Pular para o conteúdo principal

Para Paulinho da Força e Marta Suplicy, Dilma age com desespero



ANA PAULA MACHADO SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No ato da Força Sindical, em São Paulo, que reuniu artistas e políticos da oposição, neste domingo (1º), o presidente da entidade e deputado federal pelo Solidariedade, Paulinho da Força, criticou o "pacote de bondades" que a presidente Dilma Rousseff vai anunciar, em São Paulo. Segundo ele, é um ato mais de desespero e vingança do que uma medida para beneficiar a população. "Ela (Dilma) já não consegue mobilizar mais ninguém.

 O povo já não acredita mais nela. Isso parece mais uma vingança por tudo o que está acontecendo com ela do que qualquer outra coisa. Isso que é triste", disse Paulinho. O deputado disse, ainda, que o reajuste na tabela do Imposto de Renda (IR) deveria ser de 72%, e não de 5%, como o estimado. 

"A defasagem na tabela é de 72%. Por isso, acreditamos que essa medida não passa de uma vingança." MARTA SUPLICY A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) também criticou o anúncio do pacote de Dilma. Ela disse que as medidas que devem ser anunciadas pela presidente mostram o total desespero do atual governo. Segundo ela, esse aumento no benefício deveria ser conversado com a próxima gestão, o que seria normal em uma transição. "O reajuste pode ser feito, está previsto no orçamento, mas não deve ser feito no desespero, ou para deixar uma marca. Mostra a postura do governo em atrapalhar a transição, em retirar todos os documentos.

 É realmente um ato de desespero", disse Marta. A ex-petista e agora peemedebista, que foi vaiada no início de seu discurso, falou ainda que um acordo com os trabalhadores e os empresários deve ser feito para criar as medidas necessárias para tirar o Brasil da recessão. "Ninguém vai poder passar por cima da classe trabalhadora. Haverá um consenso entre todos os setores. É uma tristeza o que estamos vendo no Brasil hoje. Seria melhor que ela [Dilma] deixasse que o novo presidente fizesse uma avaliação da situação para conceder outros benefícios", afirmou a senadora, que minimizou as vaias no início de seu discurso. "É normal. Sempre participei de atos em outras centrais." Marta disse que não vai participar da nova equipe de governo que o vice-presidente Michel Temer está organizando, caso o impeachment de Dilma seja aprovado no Senado, e que vai se concentrar na disputa pela Prefeitura de São Paulo. "Estou mais forte do que nunca", afirmou. PÁGINA VIRADA No ato, com clima de página virada, muitas bandeiras estampavam "Tchau querida" e deputados e senadores já falavam do novo governo Michel Temer. 

Paulinho da Força disse que o seu partido vai pleitear somente uma pasta: a do Trabalho ou a do Desenvolvimento Agrário. "Nunca quis ser ministro e não será agora que serei. Há dois nomes [do Solidariedade] que defendo, o do deputado Augusto Coutinho (PE) e do Zé Silva (MG).

 Queremos construir um novo governo para tirarmos o país dessa situação que o PT nos colocou", afirmou Paulinho. O deputado Augusto Coutinho (SD-PE) disse que não iria comentar a sua possível indicação ao Ministério. "São especulações. Nada está definido. Temos que esperar ainda o afastamento da presidente Dilma", disse. Segundo ele, o partido pleiteia um ministério, que pode ser o do Trabalho ou o do Desenvolvimento Agrário. O deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE), autor do último voto para a aprovação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara, disse que a melhor medida para defender os empregos é a retomada do crescimento econômico. 

Segundo ele, o ajuste fiscal deve ser realizado pelo governo Michel Temer, caso o afastamento da presidente seja concluído. "É uma medida para estancar essa queda dos postos de trabalho neste ano. Hoje, o governo gasta mais do que arrecada", disse o tucano. A Secretaria de Segurança Pública não divulgou a estimativa do número de pessoas que compareceu ao Ato da Força. A entidade estima que estiveram no ato mais de 500 mil pessoas.

Comentários

Pb Fernando disse…
A Dilma Rousseff mais do que ninguém está plenamente convicta de que seu governo acabou e de maneira vergonhosa. Então ele num ato de total desespero tenta reverter o quadro com medidas que afetará ainda já sucateada economia brasileira.

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.