Pular para o conteúdo principal

Renan já discute com o PSDB a saída de Dilma




Visto no Palácio do Planalto como o principal aliado do governo no Congresso, o presidente do Senado, Renan Calheiros, admitiu pela primeira vez participar de articulação política para encontrar uma saída constitucional que interrompa o mandato de Dilma Rousseff. Fez isso num jantar com o Aécio Neves e outros seis senadores do PSDB. O encontro ocorreu na residência do tucano Tasso Jereissati. Terminou no início da madrugada desta quinta-feira.
Pela manhã, Renan estivera com Lula. À tarde, conversara com Dilma. À noite, foi recepcionado na casa de Tasso com ironias sobre sua disposição para o diálogo. E Renan, entrando no clima: “Pois é, estive com o Lula e a Dilma. No final, estou aqui, onde me sinto mais em casa.” Estava acompanhado de outros dois caciques do PMDB no Senado: o líder da bancada Eunício Oliveira e Romero Jucá. Pelo PSDB, além de Aécio e do anfitrião Tasso, participaram do repasto o líder Cássio Cunha Lima, José Serra, Aloysio Nunes Ferreira, Antonio Anastasia e Ricardo Ferraço.
Os tucanos disseram a Renan que não enxergam saídas para a crise com a permanência de Dilma na Presidência. Mencionaram uma obviedade: sem o PMDB, o pedido de impeachment não tem chance de prosperar. E perguntaram francamente ao presidente do Senado se ele cogita manter o apoio a Dilma.
De acordo com o relato de dois senadores que participaram da conversa, Renan concordou de maneira muito clara com a tese segundo a qual Dilma, isolada e sem esboçar capacidade de reação, já não reúne condições políticas para debelar a crise que deu um tombo de 3,8% no PIB de 2015 e deve produzir uma recessão próxima dos 4% também em 2016. Eunício e Jucá ecoaram o mesmo entendimento.
Embora houvesse entre os presentes uma aparente maioria a favor do impeachment como fórmula menos traumática para afastar Dilma, a reunião não foi conclusiva quanto ao caminho a ser seguido. Nem era essa a pretensão do tucanato ao organizar o jantar.
O objetivo era obter de Renan uma posição sobre a inviabilidade do governo Dilma. Admitida a premissa, novas conversas serão marcadas, incluindo outros interlocutores. Entre eles, lideranças da Câmara, a Casa legislativa que tem poderes para autorizar a abertura do processo de impedimento de Dilma.
Segundo relatou aos tucanos, Renan repassou a Lula e Dilma sua avaliação sobre a precariedade do governo. Disse a ambos que a gestão Dilma sofre uma espécie de apagão de comunicação. Não se comunica com o Congresso, com os empresários e com a sociedade. Por necessidade, mantém um diálogo frágil apenas com os movimentos sociais.
Durante o jantar, o alagoano Renan revelou um dado que diz ter retirado de pesquisa de opinião que mandou fazer na capital de Alagoas, Maceió. Dilma aparece na sondagem com uma taxa de 61% de péssimo. “Não é ruim e péssimo, é apenas péssimo”, Renan fez questão de enfatizar.
Se não for fogo de palha, a migração de Renan deixa Dilma em apuros. A presidente contava com a solidariedade do presidente do Senado para barrar eventual processo de impeachment aprovado na Câmara. Contava com ele também para se contrapor, dentro do PMDB, à ala que prega explicitamente a aprovação do impeachment. Em direção oposta, Renan vem estreitando sua inimizade com o vice-presiente Michel Temer, beneficiário direto de um eventual afastamento de Dilma.
Havia entre os presentes uma noção de que a causa do impeachment avançará mais facilmente quanto maior for o ronco que as ruas emitirão no domingo.

Uol Noticias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Toffoli manda recado a Zanin

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje é um estorvo na defesa do meliante Lula.O ministro Dias Toffoli está disposto a apagar a pecha que lhe foi impregnada de ‘petista’.

De antemão, usou o jornal Folha de S.Paulo para mandar um recado com endereço certo. O advogado Cristiano Zanin.

Caso ele assuma o plantão do Supremo Tribunal Federal (STF), não adianta entrar com habeas corpus em favor do ex-presidente Lula. Ele não concederá liminar, em hipótese alguma.

A preocupação atual do ministro é assumir sem problemas a presidência do STF.

Outro fator preponderante para o posicionamento de Toffoli, segundo fonte segura, é a aversão entre todos os ministros do STF ao próprio advogado.

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje certamente é um estorvo na defesa do meliante petista.

Por outro lado, há quem diga que Toffoli não é petista. É ‘Dirceusista”.

Faz sentido. Zé Dirceu está solto.

Jornal da Cidade

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment

O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro.  No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo.  Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 
Confira em 7 tuítes:




Filipe G. Martins@filgmartin  · 
1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.