Pular para o conteúdo principal

Dilma reconduz Janot e afirma: ‘Políticos têm que aceitar veredicto das urnas’Cada vez mais acuada, presidente também afirmou que juízes devem trabalhar desligados de paixões político-partidárias




A presidente Dilma Rousseff durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, em Brasília


Para a presidente Dilma Rousseff, políticos têm que aceitar o veredicto das urnas(Ueslei Marcelino/Reuters)
Em mais um indício da preocupação do governo com os movimentos pró-impeachment no Congresso, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira, ao reconduzir o procurador-geral Rodrigo Janot para um mandato de mais dois anos, que "políticos têm que aceitar o veredicto das urnas". Acuada diante das crises econômica e política e do risco de terem seguimento pedidos de impedimento contra ela, a petista defendeu o combate à corrupção, mas disse que juízes devem analisar suspeitas "desligados de paixões político-partidárias".
A manifestação de Dilma ocorre um dia após o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter proferido um duro voto em favor do financiamento privado de campanhas políticas e de ter acusado o PT de, ao saquear a Petrobras no escândalo do petrolão, ter atuado em prol da "perpetuação de um projeto de poder". "Queremos um país em que os políticos pleiteiam o poder por meio do voto e aceitem o veredicto das urnas, em que os governantes de comportem rigorosamente segundo suas atribuições, sem ceder a excessos, em que os juízes julguem com liberdade e imparcialidade, sem pressões de qualquer natureza e desligados de paixões político-partidárias", declarou a presidente.
"Queremos um país em que o confronto de ideias se dê em um ambiente de civilidade e respeito. Queremos que opiniões se imponham pelo debate de ideias e contraditório, posto que ofensas e insultos serão sempre a negação da boa prática, da boa política e da ética", completou ela.

A despeito das provas evidentes de desvios na Petrobras e dos indícios de que boa parte da base aliada se locupletou dos cofres da estatal com propinas pagas ao longo dos anos, a presidente atribuiu à sua gestão a "construção de um ambiente político legal e constitucional propício ao combate da corrupção". "Poucos governos na nossa história se dedicaram de maneira tão enérgica e metódica à construção de ambiente política legal e constitucional propício ao combate da corrupção. Nunca utilizamos do poder governamental, direta ou indiretamente, para bloquear ou obstaculizar investigações, que, nos termos da nossa legislação, devem ser realizadas com firmeza e com todas as garantias pelas autoridades competentes", disse a presidente.
Depois de ter criticado o uso da delação premiada para desvendar esquemas criminosos, Dilma disse que seu governo foi responsável pela elaboração de leis que ajudaram no combate à corrupção. "Também pela primeira vez assistimos à recuperação pelo Estado de vultosos recursos desviados por agentes públicos ou privados responsáveis por atos de corrupção. O resultado desse esforço para aprimorar a legislação e assegurar de fato a plena atuação funcional conferida às instituições do Estado encarregadas de apurar e investigar é inegável. Nunca se combateu a corrupção tão severamente", exaltou.
Com dois ministros à beira de serem investigados por terem recebido dinheiro do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, a presidente Dilma Rousseff afirmou ainda que "jamais transigimos com a presunção da inocência de quaisquer cidadãos". "Queremos que as duras sanções da lei recaiam sobre todos os que praticaram atos ilícitos, sem exceção. O compromisso do meu governo com o Brasil é não compactuar sob qualquer circunstância com ilícitos e mal feitos", disse ela. Ao reconduzir o procurador-geral Rodrigo Janot para mais um mandato, a petista também defendeu a transparência e a fiscalização efetiva dos gastos públicos e a autonomia do Ministério Público para conduzir investigações.
Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…