Pular para o conteúdo principal

Cut e MST prometem para dia 16 'maior mobilização desde Collor'

"Esta é a maior mobilização da esquerda brasileira contemporânea desde o impeachment de Collor." 


Foi assim que o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores) nacional, Vagner Freitas, apresentou o ato contra o impeachment, pelo fim do ajuste fiscal e pelo fora Cunha programado para o dia 16, às 17h, na avenida Paulista, em São Paulo. 

Trata-se de caso raro de união de duas grandes frentes de movimentos sociais ligados à esquerda: Povo Sem Medo e Brasil Popular. 

"Temos nossas divergências, mas nos unificamos em torno desses eixos, o que demonstra não só a gravidade do momento que o Brasil vive mas também um amadurecimento da esquerda." 

Segundo Freitas, CUT, Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Intersindical, União Nacional dos Estudantes (UNE), Movimento Sem Terra (MST), Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e Confederação Nacional de Entidades Negras (Conen) planejaram a manifestação do próximo dia 16 -três dias após ato agendado por grupos pró-impeachment- em torno da "valorização da democracia". 

"Temos consciência de que o impeachment se dará no Congresso mas que as disputas nas ruas serão essenciais para definir os rumos deste processo", avalia Carina Vitral, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). 

De acordo com Guilherme Boulos, presidente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST), a manifestação mais importante deve ocorrer em São Paulo. "Vamos levar mais de 50 mil pessoas para a Paulista", disse. 

"É um ato contra o impeachment porque entendemos que Michel Temer na presidência aprofundaria o ataque aos direitos sociais. Seria uma ponte para o passado", avalia. "Mas quem disser que é um ato em defesa de Dilma e do PT está fazendo malabarismo. Somos contra o ajuste fiscal do governo." 

Segundo Gilmar Mauro, coordenador nacional do MST, o objetivo da articulação das frentes é, primeiro, mobilizar não só outros movimentos mas todos os democratas e progressistas do país, e, em segundo lugar, articular um processo de mobilização por reformas estruturais no governo. 

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/12/1717115-esquerda-promete-para-o-dia-16-maior-mobilizacao-desde-collor.shtml 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade