Pular para o conteúdo principal

Dilma mexe em R$ 1 bi do orçamento e tira dinheiro da Farmácia Popular




O Ministrio do Planejamento publicou nesta segunda-feira (2) uma srie de portarias que modificaram em R$ 1 bilho o oramento federal.
Os principais programas que perderam oramento foram
o Farmcia Popular, o pagamento a Estados pela Ateno Bsica Sade, o Censo Agropecurio do IBGE e os recursos para investimento nas Eletrobras. Com isso, os gastos nessas reas tero que ser menores que o autorizado pelo Congresso.
Os programas que mais tiveram o oramento aumentado foram a compra de remdios e vacinas e o pagamento a procedimentos de mdia e alta complexidade de hospitais (Sade), alm de segurana para grandes eventos (Defesa).
As portarias criaram os chamados crditos extraordinrios no oramento. Isso significa que a previso de gastos para esses programas foi aumentada ou diminuda. Mas, como o governo contingenciou o oramento porque as receitas esto abaixo do previsto, na prtica o novo oramento permite que os rgos programem novos gastos, mas ainda no pode se transformar em pagamento.
A lei permite essas mudanas desde que o total aumentado seja igual ao que foi cortado.
O programa Farmcia Popular perdeu R$ 315 milhes dos R$ 2,7 bilhes previstos no incio do ano, segundo dados oficiais do oramento. Como o programa j pagou efetivamente R$ 926 milhes at abril, para os oito meses finais do ano ele ter R$ 1,5 bilho para gastar, o que em mdia menos do que j foi pago nesses quatro primeiros meses. Esse oramento foi colocado para a compra de remdios e vacinas.
J o Piso de Ateno Bsica para Estados, que o quanto o governo repassa aos Estados para atendimento da populao em postos de sade, perdeu cerca de R$ 210 milhes. Esse dinheiro agora vai pagar grandes hospitais pblicos e privados que fazem procedimentos de alta e mdia complexidade.
A Eletrobras perdeu mais R$ 166 milhes de uma verba prevista para aumento de seu capital social. Conforme a Folhamostrou na sexta (29), R$ 100 milhes desse dinheiro j haviam sido retirados para pagarem publicidade. Os recursos foram remanejados para o pagamento de despesas de Segurana para Grandes Eventos, ou seja, os Jogos Olmpicos.
Em relao ao Censo Agropecurio do IBGE, que foi cancelado por falta de recursos, parte do oramento previsto para ele, de R$ 125 milhes, foi realocado em vrios programas administrativos do Ministrio do Planejamento e do prprio IBGE.

Com informaçao Folha de S. Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…