Pular para o conteúdo principal

Macedo recebe título de Doutor Honoris Causa em teologia- A honraria foi entregue para reconhecer a importância dos trabalhos do líder religioso

Macedo recebe título de Doutor Honoris Causa em teologia
A entrega da honraria, a maior que uma instituição de ensino pode conceder a uma personalidade, aconteceu durante uma cerimônia no Templo de Salomão no dia 4 de fevereiro, uma quinta-feira.O Grupo Educacional INEPE (GEI) entregou ao bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, o diploma de Doutor Honoris Causa em Teologia.
O diretor do GEI, prof. dr. Thiago Nicolau de Araújo, esteve em São Paulo para conduzir a solenidade e a aula magna de entrega do diploma foi realizada pelo CEO do grupo, prof. dr. Faustino Júnior.
O bispo Edir Macedo também ministrou a aula magna sobre teologia antes da oficialização da entrega da honraria. Na aula ele falou sobre a importância da inteligência e dos estudos para o discernimento entre a fé cega e emocional e a fé verdadeira e genuína.
De acordo com Faustino Júnior, a entrega do título ao bispo Edir Macedo é uma forma de reconhecer a importância do líder religioso.
“Identifico no bispo Edir Macedo uma das maiores expressões teológicas mundiais da história e, por esse motivo, indiquei o seu nome para que o Grupo Educacional INEPE prestasse essa sincera homenagem pelo brilhantismo com que a sua obra e missão contribuem para o aprimoramento dos estudos na teologia”, disse ele que é reitor das instituições FACSPAR, FACINEPE e FACINEPE-RS.
Para quem não sabe, Edir Macedo é graduado em teologia, doutor em teologia, filosofia cristã, mestre em ciências teológicas, além de Honoris Causa em Divindade, e, agora, Doutor Honoris Causa em Teologia. Com informações Universal.org

Comentários

Esse cara que deu esse título não deve saber nem o que é teologia. Fazer uma declaração dessa sobre o Edir faz-me rir!!!
Faustino da Rosa Júnior enfatiza a importância do Direito Médico
O especialista ressalta que apenas seis profissionais no Brasil são aptos a tratar do tema .

Acesse: www.facinepe.edu.br
www.faustinojunior.com.br


Tratar das relações jurídicas que surgem da atividade médica é foco do Direito Médico. A área é nova no país e conta com poucos advogados especialistas. Mesmo sem ser reconhecida como um ramo autônomo do Direito, faltam profissionais especializados para dedicarem-se a todo o arcabouço jurídico que envolve as normas que regulamentam a prestação dos serviços de saúde e o exercício da profissão médica. Prof. Dr. Faustino da Rosa Júnior, especialista em Direito Médico, doutor em Direito e em Direito Constitucional, enfatiza que apenas cerca de seis profissionais no Brasil são aptos a tratar do tema.

“Nós tratamos das relações jurídicas que se estabelecem entre os médicos, entre médicos e pacientes e entre médicos e associações, instituições e conselhos. O sujeito destinatário, ou seja, o cliente, é o profissional médico. Entretanto, levando em conta o código de ética médico, não são somente eles, mas todos os profissionais que de alguma maneira exercem atividade tida como ato médico”, explica.

Entre os trabalhos desenvolvidos, está a defesa em responsabilidade civil dos hospitais, clínicas, médicos e assistentes e defesas perante os Conselhos Regionais e o Conselho Federal. De acordo com Faustino da Rosa Júnior, não existe hoje no mercado profissionais jurídicos que dominem a matéria e que possam defender os médicos em questões como erro médico ou em ações relativas a sociedades médicas. “Infelizmente, nós só temos hoje advogados que conhecem o outro lado da relação, que é a do paciente”, enfatiza o especialista.

Prof. Dr. Faustino da Rosa Júnior
Especialista em Direito Médico, Prof. Dr. Faustino da Rosa Júnior é doutor em Direito e em Direito Constitucional, além de membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RS. Professor universitário há mais de 10 anos, agrega experiências de atuação nos maiores grupos educacionais do Brasil. Atualmente é Chief Executive Office do Grupo Educacional Facinepe, referência em formação médica continuada.

Reitor INEPE, FACINEPE, FACSPAR

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…