Pular para o conteúdo principal

Para Paulinho da Força e Marta Suplicy, Dilma age com desespero



ANA PAULA MACHADO SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No ato da Força Sindical, em São Paulo, que reuniu artistas e políticos da oposição, neste domingo (1º), o presidente da entidade e deputado federal pelo Solidariedade, Paulinho da Força, criticou o "pacote de bondades" que a presidente Dilma Rousseff vai anunciar, em São Paulo. Segundo ele, é um ato mais de desespero e vingança do que uma medida para beneficiar a população. "Ela (Dilma) já não consegue mobilizar mais ninguém.

 O povo já não acredita mais nela. Isso parece mais uma vingança por tudo o que está acontecendo com ela do que qualquer outra coisa. Isso que é triste", disse Paulinho. O deputado disse, ainda, que o reajuste na tabela do Imposto de Renda (IR) deveria ser de 72%, e não de 5%, como o estimado. 

"A defasagem na tabela é de 72%. Por isso, acreditamos que essa medida não passa de uma vingança." MARTA SUPLICY A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) também criticou o anúncio do pacote de Dilma. Ela disse que as medidas que devem ser anunciadas pela presidente mostram o total desespero do atual governo. Segundo ela, esse aumento no benefício deveria ser conversado com a próxima gestão, o que seria normal em uma transição. "O reajuste pode ser feito, está previsto no orçamento, mas não deve ser feito no desespero, ou para deixar uma marca. Mostra a postura do governo em atrapalhar a transição, em retirar todos os documentos.

 É realmente um ato de desespero", disse Marta. A ex-petista e agora peemedebista, que foi vaiada no início de seu discurso, falou ainda que um acordo com os trabalhadores e os empresários deve ser feito para criar as medidas necessárias para tirar o Brasil da recessão. "Ninguém vai poder passar por cima da classe trabalhadora. Haverá um consenso entre todos os setores. É uma tristeza o que estamos vendo no Brasil hoje. Seria melhor que ela [Dilma] deixasse que o novo presidente fizesse uma avaliação da situação para conceder outros benefícios", afirmou a senadora, que minimizou as vaias no início de seu discurso. "É normal. Sempre participei de atos em outras centrais." Marta disse que não vai participar da nova equipe de governo que o vice-presidente Michel Temer está organizando, caso o impeachment de Dilma seja aprovado no Senado, e que vai se concentrar na disputa pela Prefeitura de São Paulo. "Estou mais forte do que nunca", afirmou. PÁGINA VIRADA No ato, com clima de página virada, muitas bandeiras estampavam "Tchau querida" e deputados e senadores já falavam do novo governo Michel Temer. 

Paulinho da Força disse que o seu partido vai pleitear somente uma pasta: a do Trabalho ou a do Desenvolvimento Agrário. "Nunca quis ser ministro e não será agora que serei. Há dois nomes [do Solidariedade] que defendo, o do deputado Augusto Coutinho (PE) e do Zé Silva (MG).

 Queremos construir um novo governo para tirarmos o país dessa situação que o PT nos colocou", afirmou Paulinho. O deputado Augusto Coutinho (SD-PE) disse que não iria comentar a sua possível indicação ao Ministério. "São especulações. Nada está definido. Temos que esperar ainda o afastamento da presidente Dilma", disse. Segundo ele, o partido pleiteia um ministério, que pode ser o do Trabalho ou o do Desenvolvimento Agrário. O deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE), autor do último voto para a aprovação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara, disse que a melhor medida para defender os empregos é a retomada do crescimento econômico. 

Segundo ele, o ajuste fiscal deve ser realizado pelo governo Michel Temer, caso o afastamento da presidente seja concluído. "É uma medida para estancar essa queda dos postos de trabalho neste ano. Hoje, o governo gasta mais do que arrecada", disse o tucano. A Secretaria de Segurança Pública não divulgou a estimativa do número de pessoas que compareceu ao Ato da Força. A entidade estima que estiveram no ato mais de 500 mil pessoas.

Comentários

Pb Fernando disse…
A Dilma Rousseff mais do que ninguém está plenamente convicta de que seu governo acabou e de maneira vergonhosa. Então ele num ato de total desespero tenta reverter o quadro com medidas que afetará ainda já sucateada economia brasileira.

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.