Pular para o conteúdo principal

Crucificada de 2015', a trans Viviany Beleboni fantasiou-se em protesto contra a bancada evangélica no Congresso Nacional.


Rô Moreira.
Diz a reportagem que no ano passado, a modelo se apresentou em um trio elétrico crucificada e causou polêmica. Desta vez, o objetivo da performance foi uma crítica ao fundamentalismo religioso e ao "retrocesso" dos políticos conservadores. A 20ª edição da Parada terá como principal bandeira a aprovação da Lei de Identidade de Gênero para travestis e transexuais. Serão 17 trios voltados para o tema. Viviany disse que não vai se intimidar mesmo diante de ameaças de morte das quais estaria sendo vítima. "Me ameacem de morte a tiro, como me ameaçaram esta semana ou não, eu vou estar lá. Porque cachorro que late não morde. Enquanto estiver viva, vou falar de religião porque eles (políticos) distorcem para criar ódio contra a comunidade LGBT."
Alguém, precisa dizer a esta pessoa que os evangélicos não estão nem aí para sua caricatura e lamentamos por ela dizer que é ameaçada, até porque cristãos não ameaçam ninguém, e deveria dar nomes: ameada por quem? Podemos ver claramente que não passa de uma falácia tentando induzir os que apoiam sua luta incansável em denegrir os evangélicos,  portanto sua fala depões contra ela mesma. . Nossa luta não é nas ruas, mas no Congresso e em Deus, porque nossas armas são poderosas  para destruir todo engano, toda insensatez, toda forma de doutrinação e ideologia de gênero que dominam os despreparados,  néscios, os tolos e sem compromissos com a verdade, mas somente em usá-los aproveitando dos seus discursos para vender seus produtos, tais como as marcas que os apoiam como Kibon, Bob's e Skol sem se importar com suas vidas.
Disse ela que seu protesto é contra o retrocesso político dos fundamentalistas que barram suas leis e seu figurino e seu ato artístico estarão representando a Lei de identidade de Gênero Já, que não passa justamente por causa dessa bancada evangélica. Vou falar de religião quantas vezes forem necessárias", afirmou.
Nos, Evangélicos afirmamos que continuaremos dizendo NÃO a ideologia de gênero, e faremos isso, nas redes sociais e  dentro da lei. 
Disse ela que  eles tem pela primeira vez grandes marcas privadas como parceiros oficiais: Skol, Bob's e Kibon. Fabio Baracho, porta-voz da Skol presente na coletiva, disse que esta é a primeira edição da Parada com patrocínio da marca de cerveja.
Nós Evangélicos repudiamos todos que apoiam essas paradas,  repudiamos todas as marcas, boicotamos, assim como fizemos com a L'oreal, C&A e o filme Aquarius, agora teremos a Kibon e Bob´s e todos os produtos da Skol como guaraná e tantas outras marcas que apoiam tudo que fere nossos princípios cristãos e tudo que fere a sociedade como um todo independente de credo. 
Até porque todas essas marcas são patrocínio governamental através dessas empresas e isso sai do erário, e é descarregado no imposto de renda e nós que pagamos por todo esse desmando pois é dinheiro de imposto que não entra pra saúde e educação. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…