Pular para o conteúdo principal

Zica ultrapassa placenta na gestação, confirma análise





EXAMES CONFIRMARAM
Uma pesquisa inédita feita pelo
Instituto Carlos Chagas, da Fiocruz Paraná,
confirmou que o vírus zika, apontado como a
principal hipótese para o aumento de casos no
país de bebês com microcefalia, é capaz de
atravessar a placenta durante a gestação.


A análise foi feita a partir de amostras de uma
paciente do Nordeste que sofreu um aborto
retido – quando o feto deixa de se desenvolver
dentro do útero – durante o primeiro trimestre
de gravidez.A suspeita surgiu após a gestante
 informarter tido sintomas de zika, como
manchas vermelhas no corpo, na sexta semana
de gravidez.
Já o aborto foi detectado em exame na oitava
semana.


A partir daí, amostras da placenta passaram por
exames de imunohistoquímica, capazes de
 verificara infecção por vírus do mesmo gênero
do vírus zika.
Em seguida, foram feitos testes moleculares por
meio da técnica de RT-PCR, que identificaram
o genoma do vírus zika em células da mãe e do
embrião.


Segundo a virologista Cláudia Nunes Duarte
dos Santos, que participou da análise, o achado
confirma a transmissão do vírus via placenta.
"É muito grave, e confirma a nossa suspeita.
É a primeira vez que vemos o RNA
[do vírus da zika] no tecido da placenta",
diz a pesquisadora.


Transmissão
Além da confirmação da presença do vírus
na placenta, pesquisadores também
verificaram os primeiros indícios de como
seria um caminho possível do vírus zika
durante a transmissão.


Durante a análise, o vírus foi identificado
em células de Hofbauer, que atuam na
manutenção da placenta e defesa do bebê.
A hipótese dos pesquisadores que
analisaram as amostras é que o vírus utiliza
a capacidade migratória dessas células para
alcançar os vasos fetais – um mecanismo
semelhante ao observado em transmissões
de HIV.
(Fonte: Uol)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: