Pular para o conteúdo principal

"Eu não sou de São Bernardo, e não faço fraude eleitoral", diz Gilmar Mendes a Lewandowski



Acusações de falta de respeito e estelionato eleitoral marcaram a sessão desta quarta-feira (2/12) do Supremo Tribunal federal. Os ministros Ricardo Levandowski, presidente  da corte, e Gilmar mendes discutiram de maneira ríspida no Plenário do tribunal durante julgamento que analisa a possibilidade de condenados em regime semiaberto cumprirem a pena em regime domiciliar, caso não haja vagas nos presídios.

A discussão começou depois que Levandowski discordou do voto de Gilmar mendes, que determinava ao conselho Nacional de Justiça a execução de medidas para fiscalizar o monitoramento de presos. Depois da argumentação do colega o presidente do STF afirmou que a corte não pode determinar ao CNJ a adoção de determinadas políticas públicas.Levandowski disse também que o programa começar de Novo, criado quando Gilmar mendes era presidente do STF e do CNJ
"pode estar ou não  superado  em função de outros programas que estão em andamento".

Gilmar então retrucou que esta questão pode ter qualquer nome , " se nÃo vamos ficar naquela disputa do bolsa família" com a Bolsa Escola com os estelionatos eleitorais que se fazem ".

Lewandowski então respondeu que " o CNJ não faz nenhum estelionato". Em nova resposta, Gilmar Mendes disse que chamou " "de programa de Começar de Novo, o programa que faça as vezes dele, porque senão fica muito engraçado" e pediu que Lewandowski  tratasse a spessoas com a devida seriedade.

" Vossa Excelência está dizendo que eu não o estou tratando com a devida seriedade?" questionou o presidente do STF. A Indagação foi confirmada por Gilmar mendes e fez com que Lewandowski pedisse que a afirmação fosse retirada.

Então Gilmar mendes respondeu: "Porque eu não sou de São Bernardo, e não faço fraude eleitoral". Já Ricardo Lewandowski disse: Eu não sou de Mato Grosso, Vossa excelência me desculpe. Vossa excelência está fazendo ilações incompatíveis com a seriedade do Supremo Tribunal Federal".

depois da discussão a sessão foi encerrada.

Folha Política.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…