Pular para o conteúdo principal

Obcecada pela tese do golpe, Gleisi delira e mente. Denuncia em Lisboa que “Dilma está presa” no Alvorada




gleisi h


Ucho.info

A caravana dos desesperados, também conhecida como turnê “champagne com bacalhau”, que levou um grupo de senadores bolivarianos à Europa, com direito a voo em classe executiva e muitas doses de finos espumantes, tudo sob o patrocínio do suado dinheiro do contribuinte, teve o objetivo insano de denunciar o “golpe de Estado no Brasil”. E essa empreitada suicida em termos políticos chegou ao cúmulo do ridículo.

A senadora Gleisi Helena Hoffmann (PT-PR), indiciada por corrupção passiva e acusada por cinco delatores da Operação Lava-Jato de corrupção e embolso de gordos “pixulecos”, está a denunciar em Portugal que a presidente Dilma Rousseff estaria “prisioneira” no Palácio do Alvorada.

Tudo porque o senador Jorge Vianna (PT-AC) teve de passar por uma barreira policial quando foi visitar a “companheira” no Alvorada. Tanto o senador quanto Gleisi tentam transformar um incidente corriqueiro em acontecimento grave, de forma a tentar dar consistência à tese do “golpe de Estado”, assunto que já caiu no ridículo depois que os Estados Unidos afirmaram na tribuna da OEA que “não existe nada sequer parecido com um golpe de Estado acontecendo no Brasil”.

No perfil que mantém no Facebook, Gleisi resumiu o discurso parvo que vem fazendo em Lisboa, com intervalos dedicados a suculentas postas de bacalhau, taças de champagne e algumas comprinhas, pois até os comunistas não resistem ao consumismo financiado pelo erário:

“Em pronunciamento, o Senador Jorge Viana denuncia que o acesso a Presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Alvorada, está sendo fortemente controlado por militares a mando do atual governo interino. A ordem é que ninguém pode visitá-la sem autorização prévia. Inaceitável!”

É importante notar que o senador Jorge Viana é conhecido por gostar de armações. Ele foi apanhado em um grampo, autorizado pela Justiça, sugerindo que Lula desacatasse o juiz Sérgio Moro publicamente para depois se posicionar como vítima e “preso político”. A cascata da “prisão de Dilma” segue a mesma linha tosca de “raciocínio”. Se é que raciocina alguém que cria enredos pífios e decadentes.

A conversa entre Jorge Viana e o advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula, foi divulgada em 17 de março passado. Viana não negou a autenticidade da gravação. Só reclamou que tivesse sido divulgada. É o seguinte o relato do Estadão sobre essa outra armação do senador:

“A Polícia Federal monitorou uma conversa entre o advogado Roberto Teixeira, compadre de Luiz Inácio Lula da Silva, e o senador Jorge Viana (PT-AC) – irmão do governador do Acre, Tião Viana (PT), em que ele defende que o ex-presidente deveria “desacatar” o juiz federal Sérgio Moro, dos processos da Operação Lava Jato, para se transformar em um “preso político”.

“Eu acho que a fala do presidente foi bom, mas ela foi muitos tons abaixo do que deveria ser”, afirma o senador ao compadre de Lula. Era dia 4 de março, quando foi deflagrada a Operação Aletheia – 24ª fase da Lava-Jato – e o ex-presidente levado coercitivamente para depor pela PF. Após deixar o Aeroporto de Congonhas, onde foi ouvido, pela manhã, o petista seguiu para a sede nacional do PT onde fez um duro discurso contra as autoridades e contra as apurações.”

O mais interessante na fala obtusa de Jorge Viana é que ele próprio, sem perceber o ato falho, diz a Roberto Teixeira, ao referir-se a Moro, que “quem age fora da lei é bandido”. Pois bem, se a profecia de Viana é válida, o PT há muito deixou de ser um partido político para assumir o papel de organização criminosa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade