Pular para o conteúdo principal

Conspiração oficial Em troca de proteção, Maranhão topou participar da conspirata para tentar atrapalhar o impeachment. Dilma nada fez para impedir o que se transformaria horas depois num brutal vexame

O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA)
O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA) durante coletiva sobre sua decisão de suspender a tramitação do impeachment contra Dilma Rousseff, em Brasília (DF) - 09/05/2016(Andressa Anholete/AFP)


Não foi o acaso nem as convicções pessoais que moveram o deputado Waldir Maranhão, presidente interino da Câmara, na ação aparentemente amalucada que tentou anular o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Na manhã de segunda-feira, quando pôs sua assinatura no ato, Maranhão apenas cumpriu a sua parte numa trama. Uma trama articulada em parceria com o vice-líder do governo, deputado Sílvio Costa (PTdoB-PE), que envolveu uma oferta de proteção política e a promessa de uma vaga para o Senado nas próximas eleições.

A manobra para tentar livrar Dilma começou a ser costurada quando Maranhão assumiu o comando da Câmara no lugar de Eduardo Cunha. O vice, desconhecido, despreparado e enrolado com a Justiça, assumiu interinamente o posto, mas começou a sofrer pressões para renunciar e, com isso, permitir que se fizessem novas eleições para a Mesa Diretora. Alvo fácil, o deputado logo recebeu a solidariedade do líder do governo - e uma proposta: "Você não tem apoio de ninguém. Eles vão te derrubar. Se quiser, você terá o apoio político do governo, mas vai ter que deixar claro de que lado está. Você quer jogar com a oposição ou com o governo?", perguntou Sílvio Costa. Olhos arregalados e visivelmente interessado, o presidente interino quis saber o que teria de fazer para conquistar a blindagem oferecuida. O líder de Dilma então sacou o roteiro da conspiração para derrubar o processo de impeachment no Congresso. Para ter o apoio político do Planalto e permanecer no cargo, Maranhão teria, primeiro, que atacar Michel Temer, o sucessor de Dilma, dando andamento a um pedido de impeachment do vice. Depois, a parte mais importante: teria de tirar da gaveta um recurso impetrado pela Advocacia Geral da União (AGU) que pedia a anulação da sessão da Câmara que aprovou a abertura do processo de impeachment contra Dilma.

"Você terá o apoio político do governo se se comprometer a tocar essas duas coisas. Você topa?", questionou Costa. Maranhão comprometeu-se a liberar o pedido de impeachment de Temer e se comprometeu a estudar a possibilidade de acatar o pedido sobre o pedido de Dilma, uma decisão que precisaria de mais reflexão. "Me comprometo a analisar", disse o parlamentar, garantindo que voltaria a conversar em sigilo com Sílvio Costa na noite de domingo (8), Dia das Mães. Depois da conversa com Maranhão, Sílvio Costa acompanhou a presidente Dilma Rousseff em uma agenda oficial em Pernambuco na sexta-feira. Na viagem, a presidente foi informada de toda a operação que se desenhava.

A informação sobre o acordo com o Palácio do Planalto chegou rápido ao Palácio do Jaburu, bunker do vice-presidente Michel Temer, que ainda na sexta-feira destacou emissários para tentar conversar com o presidente da Câmara. Guardando segredo sobre o pacto, Waldir Maranhão chegou a conversar com Michel Temer, despistando o vice por telefone. Depois, viajou para o Maranhão onde se encontrou com o governador Flávio Dino. Era a parte final da bruxaria.

Para selar de vez o pacto, o deputado queria garantias sobre seu futuro político - e as recebeu. Caso se prestasse ao papel de coveiro do impeachment, ele ouviu do governador a promessa de que teria o apoio e a máquina do governo do estado para disputar uma das vagas do Senado em 2018. Era o que faltava para o indeciso parlamentar se convencer de vez.

No domingo, acompanhado pelo governador, ele embarcou para Brasília. Na capital, foi direto para a casa de Sílvio Costa. Entre goles de uísque e petiscos de uma tábua de frios improvisada de última hora, o vice interino acertou os últimos detalhes da operação que desencadearia na manhã seguinte. Maranhão ainda estava preocupado com as consequências do seu ato contra o impeachment, temia as reações da opinião pública, temia a reação do Congresso e temia, sobretudo, a postura do presidente do Senado, Renan Calheiros, diante da sua decisão.

Para conseguir dar segurança ao interino, Sílvio Costa ligou para José Eduardo Cardozo e o convidou para expor os "argumentos jurídicos" que embasariam a decisão do vice. "Eu disse ao Maranhão que queria que ele seguisse a Constituição e o regimento da Casa", explicou Cardozo.

A operação precisava ser mantida em segredo. Ainda no domingo, Silvio Costa soube que emissários de Michel Temer estavam de prontidão na entrada do prédio funcional de Maranhão. Para se esconder, o vice foi dormir no hotel Royal Tulip, o mesmo que o ex-presidente Lula costuma usar como escritório. Ele passou a noite no quarto acompanhado pelo deputado Márcio Junqueira (Pros), que foi encarregado de garantir que nenhum aliado de Temer conseguiria falar com o presidente.

Na manhã de segunda-feira, o primeiro telefonema do dia de Maranhão foi para Sílvio Costa. "Siva! Acabei de assinar. Está feito!". A vexatória conspirata que envolveu o advogado-geral da União, o líder do governo e contou com o aval da presidente Dilma Rousseff durou poucas horas.

Veja Abril

PELA WEB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade