Subscribe:

15 de dezembro de 2015

'Grupo queria ficar famoso', diz suspeito de cometer crime de racismo


Ofensas foram feitas contra jornalista Maju, da TV Globo, em julho.

Família de Sorocaba irá pagar fiança e rapaz vai responder em liberdade.

Um rapaz, de 27 anos, suspeito de envolvimento de racismo contra a jornalista Maria Julia Coutinho, a “Maju”, da TV Globo, foi detido nesta quinta-feira (10) para prestar esclarecimentos. De acordo com os promotores do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ele foi encontrado na residência, na Vila Haro, em Sorocaba (SP).
  •  
Ataques eram sempre contra personalidades (Foto: Reprodução/TV TEM)Ataques de grupo eram sempre contra
famosos, diz rapaz (Foto: Reprodução/TV TEM)
O Ministério Público cumpriu 25 mandados de busca e apreensão em oito estados. E o objetivo da operação era encontrar provas dos crimes de racismo contra a jornalista, em julho deste ano. A operação envolveu mais de 50 promotores de Justiça de todo o Brasil.
Assim que chegou ao Ministério Público, o suspeito, Erico Monteiro dos Santos, disse que não escreveu nenhum comentário racista, apenas administrava um grupo na internet com a participação de mais de mil pessoas. "O grupo queria ficar famoso. E propagaram um ataque, acharam uma maneira de propagar a fama mais fácil fazendo ataque de racismo", completa Erico.

O suspeito disse que os ataques eram sempre focados em personalidades; com o objetivo de ganhar destaque na mídia e repercussão nas redes sociais. Segundo o Gaeco de Sorocaba, foram apreendidos um celular e um computador na casa de Erico.
De acordo com o promotor Antonio Farto Neto, eles previam uma vantagem muito grande em atacar personalidades por que a repercussão da aquilo era muito grande. "Era necessário também de que alguma forma aquilo fosse noticiado na imprensa para que na cabeça deles todo mundo ficasse sabendo eles pudessem seu bando é a posteriormente e eles que conseguiram essa divulgação na mídia".

Outro crime
De acordo com o Gaeco, como nenhuma mensagem racista escrita por ele foi encontrada, o rapaz foi liberado. Mas, os promotores descobriram outro crime. No celular dele, tinham fotos de pornografia infantil. Ele disse que essas imagens seriam usadas nessa guerra virtual pra prejudicar os grupos rivais na internet.
"Esses grupos tentam derrubar o outro publicando fotos de pornografia, publicando conteúdo impróprio, às vezes até em relação ao racismo para que o site daquele grupo seja tirado do ar. Todos eles têm conhecimento que estavam fazendo ataque racista. Embora muitos digam que esse não é o objetivo principal, todos eles assumiram a responsabilidade criminal de ter feito esse ataque e todos eles podem ser responsabilizados", esclarece o promotor. A família vai pagar fiança de R$ 1 mil e o rapaz vai responder aos crimes em liberdade.
Suspeito foi preso em casa na Vila Haro, em Sorocaba (SP) (Foto: Reprodução TV TEM)Suspeito foi preso em casa na Vila Haro, em Sorocaba (SP) (Foto: Reprodução TV TEM)


Ofensas
As ofensas contra Maria Júlia foram publicadas por internautas na página do Jornal Nacional no Facebook, onde a jornalista apresenta a previsão do tempo, em julho deste ano. As mensagens começaram a surgir depois que uma foto dela foi postada na página na frente de um painel de meteorologia.

Na ocasião, a jornalista respondeu um comentário agressivo de um internauta no Twitter. Ela deu um reply na publicação e escreveu apenas: "Beijinho no ombro".Logo depois os jornalistas William Bonner e Renata Vasconcellos publicaram um vídeo no Facebook em que dão um recado, com a equipe do Jornal Nacional. Eles mostraram um cartaz e gritaram "somos todos Maju". No Twitter, a hashtag #SomosTodosMajuCoutinho chegou ao topo dos tópicos mais comentados.
Maju (Foto: Reprodução/TV Globo)Maju foi vítima de ataques racistas na internet
(Foto: Reprodução/TV Globo)
O caso passou a ser investigado pela Polícia Civil e pelo MP-SP. No último dia 6 de julho, um adolescente de 15 anos, suspeito de fazer alguns comentários contra a jornalista foi identificado e levado à delegacia para prestar esclarecimentos.
Segundo reportagem do Jornal Nacional, o autor dos ataques criminosos mora em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Ele foi ouvido pela polícia e liberado, mas vai responder por ato infracional e pode sofrer alguma medida socioeducativa.

Injúria
O crime de injúria está previsto no artigo 140 do Código Penal e consiste em ofender a dignidade ou o decoro de alguém “na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência”.

A pena pode chegar a três anos de reclusão. Se o promotor entender que houve racismo, os acusados podem responder pelos crimes previstos na Lei 7.716, de 1989.

Há várias penas possíveis para racismo, entre elas prisão e multa. O crime de racismo não prescreve e também não tem direito à fiança.

G1

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...