Pular para o conteúdo principal

Delatores confirmam à Justiça participação de Odebrecht em cartel de empreiteiras - Quatro testemunhas do processo contra empresa prestaram depoimento ao juiz Sérgio Moro nesta segunda-feira




SÃO PAULO - Quatro delatores da Operação Lava-Jato confirmaram em depoimento à Justiça Federal do Paraná nesta segunda-feira a participação de executivos da Odebrecht no cartel da Petrobras e no pagamento de propinas revelados pela Lava-Jato. Foram ouvidas, na audiência, quatro testemunhas de acusação no processo que investiga a participação da Odebrecht no esquema.
Júlio Camargo, que prestou serviços para a japonesa Toyo, para a Camargo Corrêa e para a Setal Óleo e Gás afirmou ter negociado pagamento de propina com Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, numa reunião ao lado de Márcio Faria, da Odebrecht, e de Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia. Os valores estariam relacionados às obras da central de utilidades do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).
As três empresas formavam um consórcio, e Camargo contou que foi negociado o pagamento de 1% do valor do contrato e que a “liquidação dos valores” ficou a cargo de Faria e Pessoa. Segundo ele, não havia qualquer pressão ou ameaça para que a propina fosse paga, já que era algo corriqueiro, um “fato consumado”.
— Ficou uma coisa de saber público — disse Camargo.


O delator Rafael Ângulo Lopez, que trabalhou para o doleiro Alberto Youssef, confirmou à Justiça ter estado entre 10 e 15 vezes no escritório da Odebrecht em São Paulo, levando número de contas ou retirando comprovantes de depósitos no exterior com o então executivo da empresa Alexandrino Alencar. Segundo ele, as visitas ocorreram tanto no prédio da empreiteira quanto no da Braskem, empresa do setor petroquímico, já que Alencar trabalhou, ao longo de sua carreira no grupo, nas duas empresas.
Lopez afirmou ainda que Youssef e Alencar costumavam se reunir com frequência, em flats e restaurantes. A defesa de Alencar protestou. Segundo os advogados, apenas um dos 23 depoimentos prestados à Justiça por Lopez foi anexado ao processo da Odebrecht.

O executivo Dalton Avancini, que foi presidente da divisão de Engenharia e Construção da Camargo Corrêa, disse que participou de “quatro ou cinco” reuniões com os líderes de outras empreiteiras para discutir o que ele chamou de “divisão de mercado dessas empresas”. De acordo com ele, nessas reuniões as empresas combinavam quem venceria cada licitação e qual seria o valor das propostas que seriam propositadamente derrotadas.
Os representantes da Odebrecht no cartel eram, segundo Avancini, os diretores Márcio Faria e Renato Rodrigues. O juiz Sérgio Moro perguntou se os executivos da Odebrecht tinham autonomia para tomar decisões sobre a divisão das licitações e o pagamento de propina ou se precisavam discutir com alguém com cargo mais elevado na empresa. Avancini respondeu que Faria tinha autonomia para tomar as decisões.
Avancini também mencionou outro diretor da Odebrecht em seu depoimento: Paulo Sérgio Boghossian. Segundo o presidente da Camargo, Boghossian foi responsável por pagar propina para a Petrobras liberar aditivos em um contrato para obras em um prédio da estatal em Vitória.
Segundo ele, era comum entre os executivos falar sobre o pagamento de propinas quando se encontravam:
— Em conversas com outros executivos, genericamente sempre se falava (em pagamento de propina). Nessas reuniões certamente sim, que haviam compromissos com diretorias, e que empresas tinham que pagar (propina).
Procurada, a Odebrecht informou que “as manifestações das defesas do executivo e dos ex-executivos da Odebrecht se darão nos autos do processo.”
FUNCIONAMENTO DO CLUBE
O empresário Augusto Ribeiro Mendonça Neto, da Setal, deu detalhes do chamado “Clube das 16”. As empreiteiras, segundo ele, pagavam propinas de 1 a 2% dos valores dos contratos nas diretorias de Abastecimento, do ex-diretor Paulo Roberto Costa, e de Serviços, do ex-diretor Renato Duque.

Segundo ele, a organização do clube começou entre os anos de 2004 e 2005 e que tudo funcionava bem até o início das obras da Refinaria de Abreu e Lima, quando houve um desentendimento entre as empreiteiras. As grandes construtoras, conforme disse Augusto Mendonça Neto, ficaram com as grandes obras da refinaria, deixando as pequenas fora da competição, o que deixou várias companhias descontentes.
Mendonça Neto disse que pagava propinas na diretoria de Abastecimento ao ex-diretor Paulo Roberto Costa, por intermédio do então deputado José Janene, morto em 2010, revelando que sofreu ameaças. Ele também contou que pagou propinas no exterior para Renato Duque e Pedro Barusco.
— Janene era truculento e sofri ameaças dele. Ele dizia que se não pagasse as propinas, não teria obras na Petrobras. Na diretoria de Serviços, as ameaças de Renato Duque e Pedro Barusco eram diferentes. Eles diziam que se não pagássemos, não teríamos as obras. Os diretores poderia atrapalhar os contratos.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/delatores-confirmam-justica-participacao-de-odebrecht-em-cartel-de-empreiteiras-17364019#ixzz3kUwju7ZD 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade