Pular para o conteúdo principal

Cristianismo cresce na Índia através dos `dalits´, a casta baixa do país

Apesar da contínua opressão os dalits, considerados o povo `intocável´, são a principal razão da difusão do Evangelho na Índia. 

Cristianismo cresce na Índia através dos `dalits´, a casta baixa do país
A economia da Índia está crescendo,
 e sua população pode, em breve,
ultrapassar a China como a maior do
mundo. Mas por trás dessas tendências
 existe algo muito maior:
 o cristianismo está crescendo mais
rápido do que os líderes do governo
admitem, e as mudanças
espirituais estão remodelando uma
nação que tem sido identificada, há
milhares de anos, pelo hinduísmo.
Segundo o escritor J. Lee Gray, que esteve no país essa semana, um milagre está
acontecendo na Índia. "O mais notável é que as pessoas que espalham o Evangelho
de forma mais ativa não são missionários estrangeiros, mas os evangelistas indianos
 que são tidos como parte inferior do sistema opressivo de castas", relata.
Ainda que a Índia tenha supostamente proibido o sistema de castas, os dalits ainda
sofrem um intenso estigma social e discriminação nos âmbitos da educação, emprego
e moradia. Apesar da contínua opressão, os dalits são a principal razão da difusão do
 Evangelho no país.
"As mesmas pessoas que foram informadas de que não eram dignos o suficiente para
 entrar em um templo hindu, estão descobrindo que Jesus Cristo tocou leprosos,
pecadores e outros 'intocáveis' daquela época e os convidou para jantar em sua mesa",
 afirma Gray.
O escritor conta que os cristãos indianos de castas mais baixas descobriram seu
verdadeiro valor e dignidade depois de conhecer a Jesus. "Eu estava feliz por adorar
com eles, os abracei, comi com eles e os lembrei que não há sistema de castas no
Reino de Deus", conta.
Enquanto isso, uma intensa guerra política-espiritual acontece na Índia. O primeiro-ministro
 Narendra Modi, eleito em 2014 como um ativista hindu auto-declarado, está trabalhando
 para que seu governo pró-hindu barre o crescimento do cristianismo — bem como o
crescimento do Islã. Atos de violência contra os cristãos, incluindo o incêndio às
 igrejas, têm se intensificado.
"O tempo que passei na Índia me convenceu de que veremos um milagre enorme
se desdobrar nesse país. Uma nação que foi fraudada para favorecer os ricos está,
 literalmente, sendo virada de cabeça para baixo por causa dos pobres 'intocáveis',
 que foram tocados por Cristo", conclui Gray.

 Muito interessante a reportagem :
A India deve ultrapassar a China em habitantes, O cristianismo cresce entre os dalits, chamada casta baixa.
Os pentecostais anunciam o evangelho, depois nós só temos o trabalho de
"TULIPAR" os convertidos.
______________________________________________________________________________

Bom, vamos lá, já que isso esta rendendo na rede, e tenho que ficar explicando o 
tempo todo.
Enfim, chega de tocar sanfona pra malandro dançar.
Infelizmente nem todos sabem entender uma ironia, que serve para ambos,
 calvinistas e  pentecostais,mas preferem intencionalmente distorcer o que eu
 disse acima.
O que eu quis dizer foi, que enquanto pentecostais vão e ganham"almas" nós
ficamos para tulipa-los no facebook.
O que quis dizer com isso! Quis dizer que enquanto eles vão nós só ensinamos,
e que o Ide é para  todos, a ordem é para todos, a crítica é que não adianta ganhar 
milhares de pessoas para Cristo e  não discípula-las, e também não adianta ter uma
 teologia maravilhosa como o Calvinismo e só ensinar a tulipa, devemos ir também, 
mas não quero com isso dizer que os Calvinistas não vão.
Quero dizer que devemos nos debruçar mais sobre isso, evangelizar mais, pois temos
 tanto a  oferecer.
Citei a palavra "tulipa-los", porque é o que eu vivo. Agora, se querem se vitimizar com
 o que entenderam, não posso fazer nada, o choro é livre.
Eu sou responsável pelo que escrevo e não pelo que você entende.


Comentários

Paz de Cristo! Respeito a irmã e seu blog, mas que comentário infeliz e desnecessário que VC fez!!!
PB. João Eduardo Silva - Assembléia de Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…