Pular para o conteúdo principal

Meirelles fala em foco no controle dos gastos públicos

Objetivo da nova equipe econômica é trazer de volta ao mercado de trabalho os mais de 11 milhões de desempregados, reduzir insegurança de trabalhadores e empresários e garantir recebimento futuro da aposentadoria dos brasileiros

Henrique Meirelles no Fórum Veja - "O Brasil que temos e o Brasil que queremos ter"
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, discursa no Fórum Veja - O Brasil
que temos e o Brasil que queremos ter, no Teatro Santander em São Paulo - 23/05/2016
(Heitor Feitosa/VEJA.com)r legenda



A equipe econômica do governo Michel Temer anunciará, ao fim da manhã desta terça-feira, medidas para equacionar o rombo nas públicas, que deve atingir 170,5 bilhões de reais este ano, segundo projeção anunciada na última sexta-feira. Sem entrar em detalhes, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, antecipou que serão ações nos campos administrativo e legislativo. "Primeiro, teremos o controle de despesas primárias e financeiras, de um lado, com foco na eliminação da ineficiência do gasto público. De outro, uma busca na ênfase na prestação de serviços públicos", afirmou, durante discurso no Fórum VEJA, em São Paulo.


Meirelles disse que, de hoje para amanhã, serão longas 24 horas de trabalho para concluir as proposições e ressaltou que a ideia é apresentar medidas que tenham efeitos ao longo dos anos e impacto permanente. "Devemos apresentar uma linha de ação. Sendo aprovada, nós traremos segurança e confiança para mercados, consumidores, investidores, de que as finanças públicas estão estáveis", disse. "Isso não pode ser mera declaração ou intenção, nem mesmo medidas de curto prazo", enfatizou. Em um segundo momento, ele disse que serão apresentadas medidas para estimular a produtividade e o ambiente de negócios no país.


O ministro ressaltou ainda a importância de, primeiramente fazer um diagnóstico claro e preciso do "tamanho do buraco", para que se possa tomar medidas eficazes. "Todos concordam que agora não é momento para errar, mas para acertar. Então repito a frase: devagar que estou com muita pressa'", disse. Ele ainda lembrou que o governo interino de Temer ainda está em seu sétimo dia útil. "É preciso controlar a ansiedade e agir com rapidez e segurança, tomando medidas adequadas", reforçou.


O objetivo do "plano de voo" da nova equipe econômica, segundo Meirelles, é trazer de volta ao mercado de trabalho os mais de 11 milhões de desempregados, reduzir a insegurança de trabalhadores e empresários e garantir o recebimento futuro da aposentadoria dos brasileiros. "Com isso, proporcionaremos um futuro melhor para os trabalhadores. Muito obrigado e vamos trabalhar", finalizou.


Diagnóstico - Ao comentar as razões principais que levaram à deterioração das contas públicas, o ministro disse que o cerne do problema foi o crescimento do gasto. "Em 25 anos, de 1991 a 2015, o gasto primário saiu de 11% para 19% do PIB, o que representa um crescimento anual de 0,3%", disse, acrescentando que, com isso, houve um crescimento do risco e de solvência. "De 2008 a 2015, a receita anual cresceu 14,5% em termos reais [descontada a inflação], enquanto a despesa aumentou 51%", disse, destacando o crescimento exponencial de subsídios e subvenções. "As contas públicas passaram a emitir sinais inequívocos de insustentabilidade", disse.


Para resolver este impasse, segundo ele, não é possível reproduzir soluções adotadas em décadas passadas, com aumento da carga tributária - que aumentaria a ineficiência do setor privado e limita o crescimento --, nem com a contenção de despesas discricionárias (não obrigatórias), que tem margem mínima de manobra. "A experiência anterior, portanto, não pode ser replicada", defendeu.


De acordo com o ministro, se nada for feito diante do atual quadro, a dívida pública em relação ao PIB superaria os 80% em poucos anos, aproximando-se do dobro da média de países emergentes, de 44%. "´Desequilíbrio fiscal nunca mais´ deve ser uma regra de ouro que precisamos estabelecer na economia brasileira", disse.




Fórum Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade