Pular para o conteúdo principal

Arrogante, Gleisi diz estar “acima da PF” para contestar indiciamento por corrupção passiva


Do Ucho.info
size_810_16_9_Gleisi_Hoffmann.jpg


A megalomania da senadora Gleisi Helena Hoffmann (PT-PR) atingiu novo patamar. Para questionar seu indiciamento (e de seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo da Silva) por corrupção, a senadora disse que “a autoridade policial não dispõe de amplos e ilimitados poderes, a ponto de lhe ser permitido indiciar um parlamentar federal, sem com isso usurpar a competência do STF”. Gleisi simplesmente ignorou, durante discurso na tribuna do Senado, que seu indiciamento foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal.

Jogando para a plateia, a senadora posou de vítima e afirmou ter protocolado na segunda-feira (4) uma reclamação no STF contra o seu indiciamento e do marido, no âmbito da Operação Lava-Jato.

De acordo com a senadora, o indiciamento promovido pela Polícia Federal (PF) é inconstitucional e excessivo, além de extrapolar os deveres funcionais da corporação. O pronunciamento, transmitido pela TV Senado, foi produzido sob medida para tentar justificar o vexame que surgiu a partir do seu indiciamento. Também serviu para evidenciar, mais uma vez, a acintosa prepotência da senadora, que acredita ser o Estado uma propriedade do PT, partido que já foi comparado a uma organização criminosa.

“A autoridade policial não dispõe de amplos e ilimitados poderes, a ponto de lhe ser permitido indiciar um parlamentar federal, sem com isso usurpar a competência do STF”, disse aos parlamentares. Contudo, seus pares no Parlamento sabem o que está a acontecer com Gleisi: os vagarosos braços da lei estão começando a alcançá-la.

Continuando o teatro da prepotência, Gleisi afirmou que enviou uma representação ao atual ministro da Justiça, Eugênio de Aragão, para que sejam apuradas as razões que levaram a Polícia Federal ao indiciamento. “Vou continuar minha defesa e provar inocência, sempre confiando na Justiça e na política como meios de garantir direitos e melhorar o convívio social”, afirmou em plenário.

Gleisi e Paulo Bernardo foram indiciados pela PF na última quinta-feira (31) por corrupção passiva no escopo da Lava-Jato, operação que desmontou o maior esquema de corrupção da História, do qual a petista se beneficiou financeiramente, segundo relatos dos delatores. De acordo com a investigação, a senadora teria recebido R$ 1 milhão em espécie para sua campanha ao Senado em 2010, fruto de desvios de recursos da Petrobras.

Ainda de acordo com a PF, o ex-ministro Paulo Bernardo teria solicitado a quantia ao doleiro Alberto Youssef ou ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Para piorar ainda mais a ópera bufa que protagonizou no plenário do Senado, Gleisi disse não conhecer Youssef e Costa. Apenas a título de esclarecimento, o doleiro da Lava-Jato, em tempos outros, lavou dinheiro da campanha de Paulo Bernardo, a pedido do ex-petista André Vargas, preso em Curitiba por ordem do juiz Sérgio Moro.

Do Ucho.info

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade