Neste sábado, 02, um dos maiores jornais do país, a 'Folha de São Paulo' publicou um editorial pedindo a saída da presidenteDilma Rousseff do poder. No texto, o jornal garante que dará todos as reflexões da questão, mas que escolheu um lado, dito pela 'Folha', como o da maioria dos brasileiros. O editorial começa dizendo claramente que a presidente não tem mais condições de ficar a frente do posto mais importante do país. O texto diz que essa conclusão foi chegada com pesar, já que ninguém quer que seja interrompido um governo no seu meio, mesmo que isso ocorra por maneiras legais, como ocorre agora. 
No entanto, o veículo de comunicação diz que o partido de Dilma, o PT, protagonizou os maiores escândalos do Brasil e que Rousseff se reelegeu a custa do que foi chamado de "estelionato eleitoral". A 'Folha' lembrou ainda que nunca o país passou por uma recessão tão grande e que agora a líder política do Brasil está colhendo o que plantou e que merece isso. O editorial diz também que as ruas dizem a opinião dos brasileiros e que a maioria deles quer mesmo o processo de impedimento. O jornal diz, é claro, que existem forças oportunistas que dominam o congresso, tentando preencher um espaço que foi abandonado após um colapso. 
A 'Folha' diz que tomou uma posição depois que a presidente passou a usar o governo apenas para se manter no poder e livrar Luiz Inácio Lula da Silva de problemas judiciais. Ela chegou a nomear Lula como Ministro da Casa Civil após o Ministério Público de São Paulo pedir a prisão preventiva do ex-presidente. 
De acordo com o editorial, mesmo que a presidente consiga vencer o processo de impedimento, ela não conseguiria mais voltar a governo e que isso deixará a nação completamente paralisada. A Folha se junta a outros veículos nacionais e internacionais que agora pedem a renúncia de Dilma. Por fim, o jornal deixa uma mensagem clara:
"Dilma Rousseff deve renunciar já, para poupar o país do trauma do impeachment e superar tanto o impasse que o mantém atolado como a calamidade sem precedentes do atual governo". E assim fecha-se um texto opinativo que deve entrar na história do jornal. Rapidamente, o que foi publicado pela 'Folha' ganhou repercussão nas redes sociais.