suas palavras. A gente precisa
 buscar uma Igreja que, sem abrir mão de seus valores, saiba dialogar com a
sociedade”.
Música
“Eu costumo dizer que a música é apenas uma desculpa, um invólucro da Palavra
 de Deus. Mais importante que qualquer música que a gente canta, é a palavra que
 a gente diz, o poder que ela tem de transformar as consciências e a vida das pessoas.
Sinto-me muito honrado quando percebo que minha música faz com que as pessoas
prestem atenção naquilo que dizemos através dela. Peço que através da música Deus
 possa acontecer na vida de todas as pessoas. Sou um missionário. Optei fazer do
Evangelho minha pauta de vida, e levá-lo a todos através da música”.
Festa da Penha
“É a segunda vez que canto na Festa Da Penha. Para mim, é uma honra imensa, 
uma alegria que recebo como responsabilidade, já que é uma das mais importantes
 festas religiosas do país. Acompanho a festa todos anos, mesmo não estando aqui.
 Meus amigos daqui me enviam notícias, sei quem canta e como foram os dias
 de festa. Gosto de vir ao Espírito Santo. Vitória é uma das capitais mais belas 
do nosso Brasil”.

Fonte: A Gazeta Foto: Marcelo Prest