Pular para o conteúdo principal

PGR pede arquivamento de processo para investigar Fernando Francischini



A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta segunda-feira (2) o arquivamento de investigação da Operação Lava Jato contra o deputado federal Fernando Francischini (SD-PR). Ele era investigado por ter sido citado nadelação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido) como beneficiário de esquema de corrupção.

Segundo Delcídio, Francischini fazia parte de um grupo de parlamentares que pedia dinheiro para barrar requerimentos de convocação de empresários na CPMI da Petrobras. O delator relatou reuniões com empresários das quais Francischini participara.

De acordo com o senador, o ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro coordenou uma espécie de força-tarefa para blindar os empresários. Além dele, os delatores da Lava Jato Ricardo Pessoa e Júlio Camargo também foram citados por Delcídio como parte do grupo de empresários.

Porém, segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Júlio Camargo afirmou que não tinha conhecimento do envolvimento de Francischini na cobrança de dinheiro dos empresários.

"Prevalece a máxima de que a mera referência a terceiros em conversa alheia desacompanhada de outros elementos de convicção e em aparente conflito com a versão dos colaboradores mencionados não autorizam a realização de investigação", afirmou Janot.

O deputado já havia negado as acusações. Afirma que o senador mentiu e que usou a delação para se vingar. (Veja a nota do deputado no fim da reportagem)
Em delação premiada, senador Delcídio do Amaral cita o deputado federal pelo Paraná Fernando Francischini (Foto: Reprodução)






Em oficio encaminhado a Rodrigo Janot, Francischini afirmou que o senador mentiu “escancaradamente” quando o mencionou.

O deputado ainda negou ter tido contato com investigados e declarou que apresentou inúmeras convocações e denúncias contra Delcídio e que o senador usou a delação para se vingar.tado foi 
ecretário no Paraná Francischini ficou no comando da Secretaria de Segurança Pública do Paraná por quatro meses.



Deputado encaminhou explicações ao procurador-geral da República (Foto: Reprodução)

Deputado encaminhou explicações ao procurador-geral da República (Foto: Reprodução)































 Ele saiu do governo Beto Richa (PSDB) em meio à crise envolvendo a Polícia Militar (PM) que entrou em confronto com os professores, deixando mais de 200 pessoas feridas em Curitiba no dia 29 de abril de 2015. De acordo com o governo estadual, Franscischini pediu demissão.

O governador do Paraná e outras cinco pessoas, entre elas Francischini, foram notificados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por atos de improbidade administrativa, devido ao confronto.


G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: