Pular para o conteúdo principal

Delator diz que entregou ao menos R$ 70 milhões a Renan, Sarney e Jucá


Machado fez afirmação a investigadores da Lava Jato, informou 'O Globo'.
Renan e Jucá negam ter recebido; Sarney diz que vai processar delator.






Sérgio Machado afirmou que pagou ao presidente do Senado, Renan Calheiros, cerca de R$ 30 milhões. Para o ex-presidente da República e senador José sarney, Machado relatou a entrega de cerca de R$ 20 milhões. Machado citou ainda que entregou outros R$ 20 milhões ao senador e ex-ministro Romero Jucá (PMDB-RR).


Os valores, segundo Machado, foram desviados da subsidiária da Petrobras, responsável pelo transporte de combustível no país. As informações foram publicadas na noite desta sexta no site do jornal "O Globo" e confirmadas pela TV Globo.

Renan Calheiros afirmou que nunca recebeu dinheiro de Machado. "Jamais recebi vantagens de ninguém. Sempre tive com Sérgio Machado uma relação respeitosa e de Estado. Nunca indiquei ninguém para a Petrobras e nem para o setor elétrico", afirmou.

O senador Romero Jucá também negou o recebimento de qualquer recurso financeiro por meio de Sérgio Machado ou comissões referentes a contratos realizados pela Transpetro.



Em nota enviada pela assessoria neste sábado (4), o ex-presidente José Sarney afirmou que “não existe qualquer envolvimento” dele nos fatos investigados pela Lava Jato.

Sarney também diz que as gravações feitas por Sérgio Machado, uma delas em um hospital segundo o ex-presidente, revelam o “monstro moral” que o delator é.

O peemedebista finaliza a nota chamando Machado de pessoa “abjeta” e sem credibilidade e diz que vai processar o ex-presidente da Transpetro.

Há duas semanas, foram divulgadas gravações feitas por Sérgio Machado de conversas com integrantes da cúpula do PMDB, nas quais eles falavam de meios para tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

A delação de Sérgio Machado já foi homologada pelo Supremo. Agora, o teor dos depoimentos está sob análise e poderá ser usado em futuras investigações.

Em uma das gravações feitas por Machado, Renan Calheiros defende alteração na lei que trata da delação premiada para impedir que presos colaborem com as investigações.

Na gravação com Romero Jucá, o senadorsugere ao presidente da Transpetro "pacto"para tentar barrar a Operação Lava Jato. No mesmo dia, Jucá anunciou que deixaria o ministério do Planejamento, que estava sob o comando dele havia menos de duas semanas.

O áudio com José Sarney mostra o ex-presidente da República afirmando que eventuais delações premiadas de executivos da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato, são "uma metralhadora de [calibre] ponto 100".



Outra gravação feita por Sérgio Machado que motivou a saída de ministro foi a que Fabiano Silveira, ex-ministro a Transparência, fez críticas à condução da Lava Jato pela Procuradoria Geral da República e deu conselhos a investigados na operação. Silveira deixou a pasta um dia após a divulgação dos áudios.

G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: