Pular para o conteúdo principal

Pernambucano da Contag foi chamado de bandido na CPI da Funai e correu risco de ser preso



O pernambucano da Contag que ficou famoso ao ameaçar invasão de terras, ao lado de Dilma no Palácio, correu o risco de sair preso na CPI da Funai, depois de ter sido chamado de bandido por alguns parlamentares.
Durante cerimônia no Palácio do Planalto, no dia 1º de abril, Aristides disse: “A bancada da bala no Congresso Nacional, vocês sabem que é forte, e a forma de enfrentar a bancada da bala contra o golpe é ocupar as propriedades deles ainda lá nas bases, lá no campo. E a Contag e os movimentos sociais do campo é que vão fazer isso.”
A deputada Tereza Cristina (PSB-MS) lamentou o silêncio do secretário de Finanças e Administração da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Aristides Veras dos Santos, durante o depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a investigar a atuação da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na demarcação de terras indígenas.
Autora do requerimento de convocação, Tereza Cristina afirmou que esperava que Aristides pudesse se desculpar na CPI durante o depoimento.
“Não é possível que em um País que dá o direito à propriedade haja esse tipo de ameaça”, afirmou a deputada. “Incitar a invasão não está certo, não pode acontecer em um País democrático como nosso”, completou. Tereza Cristina defendeu o seu direito de ser a favor do impeachment sem que sua fazenda seja invadida.
O deputado Valdir Colatto (PMDB-SC) informou que conversou com outros dirigentes da Contag que não compactuam com a fala de Aristides. O parlamentar também disse que esperava pedido de desculpas do depoente.
“Se ele tivesse falado aqui o que falou no Palácio do Planalto, eu teria mandado prendê-lo”, destacou. Colatto questionou ainda qual a renda do secretário da Contag advinda da sua propriedade agrícola.
O deputado Delegado Éder Mauro (PSD-PA) afirmou, em tom elevado, em pé e com o dedo em riste, que o secretário é “bandido financiado pela [presidente da República] Dilma [ROUSSEFF]”.
Já o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) questionou por que Aristides não respondeu nem mesmo as perguntas relativas à atuação da Contag e afirmou que o depoente responderá em juízo por essa postura. Ele defendeu que a CPI faça a representação na Justiça. Além disso, perguntou se o secretário da Contag é filiado a algum partido político.
Aristides Veras continuou fazendo uso da liminar do Supremo Tribunal Federal que lhe garante o direito de permanecer em silêncio na CPI. A reunião continua acontecendo em clima de bastante tensão.
Com informações da Câmara dos Deputados

Uol  Blog do Jamildo

Comentários

Pb Fernando disse…
Esses vagabundos do PT se acham os donos do Brasil. É inadmissível que esses vermes comunistas continue aterrorizando os brasileiros de bem Brasil a fora.

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade