Pular para o conteúdo principal

Novas revelações da Lava Jato podem tumultuar semana de votação do impeachment de Dilma


O juiz federal Sérgio Moro pode deflagrar na próxima semana uma nova Operação da Lava Jato. O governo teme isso acontecer.

Juiz federal Sérgio Moro em destaque.
Juiz federal Sérgio Moro em destaque.



Novas revelações da Operação Lava Jato podem movimentar ainda mais o cenário político na semana em que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff começa a engrenar. No Planalto, há uma grande expectativa de que algo não muito bom pode acontecer. Responsável pelas investigações da Lava Jato, o juiz federal Sérgio Moro pode preparar uma ofensiva contra o governo e tumultuar o Plenário nos dias precedentes da votação do impeachment. Há a possibilidade da votação para o afastamento da presidente ocorrer no domingo dia 17. O governo teme que uma nova Operação da Lava Jato, devido aos vazamentos de delações premiadas, seja deflagrada pelo Juiz Sérgio Moro e propicie a prisão de duas pessoas que sempre estiveram muito próximas da presidente petista, os nomes são: Antonio Palocci e Erenice Guerra, ambos ex-ministros da Casa Civil. Em decorrências das investigações e delações da empreiteira Andrade Gutierrez, Palocci e Erenice são acusados de estruturarem o esquema de corrupção na obra da usina hidrelétrica de Belo Monte, no estado do Pará. Foi descoberto um valor de R$ 150 milhões em propina, que teria como destino os partidos PT e PMDB. Os empresários da Gutierrez afirmaram que o dinheiro doado às campanhas de Dilma em 2010 e 2014, tem origem em contratos superfaturados com empresas ligadas à Petrobrás.

Discurso

Anteontem (7), a presidente Dilma Rousseff fez um discurso crítico, afirmando que novos vazamentos criariam um ambiente propício ao golpe. Dilma chamou esses vazamentos de "oportunistas e seletivos". Buscando se proteger de novas denúncias, que podem surgir na próxima semana, a presidente acionou o Ministério da Justiça, para tomar as medidas necessárias e cabíveis. O ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, apelou ao Ministério Público Federal, para que as investigações da Lava Jato não sejam divulgadas na imprensa, evitando uma semana turbulenta de votação no Plenário. A ideia do governo, nos próximos dias, é blindar a presidente de qualquer denúncia e revelações negativas que envolvam seu nome.

Blastingnews

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade