Pular para o conteúdo principal

O futuro político de Dilma está nas mãos de quem?



O processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff anda a passos largos na Câmara. Se o ritmo atual for mantido, e os deputados votarem pelo impedimento, é provável que a ação avance da comissão especial, passe pelo plenário da Casa e chegue ao Senado ainda em abril.
Lá, se os senadores se manifestarem a favor da saída, Dilma será afastada da presidência por seis meses até o Senado tomar a decisão final.
O roteiro dessa história não é definitivo e pode mudar com o desenrolar dos acontecimentos, principalmente à medida que avançam as investigações da força-tarefa da Operação Lava Jato, que apura um grande esquema de corrupção na Petrobras.
Mas será que esse script pode ser alterado? Quem pode reescrevê-lo? Nas mãos de quem está o futuro político de Dilma Rousseff? O UOL conversou com cientistas políticos em busca de respostas para essas questões.

Lula

Para Marco Antônio Carvalho Teixeira, cientista político da FGV (Fundação Getúlio Vargas), "o criador" é quem poderá salvar a criatura. Ele se refere ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que convenceu seu eleitorado de que a então ministra-chefe da Casa Civil seria a pessoa que daria continuidade ao seu governo.
"Ela só conta com a habilidade do próprio Lula, dentro de todas as limitações dele", avalia Teixeira. A imagem do antecessor de Dilma sofreu desgaste durante a batalha que tem sido travada entre Planalto e Justiça em relação à posse de Lula como ministro-chefe da Casa Civil. 
Perguntado se haveria outro nome que poderia ajudar a presidente a se livrar do impeachment, o cientista político foi categórico: "[Além dele,] não vejo ninguém".
Teixeira diz enxergar um futuro "sombrio" para Dilma, mesmo contando com a ajuda de seu padrinho político. "O futuro é sombrio porque aquele que emprestou prestígio a ela tem tantos ou mais problemas que ela", analisa.
Dilma e Lula tiveram seus nomes citados na delação premiada firmada entre o ex-líder do governo Delcídio do Amaral (sem partido-MS) e a força-tarefa da Lava Jato.

Dilma

Com o desgaste da imagem de Lula, que outra figura do cenário político atual poderia socorrer a presidente? "Se alguém pode, certamente não é ninguém que não seja ela mesma." A opinião é de Carlos Melo, cientista político e professor do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa).
"Lula está enfraquecido, o PT está enrascado. Quem pode agir é ela própria. Ela é quem precisa encontrar uma saída", afirma.
Melo enumera quatro grandes desafios que Dilma tem pela frente: estancar a Lava Jato, dar uma resposta à operação, alavancar a economia e retomar o controle do processo político no Congresso. Tudo isso para tentar escapar do impeachment.
"Eu não acredito que ela seja capaz. Não adianta procurar alguém. [Michel] Temer não vai, Lula não vai, Renan [Calheiros] não vai. Não tem quem ajude Dilma. Teria de vir dela. Ela precisaria se reinventar, arrumar um caminho", opina.

Sem saída

Nem Lula, nem Dilma. Para David Fleischer, cientista político e professor da UnB (Universidade de Brasília), "ninguém pode salvar Dilma do impeachment".
"O futuro político dela, em princípio, dependia de Lula para livrá-la do impeachment, mas isso já foi escanteado", afirma, levando em consideração o desgaste sofrido pelo ex-presidente com a polêmica em torno do cargo de ministro.
Ele diz acreditar que a presidente não vai ter maioria na comissão nem no plenário da Câmara e que o impedimento é algo quase inevitável.
"Depois que sofrer o impeachment, ela fica inelegível por oito anos, perde o foro privilegiado e pode cair nas mãos do [juiz federal] Sérgio Moro, porque a investigação da Lava Jato vai continuar", prevê. "O futuro dela ficará, então, nas mãos de Sérgio Moro", conclui.

Uol

Comentários

Pb Fernando disse…
Ser salva do impeachment por um ladrão seria um tapa na cara da justiça e do povo brasileiro de uma forma geral. Na verdade, o lugar de Dilma e Lula é na cadeia já que são dois ladrões inveterados.

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade