Subscribe:

21 de junho de 2016

Em delação, Marcelo Odebrecht admitirá elo com repasses para Dilma


Paulo Lisboa - 1º.set.2015/Efe
BRA02 CURITIBA (BRASIL), 01/09/2015.- El presidente de Odebrecht, Marcelo Bahia, y otros cuatro exdirectivos de la constructora se atuvieron a su derecho a permanecer en silencio frente a un grupo de diputados que investiga las corruptelas detectadas en la estatal brasileña Petrobras, hoy martes 1 de septiembre de 2015, en Curitiba, Brasil. El presidente del grupo, Marcelo Odebrecht, y los otros cuatro exejecutivos de la constructora están detenidos en esa ciudad en el sur del país, hasta donde se desplazaron los diputados en un vano intento por obtener información sobre la supuesta participación de la firma en el escándalo que se investiga en la petrolera. EFE/ Paulo Lisboa ORG XMIT: BRA02
O empreiteiro Marcelo Odebrecht, que fechou acordo de delação premiada


Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht, vai assumir no acordo de delação que negocia com procuradores da Lava Jato que controlava pessoalmente os recursos legais e ilegais que irrigaram as campanhas presidenciais de 2010 e 2014, vencidas pela presidente afastada, Dilma Rousseff, segundo a Folha apurou.
O executivo vai relatar que teve uma conversa com Dilma no México em 26 de maio de 2015, quando teria alertado a então presidente que os investigadores da Lava Jato estavam prestes a descobrir os pagamentos ilícitos que a Odebrecht fez ao marqueteiro João Santana na Suíça.
De acordo com o executivo, Dilma não deu atenção ao que ele dizia.
A conversa ocorreu 24 dias antes de Marcelo ser preso pela Polícia Federal —a prisão preventiva de Marcelo completou um ano no último domingo (19).
O ex-presidente da Odebrecht chegou a tratar de pagamentos ao PT com representantes do partido, em sua casa no Morumbi, na zona sul de São Paulo.
ALERTA A DILMA
Até a descoberta dos pagamentos na Suíça, no valor de US$ 4 milhões, segundo os primeiros documentos enviados pelo país europeu, Marcelo dizia a seus interlocutores que não se sentia ameaçado pela Operação Lava Jato por acreditar que, se ele fosse preso, o governo de Dilma cairia junto com ele.
Marcelo também deve dizer que não considerava crime os pagamentos ilícitos que fez ao marqueteiro do PT.
Para ele, os repasses via caixa dois são parte da cultura política do país e do sistema de financiamento a partidos no Brasil.
O relato de Marcelo sobre as duas últimas campanhas presidenciais confirma uma das suspeitas dos procuradores e da Polícia Federal: a de que Santanarecebeu recursos ilícitos no Brasil e no exterior. O marqueteiro recebeu R$ 42 milhões e R$ 78 milhões pelas campanhas presidenciais de 2010 e 2014 respectivamente, de acordo com prestação de contas apresentada à Justiça Eleitoral.
O financiamento ilícito das duas últimas campanhas presidenciais faz parte de um total de 20 temas que Marcelo já esboçou nos preparativos para a delação.
Marcelo disse a interlocutores que assumirá o controle sobre os gastos nas campanhas presidenciais de 2010 e 2014 porque quer fazer um acordo de delação que prime pela "justeza" –nas campanhas de Lula de 2002 e 2006, ele não estava na presidência do grupo, função que assumiu em 2009.
O executivo já afirmou a interlocutores, por exemplo, que jamais cuidou de pagamento de propina a diretores e gerentes da Petrobras e que, portanto, não incluirá esses crimes nos seus relatos.
Outros executivos do grupo, que também foram presos, mas já estão soltos, queriam que Marcelo assumisse outros crimes sob o argumento de que ele presidia o grupo que foi beneficiado pelos negócios fechados com a Petrobras com o pagamento de suborno.
Marcelo se recusou a assumir irregularidades que teriam sido praticadas por outros diretores. Tomou essa decisão mesmo com o argumento de que a empresa deve perder a elite de seus executivos com a delação, já que terão de deixar seus cargos após o acordo ser fechado.
OUTRO LADO
A assessoria da presidente afastada Dilma Rousseff confirmou, por meio de nota à Folha, que ela esteve com Marcelo Odebrecht em maio de 2015 na Cidade do México, durante viagem oficial.
Segundo Dilma, doações e pagamentos a João Santana não foram tratados na conversa. A nota diz que "todos os pagamentos pelos serviços prestados da campanha de reeleição, inclusive a João Santana, foram feitos dentro da lei e declarados à Justiça Eleitoral".
De acordo com Dilma, Santana recebeu R$ 70 milhões de seu comitê –o PT arcou com mais R$ 8 milhões.
A nota diz ainda que Marcelo faz "suposições" que não merecem comentários.
O PT afirma que o partido só recebe doações oficiais, todas declaradas à Justiça.
O advogado de Santana, Fabio Tofic Simantob, afirmou que só se manifestará nos processos judiciais.
Em manifestação ao juiz Sergio Moro, o advogado negou que Santana soubesse que recebia recursos ligados a contratos obtidos por meio de suborno. A Odebrecht não quis se manifestar. 

1 comentários:

Pb Fernando disse...

Se realmente o Marcelo Odebrecht falar tudo o que ele sabe concernente a corrupção envolvendo sua empresa e o governo corruPTo do PT, ele apenas revelará o que o Brasil já sabe, ou seja, que o governo do PT é uma farsa.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...