Pular para o conteúdo principal

GOVERNO É SUSPEITO DE UTILIZAR O DINHEIRO DE LOTERIAS PARA PAGAR AS 'PEDALADAS FIscais

Após o anúncio da quitação das dívidas atrasadas com os bancos públicos, o governo detalhou na última segunda-feira, (25), as fontes do Orçamento.última segunda feira (25), o governo anunciou que em 2015 repassou mais de R$ 724 bilhões aos bancos públicos e privados, dos quais mais de R$ 55,8 bilhões foram quitados em dezembro de 2015. Para a quitação da dívida o governo publicou um edital referente a medida provisória 904, que permite que as receitas do denominado superávit financeiro sejam utilizadas para outros fins. Os superávits financeiros são formados pelas ''sobras de caixa'', onde esses recursos tem uma destinação específica e não são totalmente utilizados.

Segundo dados do Tesouro Nacional, foram repassados mais de R$ 27,1 bilhões em recursos do superávit financeiro, onde desses mais de R$ 21,1 bilhões vieram através dos ''colchões da dívida'', formados através dos recursos das emissões de títulos. Os outros R$ 5,9 bilhões vieram de recursos do FGTS, os quais estavam retidos em caixa no Tesouro Nacional. Também foram investidos mais de R$ 94 milhões da remuneração da conta única e mais R$ 54 milhões vieram de loterias. Os mais de R$ 43,8 bilhões foram pagos aos bancos públicos e privados, recursos vindos dos exercício 2015-2016. De acordo com o Tesouro Nacional, inúmeras fontes de recursos como os R$115 bilhões da remuneração foram depositados em conta única no decorrer do ano, e mais de R$ 30 bilhões vieram de recursos originários de impostos pagos por pessoas físicas e jurídicas. Mais de R$1,2 bilhões vieram através de recursos devidos no FGTS e mais de R$ 180 milhões vieram através de operações de crédito.

Além disso o governo emitiu mais de R$ 1,5 bilhão em títulos diretamente para os bancos do Brasil e Caixa Econômica Federal.'' Em determinado momento, os recursos foram considerados positivos pelo Banco Central para os pagamentos de passivos, mas não foram utilizados recursos vindos de royalties para os pagamentos de passivos'' afirmou Otávio Ladeira secretário interino do Tesouro Nacional. A estratégia montada pelo governo federal para quitar as pedaladas fiscais está sendo criticada pelos economistas. A maioria crítica o fato do governo usar o superávit para este propósito.

Fonte.  Folha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…