Pular para o conteúdo principal

Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se espalhando no Oriente Médio


Um surto de Leishmaniose Cutânea atinge a Síria e algumas regiões da Líbia, Líbano e do Iêmen




As consequências dos violentos conflitos no Oriente Médio estão se expandindo também para a área da saúde pública. Um surto catastrófico de uma doença tropical que desfigura o rosto das vítimas está se espalhando por áreas ocupadas pelo grupo terrorista Estado Islâmico na Síria e em algumas regiões da Líbia, Líbano e do Iêmen.

Uma pesquisa publicada nessa terça-feira pelo jornal cientifico PLOS revelou que a Leishmaniose Cutânea afeta atualmente centenas de milhares de pessoas que vivem em campos de refugiados ou zonas de guerra nesses países. A doença, causada por um parasita na corrente sanguínea, é transmitida através da picada de um mosquito e causa nódulos e lesões de pele desfigurantes.

O reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical dos EUA e um dos principais autores da pesquisa, Peter Hotez, afirmou ao jornal Digital Journal que é preciso parar o avanço da doença o quanto antes, "ou arriscamos repetir outra situação como a do Ebola em zonas de conflito da África Ocidental em 2014".


A Leishmaniose foi endêmica na Síria durante séculos e ficou conhecida como o "diabo de Aleppo". Atualmente, o agravamento no conflito armado que já dura mais de cinco anos no país e a contínua crise de refugiados colaboraram para o surgimento de um novo surto. O número de casos registrados pelo Ministério da Saúde do país dobrou de 23.000 antes do início da guerra civil em 2011 para 41.000 em 2013, de acordo com a pesquisa do PLOS.

Países vizinhos, que recebem milhões de refugiados sírios, também passaram a reportar cada vez mais casos de Leishmaniose. No Líbano, foram relatados 1.033 casos em 2013, um aumento gigantesco comparado com os seis únicos registros ao longo dos doze anos anteriores. Centenas de pessoas infectadas também foram identificadas na Turquia e na Jordânia. Segundo os cientistas, a região leste da Líbia também viu o número de casos da doença crescer. No Iêmen, um número estimado de 10.000 novos casos são reportados a cada ano. Com cada vez mais iemenitas fugindo para a Arábia Saudita, aumenta a preocupação de que a doença se espalhe ainda mais.

A Leishmaniose Cutânea é uma das 17 doenças tropicais classificadas pela Organização Mundial da Saúde como "negligenciadas". A organização acredita que o maior conhecimento a respeito da doença e o controle dos vetores, somados a um melhor acompanhamento e uma boa formação para os médicos poderiam impedir que a epidemia se espalhasse.
(Da redação Veja )

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também:

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…