Pular para o conteúdo principal

Jean Wyllys arranca gargalhadas ao dizer que faz “oposição” a Dilma; Feliciano tripudia: “Piada”; Assista


Jean Wyllys arranca gargalhadas ao dizer que faz “oposição” a Dilma; Feliciano tripudia: “Piada”; AssistaDurante a campanha presidencial do ano passado, Jean Wyllys fez campanha para Dilma Rousseff (PT), dizendo que a presidente havia assumido “compromissos programáticos” com os ativistas gays, e que por isso, teria seu voto.
A declaração de voto do ex-BBB foi feita após um discurso de Dilma, a seu lado, em favor do que a militância homossexual classifica como “homofobia”: “Tenho o compromisso de lutar contra a discriminação da juventude negra neste país, contra os autos de resistência, contra esse morticínio, assim como eu tenho compromisso de lutar contra violência que motiva a mulher, assim como contra a homofobia, temos de criminalizar a homofobia”, disse a então candidata à reeleição.
Durante uma sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) , o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) se disse “fora da polarização” entre a base aliada ao governo e os parlamentares que se alinham ao PSDB, e portanto, de “oposição ao governo Dilma”, o que causou riso geral nos presentes.
Irritado com a reação da maioria dos deputados, que riram sem pudor da afirmação, Wyllys ameaçou pedir que a segurança da Câmara dos Deputados retirasse todos os convidados do plenário, o que causou novas manifestações dos presentes.
Nesse momento, o pastor Marco Feliciano (PSC-SP), interveio, questionando como seria possível controlar o riso alheio, e dizendo que é natural que as pessoas riam nessas circunstâncias: “Se falar piada, a gente vai rir mesmo”.

A fala de Feliciano arrancou mais gargalhadas de quem estava no local. Wyllys, ainda mais irritado, disse que se tratava de um debate sério e que exigia respeito. “Respeito não se pede, respeito se recebe”, retrucou o pastor para delírio dos demais.
Assista:
Oposição?
.



Durante a campanha presidencial do ano passado, Jean Wyllys fez campanha para Dilma Rousseff (PT), dizendo que a presidente havia assumido “compromissos programáticos” com os ativistas gays, e que por isso, teria seu voto.


A declaração de voto do ex-BBB foi feita após um discurso de Dilma, a seu lado, em favor do que a militância homossexual classifica como “homofobia”: “Tenho o compromisso de lutar contra a discriminação da juventude negra neste país, contra os autos de resistência, contra esse morticínio, assim como eu tenho compromisso de lutar contra violência que motiva a mulher, assim como contra a homofobia, temos de criminalizar a homofobia”, disse a então candidata à reeleição.

Na mesma época, Wyllys usou o Twitter para provocar o pastor Silas Malafaia: “Desculpa aí, MAL! Eu estou apoiando a campanha da Dilma e ela assumiu compromissos programáticos, sim! Não para mim, mas para o bem do povo. E tem mais: ela vai vencer! Aceite que dói menos”, escreveu o deputado, que hoje se diz de “oposição”

Na mesma época, Wyllys usou o Twitter para provocar o pastor Silas Malafaia: “Desculpa aí, MAL! Eu estou apoiando a campanha da Dilma e ela assumiu compromissos programáticos, sim! Não para mim, mas para o bem do povo. E tem mais: ela vai vencer! Aceite que dói menos”, escreveu o deputado, que hoje se diz de “oposição”.

jean wyllys - oposicao dilma

Fonte; Gospel Mais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…