Pular para o conteúdo principal

PT vive onda de deserções e perde 1 de cada 5 prefeitos Com impeachment e o agravamento da crise, políticos eleitos pela sigla em 2012 mudaram de filiação até a metade deste mês

Às vésperas das eleições, candidatos a prefeitos desistem de usar legenda.





E está difícil para o Partido dos Trabalhadores (PT) manter os seus aliados. A legenda está vendo uma verdadeira debandada dos prefeitos nessas eleições municipais. Com a crise política e o impeachment da presidente da república Dilma Rousseff, muitos ficaram com medo de perderem votos e se prejudicarem com as polêmicas que envolvem o PT. De acordo com a Folha de São Paulo em reportagem publicada neste domingo, 24, ao todo, o partido perdeu 135 dos 638 prefeitos eleitos no último pleito. Ou seja, cerca de 20% do seu patamar eleitoral. O levantamento foi realizado pelo jornal junto ao Tribunal Superior Eleitoral, o TSE. Esse número pode ser maior, já que o fechamento foi realizado no dia 15 de abril, antes da votação do impedimento da petista na Câmara dos deputados. O processo de Dilma agora corre no Senado federal. 
Além dos nomes que simplesmente se desfiliaram, os 135 prefeitos incluem nomes que foram cassados ou simplesmente expulsos do partido por estarem envolvidos em polêmicas judiciais. A legenda perdeu prefeitos em cidades importantes, especialmente no Rio de Janeiro, Paraná e São Paulo, estados governados pelo PMDB e pelo PSDB. O problema é que até as regiões onde o PT era muito forte e que tem governadores, como Minas Gerais e Bahia, tiveram uma debandada. Os prefeitos estão pulando do barco. 
Em São Paulo, por exemplo, praticamente metade dos eleitos mudaram de partido, 35 dos 73 prefeitos. O mesmo acontece no Paraná. 18 dos 40 eleitos em 2012 decidiram tentar uma reeleição neste ano. É bom lembrar que muitos dos prefeitos que se elegeram já estão em seu segundo mandato seguido, ou seja, não precisam mudar de partido simplesmente porque nem vão concorrer às eleições, mas continuam constando nos dados do TSE. No Rio de Janeiro, 11 prefeitos se elegeram em 2012, nestas eleições, só quatro deles vão continuar levantando a bandeira da legenda, um terço. 
Enquanto isso, a presidente Dilma tenta se defender do impeachment. Ela voltou neste sábado, 23, ao Brasil. Nos Estados Unidos, ela chegou a dizer que pediria sanções a órgãos internacionais, como a Unasul e o Mercosul, caso o seu processo de impedimento fosse a frente.

Blastngnews

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade