Pular para o conteúdo principal

Lula e PT estão por trás da saída de Cardozo, diz oposição

Líderes dos partidos de oposição no Congresso afirmaram nesta segunda-feira (29) que o ex-presidente Lula e o PT trabalham para barrar investigações da Polícia Federal e são os responsáveis pela saída do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça).
Cardozo, que é do PT mas nunca teve relação próxima com Lula, era alvo de ataques de petistas devido a avaliação de integrantes do partido de que a PF faz investigação seletiva nas apurações que envolvem políticos -persegue Lula e poupa tucanos suspeitos de irregularidades.
"O que o PT e Lula querem é que o ministro da Justiça controle as atividades da Polícia Federal e as investigações que atingem membros do governo e do partido. Sem ter como se explicar, os investigados querem impor uma mordaça aos investigadores. Típico daqueles que são autoritários e querem colocar o Estado a serviço deles", afirmou em nota o líder da bancada do PSDB, Antonio Imbassahy (BA).

O líder do DEM, Pauderney Avelino (AM), afirmou temer que o novo ministro da Justiça, o procurador baiano Wellington César, sufoque as investigações da PF por meio de restrições orçamentárias. "A saída de Cardozo foi uma exigência do ex-presidente Lula, que está sendo investigado por ter usado e ser supostamente o dono de um sítio em Atibaia e de um tríplex no Guarujá."
Do mesmo modo, o senador Ronaldo Caiado (GO), líder do DEM no Senado, afirmou que a pressão do PT sobre Cardozo para que ele interferisse nas investigações da Lava Jato "constrange e envergonha o país". "Essa ação do PT revolta a população e dá mais um incentivo para lotar as manifestações do dia 13 de março", disse em nota.
O Solidariedade, outro dos partido de oposição, foi na mesma linha: "No PT as coisas funcionam assim, aos que não cumprem a ordem do rei, forca", comentou o presidente do partido, o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), por meio de sua assessoria.
Na semana passada deputados do PT se encontraram com Cardozo para pedir investigação da Polícia Federal em relação às suspeitas de que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, tenha usado uma empresa privada para enviar recursos no exterior à ex-amante. A PF abriu inquérito.
 

Cardozo, que é do PT mas nunca teve relação próxima com Lula, era alvo de ataques de petistas devido a avaliação de integrantes do partido de que a PF faz investigação seletiva nas apurações

MUDANÇA ADMINISTRATIVA
Em linha oposta o líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), minimizou a saída do ministro da Justiça e considerou seu pedido como uma "mudança administrativa de rotina". Para ele, as investigações da Operação Lava Jato, comandada pela Polícia Federal, deverão continuar sem a interferência direta do próximo ministro.
"Ele já tinha manifestado por três vezes a intenção de sair do Ministério da Justiça até por razões de saúde também. Essa substituição não vai significar de maneira alguma qualquer mudança na ação administrativa do governo em relação ao Ministério da Justiça. [...] Eu não vejo que mude nada. ", disse.
Ex-ministra da Casa Civil no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), também negou a existência de pressão política. "É natural ministros deixarem as pastas. Não é o primeiro ministro a ser trocado e com certeza não será o último. Acho natural. O ministro já estava há bastante tempo e já havia demonstrado interesse em deixar o posto."
Os dois senadores afirmaram que o próximo ministro que assumir o comando da Justiça deverá ter "o mesmo comportamento de Cardozo". "Qualquer um que entrar vai ter a postura e o respeito a autonomia da Polícia Federal", afirmou Gleisi.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…