Pular para o conteúdo principal

Em comissão que discute Estatuto da Família, pastor diz que ativistas LGBT querem mudar a Constituição na "canetada"




Silas Malafaia a Toni Reis:
Marcel Frota/iG Brasília
Silas Malafaia a Toni Reis: "Avisa tua turma que opinião não é homofobia"

Em debate realizado na comissão especial que discute o projeto que institui o chamado Estatuto da Família, o pastor Malafaia defendeu a tese de que ter opinião não significa ser homofóbico. O debate também conta com a presença do ativista Toni Reis, que fez exposição em defesa de uma definição mais ampla do conceito de família. O público que acompanha a audiência é predominantemente evangélico e o tempo todo recheou as falas do pastor com aplausos.
O Estatuto da Família é de autoria do deputado Anderson Ferreira (PR-PE), que é evangélico. “Tem gente que fala tanto em democracia, mas só quer na caneta”, afirma Malafaia. Uma parte dos presentes à sessão vaiou o pastor em alguns momentos. Dirigindo-se ao ativista Toni Reis, que também falou na audiência pública, Malafaia provocou. "Avisa tua turma que opinião não é homofobia."
Assista um momento de Malafaia:


Polêmica: - "Vou te engolir", diz Malafaia após Boechat acusar pastor de tomador de grana “Homossexualismo é condição ou comportamento? É comportamento. Não há prova na biologia, não há prova na genética”, defende Malafaia. Ele desafiou os ativistas LGBT a aprovarem uma Proposta de Emenda à Constituição modificando o texto da Carta Magna para ampliar o conceito de família. “Façam uma PEC para retirar da Constituição brasileira que a entidade familiar é homem e mulher. Enquanto o artigo 226 parágrafo 3º estiver em voga, pode discutir aqui o que quiser, pode apresentar o que quiser”, provoca Malafaia. O projeto é criticado por ativistas LGBT porque restringe em seu texto o conceito de família já em seu segundo artigo. “Para os fins desta Lei, define-se entidade familiar como o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou união estável, ou ainda por comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”, diz o texto do Estatuto da Família defendido pela bancada evangélica. Leia também: - Em vídeo, Malafaia propõe boicote ao Boticário: "Vá vender perfume pra gay" - Trans crucificada: Feliciano ataca 'cristofobia' e omissão de líderes religiosos Assista o momento de Toni Reis: "Queremos cidadania" Em sua exposição, Toni Reis falou a respeito de sua experiência. Ele é casado e adotou três filhos. “Ninguém é contra a família. Mas agora temos de conceituar. E é nisso que podemos ter algumas divergências”, diz ele. “Fiz tudo para me desfazer da minha orientação sexual. Até promessa para nossa senhora do perpétuo socorro. E não me curei”, afirma ele em tom jocoso. Reis afirma ainda que quem generaliza, erra. “Generalizou, errou. Tem deputados e deputados, tem evangélicos e evangélicos”, defende Reis, que sugere um novo olhar: “Colocarmos o “s” e discutirmos o Estatuto das Famílias”. Reis desafiou o público predominantemente evangélico presente à sessão. “Decidam-se. Ou somos pecadores, ou somos doentes ou sem-vergonha. Queremos cidadania”, diz Reis, que, da mesma forma que Malafaia, teve sua fala sobrepujada pelos gritos dos manifestantes evangélicos, maioria esmagadora na sessão.

Ultimo Segundo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Toffoli manda recado a Zanin

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje é um estorvo na defesa do meliante Lula.O ministro Dias Toffoli está disposto a apagar a pecha que lhe foi impregnada de ‘petista’.

De antemão, usou o jornal Folha de S.Paulo para mandar um recado com endereço certo. O advogado Cristiano Zanin.

Caso ele assuma o plantão do Supremo Tribunal Federal (STF), não adianta entrar com habeas corpus em favor do ex-presidente Lula. Ele não concederá liminar, em hipótese alguma.

A preocupação atual do ministro é assumir sem problemas a presidência do STF.

Outro fator preponderante para o posicionamento de Toffoli, segundo fonte segura, é a aversão entre todos os ministros do STF ao próprio advogado.

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje certamente é um estorvo na defesa do meliante petista.

Por outro lado, há quem diga que Toffoli não é petista. É ‘Dirceusista”.

Faz sentido. Zé Dirceu está solto.

Jornal da Cidade

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment

O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro.  No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo.  Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 
Confira em 7 tuítes:




Filipe G. Martins@filgmartin  · 
1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.